O Sermão da Montanha

        Ao chegarmos à casa de dona Lina na noite seguinte ela não estava; fora visitar dona Rosina mas não devia demorar, explicou-nos o sr. Antônio que já ocupava o seu lugar. De fato, chegou dali a minutos e vendo-nos reunidos sentou-se também.
        — Pensei que hoje não teríamos história, disse dona Lina. Precisei ir à casa de dona Rosina e ela quase que me segura por lá.
        — Tive vontade de ir buscá-la. Fiquei com medo que a senhora não viesse, falou a Joaninha.
        — Mas aqui estou; ouçam:
        Um dia Jesus parou numa planície acompanhado da comitiva de seus discípulos e de grande multidão de povo que tinha vindo da Judéia, de Jerusalém, das aldeias da beira do lago e das cidades marítimas de Tiro e da Sidônia.
        Essa multidão viera para ouvi-lo e para que lhe curasse as enfermidades. Jesus vendo que todos queriam tocá-lo, subiu num monte e com um gesto mandou que se acomodassem. Foi aí que ele pronunciou o Sermão da Montanha, repositório de maravilhosos ensinamentos. Prestem bem atenção que vou repeti-lo para vocês:
        Jesus, correndo os olhos por aquele povo, ensinava dizendo:
        — “Bem-aventurados os pobres de espírito; porque deles é o reino dos céus.
        Bem-aventurados os mansos; porque eles possuirão a Terra.
        Bem-aventurados os que choram; porque eles serão consolados.
        Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça; porque eles serão fartos.
        Bem-aventurados os misericordiosos; porque eles alcançarão misericórdia.
        Bem-aventurados os limpos de coração; porque eles verão a Deus.
        Bem-aventurados os que padecem perseguição por amor da justiça; porque deles é o reino dos céus.
        Bem-aventurados vocês serão quando sofrerem injúrias e perseguição por amor de mim. Alegrem-se porque grande recompensa vocês terão nos céus”.
        Estas são as oito bem-aventuranças que Jesus pronunciou no monte. Querem perguntar alguma coisa?
        — Eu quero, Lina. O que Jesus quis dizer por pobres de espírito? perguntou dona Aninhas.
        — Pobres de espíritos são as pessoas que não são orgulhosas e que tratam bem de todos, respondeu dona Lina. Espero que vocês sejam sempre pobres de espírito, isto é, bondosos e delicados para com todos. (O Evangelho da Meninada. Cap. 23. Eliseu Rigonatti)
E  vocês alunos possuem outras dúvidas? Explicarei com detalhes os outros trechos....

Passatempo Espírita © 2013 - 2021. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode