Teoria de Piaget

A Teoria de Piaget

        Segundo Piaget, quando o indivíduo experimenta uma necessidade (desequilíbrio), ele age para restabelecer o equilíbrio, ou seja, readaptar-se.

        Percebemos que a necessidade, ao causar o desequilíbrio, impulsiona o indivíduo à ação para restabelecer o equilíbrio.

        A necessidade está ativando a força interior da vontade.

        Quando o indivíduo age, dois aspectos se interagem: a inteligência e o sentimento.

(A necessidade varia ao infinito. Uma curiosidade é uma forma de necessidade que causa o interesse, que mobiliza a vontade de agir)

 

A Construção do conhecimento

        Em todo procedimento (ação) o indivíduo utiliza as estruturas mentais que já possui, que reagirá com o procedimento presente formando nova estrutura. Toda nova estrutura é construída pela interação da ação presente com as estruturas já existentes, ou seja, já construídas   anteriormente. Piaget   afirma que este processo de modificação das estruturas interiores, que é um processo de adaptação, ocorre através da assimilação, que consiste na absorção de experiências novas às estruturas interiores e da acomodação que consiste na modificação interior, que acomoda seu funcionamento para adaptar-se às novas experiências.

        Toda nova estrutura é construída pela interação da ação presente com as estruturas já existentes, ou seja, já construídas anteriormente.

        Este processo ocorre através da assimilação, que consiste na absorção de experiências novas às estruturas interiores e da acomodação que consiste na modificação interior, que acomoda seu funcionamento para adaptar-se às novas experiências.

        A atividade mental se processa pela assimilação e acomodação em níveis gradualmente crescentes, num avançar progressivo, construindo gradativamente novas estruturas em níveis cada vez maiores, ou seja, partindo do que já se tem dentro de si, construindo estrutura nova, em nível superior. Esse processo de assimilação e acomodação é constante. A criança assimila o meio através das experiências, da vivência, até o momento em que acomoda suas estruturas interiores às novas experiências, construindo assim, nova estrutura, em nível superior. Essa nova estrutura mental servirá de base para a construção de outras estruturas, em níveis cada vez mais superiores. A criança necessita de  desafios   um pouco acima do estágio em que se encontra, para através do seu próprio esforço atingir um estágio em nível superior. O termo “estrutura mental” se refere à capacidade de realização e não a conteúdos acumulados ou meros conhecimentos.

(Fonte: Curso Online de Pedagogia Espírita. Revista Pedagógica Espírita -  www.rpespirita.com.br / IDE - Editora - www.ideeditora.com.br / Grupo Pedagogia Aplicada à Evangelização -  www.pedagogiaespirita.org / Coordenação: Walter Oliveira Alves)