Dinâmica - Quem seria expulso do templo?

Objetivo: Refletir quem seria expulso do templo espírita  hoje em dia, se Jesus estivesse encarnado aqui na Terra.

Participantes: Indefinido.

Tempo Estimado: 20min.

Material: lousa e giz.

Descrição: O Evangelizador deverá escrever na lousa o seguinte trecho bíblico: Jesus disse: ''Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras.'' (Mateus 16:27-27). Logo em seguida, deverá fazer o seguinte comentário:  Jesus anuncia o seu segundo advento, mas não diz que voltará à Terra com um corpo carnal, nem que personificará o Consolador. Apresenta-se como tendo de vir em Espírito, na glória de seu Pai, a julgar o mérito e o demérito e dar a cada um segundo as suas obras, quando os tempos forem chegados. (A Gênese. Cap. 17. Item 45. Allan Kardec) No entanto, gostaria que vocês imaginassem Jesus encarnado aqui na Terra hoje. Se Jesus estivesse aqui na Terra, neste momento atual, quem vocês acham que o Mestre expulsaria dos templos religiosos? Quais atividades exercidas no templo seriam censuradas? (Aguarde as respostas e anote aquelas que são pertinentes na lousa). Se os alunos tiverem dificuldades  para responder, o Evangelizador deverá questioná-los com as perguntas abaixo:

1. Os espíritas podem  vender rifas dentro do templo para angariar recursos para manutenção de um Centro Espírita? Não. Atividade censurada: venda de rifas.

2. Os espíritas podem fazer um bazar de roupas usadas dentro do templo para conseguir arrecadar dinheiro para comprar alimentos e distribuir aos pobres? Não. Atividade censurada: comércio de roupas.

3. Pode haver festa e "comes e bebes" dentro do templo para comemorar o aniversário de Allan Kardec?

Não. Atividade censurada: "comes e bebes".

4. Um palestrante  espírita pode cobrar dinheiro das pessoas para assistirem a sua palestra no templo ou participarem de um congresso? Não. Atividade censurada: palestras pagas.

5. Um dirigente pode permitir que um político faça propaganda política dentro do templo para receber ajuda financeira dele e usar este dinheiro para auxiliar pessoas carentes? Não.  Atividade censurada: fazer propaganda política.

6. Um dirigente pode inserir práticas terapêuticas, que não são espíritas,  tais como, cromoterapia ou apometria, dentro do templo Espírita, com a finalidade de ajudar as pessoas? Não. Atividade censurada: exercer práticas estranhas.

7. O médium pode cobrar pelas curas realizadas ou pelas cartas psicografadas de entes queridos?

Não. Atividade censurada: comércio da mediunidade.

8. Após a palestra no templo, o palestrante pode pedir dinheiro ou alimentos ao público,  justificando que é para auxiliar pessoas carentes?  Não. Atividade censurada: coleta de dinheiro ou alimentos.

9. Os espíritas podem vender livros espíritas dentro do Centro Espírita, sendo que existe biblioteca para o empréstimo de livros? Não. Atividade censurada: comércio de livros.

10. O dirigente pode agredir o Espírito obsessor com palavrões ou palavras agressivas, com a finalidade de afastá-lo da vítima? Não. Atividade censurada: discussões violentas.

11. Antes de começar a reunião, os espíritas podem conversar sobre assuntos não edificantes, tais como, novelas, redes sociais, política, dentro do templo? Não. Atividade censurada: conversa tumultuada e não construtiva.

12. O Espírita pode utilizar o dinheiro da venda de livros espíritas psicografados ou não na sua vida pessoal? Não. Atividade censurada: uso indevido do dinheiro.

Obs.: O Centro Espírita deve ser mantido com o dinheiro dos sócios, porém se a contribuição mensal deles não for suficiente, os espíritas podem fazer a arrecadação de dinheiro através de eventos sociais beneficentes ou venda de livros espíritas, desde que seja fora do Centro Espírita.

Comentário: O Espírito André Luiz faz a seguinte recomendação:  " Nas reuniões doutrinárias, jamais angariar donativos por meio de coletas, peditórios ou vendas de tômbolas, à vista dos inconvenientes que apresentam, de vez que tais expedientes podem ser tomados à conta de pagamento por benefício.  A pureza da prática da Doutrina Espírita deve ser preservada a todo custo. (...) Em nenhuma oportunidade, transformar a tribuna espírita em palanque de propaganda política, nem mesmo com sutilezas comovedoras em nome da caridade.  (...) O Espiritismo não pactua com interesses puramente terrenos. "(Conduta Espírita. Cap. 10 e 11. Espírito André Luiz. Psicografado por Waldo Vieira ) De acordo com Bezerra de Menezes, "(...) O Centro Espírita deve se transformar num verdadeiro santuário, de respeito e oração. Não se pode, pois, permitir em seu seio festas, músicas, de fundo não edificantes, peças teatrais, aplausos, conversação tumultuada e não construtiva, discussões violentas, homenagens humanas, "comes e bebes", reuniões sem disciplina, rifas, leilões, comércios, brincadeiras, competições, ataques a outras religiões, enfim tudo aquilo que não se concebe num hospital, junto a um leito de dor ou num santuário de oração. É necessário o mais digno procedimento no centro espírita, a fim de que Jesus não tenha que voltar para expulsar-nos dele, como procedeu para com os mercadores do templo."(Fonte: Revista Reformador - Janeiro - 1992 - N° - 1954.  Bezerra de Menezes. Psicografia de Chico Xavier )

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode