Organização do DIJ nas Instituições Espíritas*

I. Filosofia do Trabalho

        Ao pensarmos em criar o Departamento de Infância e Juventude, DIJ, na Casa Espírita ou na Federativa Estadual, precisamos ter em mente, em primeiro lugar, finalidade e objetivos desse Departamento.

        Já temos, sem dúvida, no Movimento Espírita um consenso: só há uma justificativa par separar crianças, jovens e adultos — a de ordem didático-psicológica no aprendizado da Doutrina Espírita.

        Essa certeza se robustece no fato de que o Espírito não tem idade e que, portanto, qualquer atendimento específico em determinada fase de seu desenvolvimento, se fundamenta em necessidades de ordem psicológica.

        Fora dessas circunstâncias todos podemos e devemos aprender a Doutrina Espírita em conjunto, sem separações de qualquer espécie, pois os mais cultos ou mais inteligentes ajudarão os menos favorecidos a crescer e a aperfeiçoar-se; os moços auxiliarão os velhos com o seu dinamismo e estes àqueles com a sua experiência e assim por diante.

        Cumpre acrescentar, ainda, que a Instituição Espírita é um todo homogêneo e que a sua divisão em Departamentos visa, tão somente, a facilitar a execução de tarefas específicas.

        Não tem, em razão disso, justificativa aceitável, o fato de, em uma mesma instituição, funcionarem setores com funções similares. Exemplo: Departamento de Assistência Social dentro de uma Instituição e outro no seio da Mocidade pertencente a essa mesma Instituição.

        Se a função do Departamento de Assistência Social é atender ao necessitado, cumpre ao freqüentador da Instituição Espírita, jovem, adulto ou velho cerrar fileira em torno dos objetivos desse departamento e nunca criar outro órgão para desempenhar idêntica função, sob qualquer pretexto.

        Muitas vezes, no desejo de modernização, desejo em alguns casos muito justo, cria-se novo departamento com o mesmo objetivo do primeiro, como na situação acima exposta, em vez de procurar modificar, com paciência e perseverança, aquilo que está defasado já, no existente.

        A experiência nos diz, pelo menos no Movimento Espírita, que criar órgão similar a outro em funcionamento, porque o primeiro se mostra incapaz de atender os reclamos da época, não dá certo.

        O caminho correto, parece-nos, é colaborar para que o organismo incapacitado, mal orientado, ou fraco, se reestruture e se fortaleça para bem cumprir sua missão.

        O ―DIJ‖ na Instituição Espírita será um setor da Casa, nela perfeitamente integrado, fazendo parte do todo, dinâmico e ordenado, com delegação da sua diretoria para atuar no campo específico da criança e do jovem, agilizando as tarefas que estão a seu cargo e obedecendo à filosofia de trabalho emanada dessa mesma diretoria que, a seu turno, tem por dever cumprir e fazer cumprir os estatutos da Instituição.

        Muitas casas espíritas, entre Centros e Federações, adotam critérios diferentes de organização para essa área de atividade, organizando o Departamento de Infância separado do de Juventude ou Mocidade.

        Considerando a identidade de objetivos, isto é, o estudo da Doutrina Espírita, segundo métodos didáticos apropriados, acreditamos que esse Departamento pode abrigar sem prejuízos, ao contrário, com vantagens, os dois setores referidos, uma vez que o segundo é uma seqüência natural do primeiro.

 

II. O Departamento de Infância e Juventude na Federativa Estadual

1. Finalidade e Constituição

        São finalidades do Departamento de Infância e Juventude – DIJ:

  •  propiciar meios para que se alcancem os objetivos da Evangelização;
  •  cumprir os dispositivos estatutários da Instituição a que pertence;
  •  divulgar a importância da evangelização das novas gerações;
  •  incentivar e orientar, na Rede Federativa, as atividades de evangelização da Infância e Juventude;
  •  propiciar ao Evangelizador recursos para a realização da tarefa;
  •  manter a unidade evangélico-doutrinária no desenvolvimento da tarefa;
  •  promover a integração das juventudes no Movimento Espírita;
  •  promover o aperfeiçoamento doutrinário-pedagógico dos Evangelizadores.

        O DIJ é integrado pelos seguintes setores:

- Setor de Infância;

- Setor de Juventude;

- Setor Técnico-Pedagógico.

 

2. Atribuições Específicas

2.1. Do Setor de Infância Compete a esse setor:

  •  propagar a importância da evangelização espírita infantil, promovendo, na Rede Federativa Estadual, a expansão da tarefa;
  •  dinamizar o trabalho da Infância, incentivando a realização de encontros de Evangelizadores, encontros de Crianças, Reuniões de Pais e Evangelizadores e outras atividades que favorecem o seu fortalecimento;
  •  promover campanhas específicas de divulgação da tarefa;
  •  divulgar um Currículo de ensino que permita alcançar um ponto de encontro entre todos os espíritas e a divulgação dos princípios norteadores do processo de aperfeiçoamento moral.

2.2. Do Setor de Juventude Compete a esse setor:

  •  coordenar o trabalho de Evangelização Espírita Juvenil em toda a rede federativa estadual;
  •  promover a sua expansão, incentivando a instalação de novas Juventudes junto às instituições espíritas do Estado;
  •  sugerir recursos para o crescimento qualitativo das já existentes;
  •  promover encontros específicos com os dirigentes desse trabalho com a finalidade de:

a) manter sempre presentes os seus objetivos e

b) proceder à avaliação permanente do mesmo, visando ao planejamento ou replanejamento futuros;

  •  promover Encontros de Juventudes com fins confraternistas ou de estudo, de âmbito municipal ou estadual;
  •  promover, periodicamente, uma Confraternização de Juventudes de âmbito estadual.

2.3. Do Setor Técnico-Pedagógico Compete a esse setor:

        As tarefas da competência desse setor são desenvolvidas por meio das seguintes atividades:

  •  criar e ou adaptar materiais didáticos;
  •  elaborar programas de ensino ou utilizar os já existentes, considerando os objetivos da evangelização;
  •  elaborar planos de ensino;
  •  realizar cursos de âmbito municipal e estadual;
  •  promover reuniões de estudo e atualização de conhecimentos pedagógicos à luz da Doutrina Espírita;
  •  catalogar o material didático existente;
  •  confeccionar recursos didáticos, colocando-os à disposição dos dinami- zadores de cursos;
  •  enviar aos Centros Espíritas sugestões de material didático alternativo ou enriquecedor das aulas;
  •  manter os recursos didáticos e os equipamentos em perfeito estado de uso;
  •  reunir-se com os DIJs dos Centros Espíritas orientando-os na confecção de material didático;
  •  organizar exposições de material didático;
  •  fornecer aos DIJs das Casas Espíritas orientações quanto à organização de materiais didáticos;
  •  fazer controle de empréstimo do material por meio de fichas.

2.4. Secretaria

  • Esse setor encarregar-se-á de:  arquivar toda a correspondência recebida e expedida;
  •  receber e arquivar relatórios dos DIJs dos Centros Espíritas;
  •  elaborar relatórios anuais, com base em dados fornecidos pelos demais setores, a serem apresentados à diretoria da instituição pelo diretor do DIJ;
  •  expedir correspondência aos DIJs dos Centros Espíritas informando-os sobre reuniões, cursos, encontros ou quaisquer atividades federativas do DIJ;
  •  organizar fichários com dados relativos aos DIJs dos Centros Espíritas, bem como os relativos aos colaboradores do DIJ da Federativa;
  •  controlar a freqüência dos Evangelizadores;
  •  controlar o movimento financeiro do departamento, prestando contas das despesas autorizadas pelo diretor.

 

III.Organizaçãoe Funcionamentodo DIJ na Casa Espírita

        O Departamento de Infância e Juventude tem a função específica de levar às crianças e aos jovens os conhecimentos do Espiritismo e o estímulo à sua vivência.

        No atingimento desse propósito, deve organizar-se de modo a atender às referidas tarefas que se entrosam, mas que tem cada qual peculiaridades e aspectos distintos.

        O DIJ da Casa Espírita deve estar constituído, basicamente, dos setores de Infância e de Juventude, sendo coordenado por um Diretor, nomeado pelo Presidente da Casa, e que fará parte da Diretoria da mesma, assessorado por tantos Coordenadores quantos sejam os setores nele criados.

1. Estrutura

        Os setores de Infância, de Juventude, de Recursos Didáticos e de Secretaria são dirigidos pelo Diretor, auxiliado por dois Coordenadores.

1.1. Atribuições do Diretor do DIJ:

  •  ser membro da Diretoria do Centro Espírita, quando a sua estrutura administrativa o permitir;
  • administrar as atividades do Departamento;
  •  elaborar o plano de atividade do ano;
  •  apresentar o planejamento das atividades do DIJ à Diretoria;
  •  escolher os Evangelizadores que se responsabilizarão pela orientação dos ciclos de infância e de juventude;
  •  escolher, entre os seus colaboradores, um coordenador para o setor de infância e outro para o setor de juventude, quando as condições de trabalho assim o permitirem;
  •  freqüentar, junto com sua Equipe, cursos e treinamentos com vistas à atualização de conhecimentos;
  •  promover reuniões com seus colaboradores, tanto de ordem administrativa como de ordem pedagógica;
  •  fazer a coordenação e o acompanhamento permanente das atividades dos setores do DIJ, por meio de coleta de dados e sua análise;
  •  participar do movimento federativo municipal, regional e estadual;
  •  manter contato com o DIJ da Federativa Estadual, recebendo as diretrizes para o trabalho de evangelização; 
  • proceder à avaliação interna, utilizando os dados no replanejamento do departamento;
  •  entregar relatório à Diretoria da Instituição;
  •  assinar, com o Presidente, a correspondência do Departamento.

1.2. Atribuições dos Coordenadores de Setores:

        De Infância — são as seguintes:

  •  coordenar as atividades de evangelização infantil do Centro Espírita;
  •  distribuir o material de evangelização entre os evangelizadores, orientando-os para a adequada utilização;
  •  organizar a matrícula e registrar os dados de freqüência dos Evangelizadores;
  • participar de encontros de Evangelizadores de infância;
  •  realizar reuniões de pais;
  •  proceder à avaliação interna das atividades do setor;
  •  realizar outras tarefas propostas pelo Diretor do DIJ.

De Juventude — são as seguintes:

  •  coordenar as atividades de evangelização dos jovens no Centro Espírita;
  •  distribuir o material de evangelização com os orientadores dos ciclos;
  •  participar de encontros de orientadores de juventude;
  •  dar oportunidade aos jovens para integrar-se no Centro Espírita e no movimento espírita municipal;
  •  organizar a matrícula e registrar os dados de freqüência dos jovens;
  •  realizar outras tarefas propostas pelo Diretor do DIJ.

1.3. Atribuições dos Evangelizadores:

  • estudar a Doutrina Espírita;
  •  desenvolver o plano de trabalho elaborado para o ano;
  •  comparecer ao trabalho com assiduidade e pontualidade, sendo um referencial de comportamento responsável;
  •  comunicar, com antecedência, os seus impedimentos;
  • participar dos Cursos Intensivos de Preparação ou Atualização; dos Encontros e Seminários, sendo flexíveis e receptivos à aquisição de novos conhecimentos;
  •  manter em dia o registro de freqüência de sua classe;
  •  participar ativamente das reuniões de pais e evangelizadores;
  •  interessar-se por todas as atividades do Departamento, delas participando;
  •  acompanhar os alunos às festividades ou aos passeios coletivos programados pelo DIJ da Casa;
  •  estimular e apoiar os jovens na participação das atividades doutrinárias, assistenciais e outras da Casa Espírita, no intuito de integrá-los à mesma;
  •  comparecer às reuniões programadas pelo Diretor de Departamento e nelas atuar com entusiasmo;
  •  avaliar-se constantemente, considerando o seu papel de mediador do conhecimento.

2. Funcionamento

2.1. Setor de Infância

        Toda Casa Espírita deverá ter uma escola de Evangelização Espírita Infanto- Juvenil com crianças de 3 a 12 anos, distribuídas da forma que se segue:

  •  Maternal, crianças de 3 e 4 anos;
  •  Jardim, crianças de 5 e 6 anos;
  •  1º Ciclo, crianças de 7 e 8 anos;
  •  2º Ciclo, crianças de 9 e 10 anos;
  •  3º Ciclo, crianças de 11 e 12 anos;

        Cada turma deverá funcionar em sala própria e será orientada por um Evangelizador. No caso de falta de salas ou de evangelizadores, pode-se adotar o critério dos horários diferentes de funcionamento ou o das classes aglutinadas. A distribuição dos alunos, nos diversos ciclos, será feita pela idade cronológica e de acordo com a classificação já exposta.

        O programa de estudo, no 2º caso, deverá estar de acordo com a média de idade das crianças presentes.

        Escolhidos dia e hora para funcionamento da Escola, a Casa Espírita providenciará para que as salas estejam à disposição do trabalho, a fim de que este não fique prejudicado por falta de espaço.

Obs.: Crianças muito pequenas deverão estar separadas das maiores para que haja aproveitamento de ambos os grupos.

 

2.2. Setor de Juventude

        A organização de Juventude nas Casas Espíritas tem por finalidade:

  •  ministrar os conhecimentos da Doutrina Espírita, ensejando atividades de vivência desses conhecimentos;
  •  conceder aos jovens oportunidades de desempenhar tarefas compatíveis com as suas possibilidades na Casa Espírita;
  •  conscientizar os jovens de que serão eles os continuadores do movimento organizado do Espiritismo;
  •  favorecer o intercâmbio do jovem com outras juventudes e sua integração no Movimento Espírita em geral.

        A Juventude, constituindo-se um dos setores do DIJ da Casa Espírita, está sob a jurisdição deste e abrange:

  •  1º Ciclo, jovens de 13 e 14 anos;
  •  2º Ciclo, jovens de 15 a 17 anos;
  • 3º Ciclo, jovens de 18 a 21 anos;

        Em caso de impossibilidade de efetuar-se a divisão proposta, por falta de salas ou de Orientador/Evangelizador, poder-se-ão reunir os ciclos de acordo com a maior proximidade das idades. Na hipótese de dificuldades maiores, poderá ser consultado o órgão técnico do DIJ da Federativa Estadual.

        Cada ciclo do Setor de Evangelização Espírita de Juventude deverá ter um Orientador ou Evangelizador.

        Os Orientadores/Evangelizadores dos dois últimos ciclos de Juventude poderão constituir uma Comissão de Assessoramento, composta de jovens integrantes desses ciclos, que tenham demonstrado interesse especial pelas atividades da Juventude.

        Quanto ao aproveitamento do jovem na Casa, são lembradas as seguintes atividades para aqueles que integram os dois últimos ciclos de juventude:

  •  colaboração nas aulas para crianças, pelo jovem de mais de 17 anos;
  •  prestação de serviços nos setores de secretaria, tesouraria, informática e atividades assistenciais da Casa;
  •  colaboração nas reuniões públicas, doutrinárias, quer ocupando a tribuna, quer realizando outras atividades programadas para essas reuniões;
  •  ajuda na divulgação da Doutrina, participando da organização de bibliotecas, periódicos, murais e na distribuição de mensagens.

        Além dessas, outras atividades poderão propiciar a perfeita integração do jovem na Casa Espírita, dando-lhes oportunidades de prática da convivência fraterna com seus semelhantes e da cooperação nas atividades coletivas de socorro, de estudo, de trabalho, de divulgação.

 

3. Orientação Didática

        Tanto os evangelizadores da Infância como os da Juventude imprimirão ao seu trabalho a orientação didática traçada na reunião de planejamento do início do ano, a adoção de um método que propicie a participação ativa dos evangelizandos, construindo seu saber. Abrange os seguintes aspectos:

  •  adoção de programa de ensino;
  • métodos e processos de ensino;
  •  duração de aulas;
  •  emprego de recursos audiovisuais;
  •  atividades complementares;
  •  confraternizações de juventudes;
  •  reuniões comemorativas;
  •  avaliação.

        O programa de ensino a ser adotado, tanto para a Infância como para a Juventude, é fornecido pela Federativa Estadual.

        Os métodos e processos de ensino devem ser adaptados à situação real da escola, isto é, às possibilidades dos alunos, das salas de aula, do número de evangelizadores etc.

 

IV. Recomendações Gerais

1. Divulgação da Tarefa — recomenda-se:

  •  aproveitamento de todas as palestras públicas para esclarecimentos relativos à importância da tarefa e ao seu andamento;
  •  utilização de cartazes e murais com incentivos e notícias;
  •  distribuição de mensagens focalizando a importância da evangelização da Infância e da Juventude, bem como a do Culto do Evangelho no Lar;
  •  aproveitamento dos periódicos para salientar a relevância da tarefa e neles publicar trabalhos dos jovens, entre outros procedimentos aconselháveis.

2. Matrícula

        Sendo a atividade de evangelização um trabalho sistematizado, convém realizar, no início de cada ano, um registro das crianças e dos jovens em uma ficha de matrícula, contendo, entre outros, os seguintes dados: nome, data de nascimento, filiação, sexo, escolaridade, endereço e outras informações que nos pareçam necessárias (nº de irmãos, profissão do pai e/ou mãe etc.)

 

3. Registro de Freqüência

        Objetivando um melhor acompanhamento da participação das crianças e dos jovens nas reuniões da Evangelização (momento didático), e para facilitar estatísticas com vistas ao relatório, sugere-se realizar um registro de freqüência. Algumas Casas Espíritas estão em condições de informatizar todos os registros necessários.

 

4. Reuniões

4.1. De Evangelizadores

        A fim de possibilitar a avaliação interna e realizar a integração dos esforços, é necessária a realização de reuniões periódicas entre o diretor do DIJ e seus colaboradores, com pauta de assuntos e atividades que despertem interesse e que resultem de necessidades constatadas. Entre outros assuntos, essas reuniões poderão tratar do planejamento de atividades a serem desenvolvidas na tarefa de evangelização, tais como a preparação das aulas a serem ministradas (confecção de material audiovisual, estudo dos conteúdos etc), quando for o caso, e da comunicação de avisos relacionados à tarefa.

        Essas reuniões deverão ser sistematizadas e, previamente, estabelecidas no planejamento.

        Deverão servir também para formar novos trabalhadores a integrar a equipe.

 

4.2. De Pais e Evangelizadores

        Com os objetivos de: demonstrar o valor do trabalho de evangelização; conscientizar os pais quanto à importância desse trabalho na formação do caráter da criança e do jovem; estabelecer a harmonia de propósitos com respeito à orientação das novas gerações, debatendo, inclusive, problemas de ordem geral (freqüência às aulas, pontualidade e outros), promover a integração Família X Casa Espírita.

        Alguns requisitos são fundamentalmente necessários ao bom funcionamento dessas reuniões:

— escolha de dia e horário, que devem ser aqueles que mais atendam às possibilidades dos pais;

— elaboração de um roteiro de assuntos que visem a despertar um maior interesse pelas reuniões;

— planejamento de cada reunião, em que serão previstos os assuntos a serem abordados, a maneira de abordá-los, além de outros recursos (hora de arte, lanche etc.) que tornem a reunião mais agradável e proveitosa;

— aplicação de recursos para atrair os pais, tais como: convites confeccionados pelas próprias crianças, cartazes com frases exaltando a importância desse trabalho e visitas domiciliares;

— habilidade dos evangelizadores no trato com os pais, a fim de que estes se sintam bem, percebendo a utilidade das reuniões.

 

5. Integração do Jovem na Casa Espírita

5.1. Por que Integrar o Jovem?

        (...) O moço poderá e fará muito se o espírito envelhecido na experiência não o desamparar no trabalho. Nada de novo conseguirá erigir, caso não se valha dos esforços (daqueles) que lhe precederam nas atividades. Em tudo, dependerá de seus antecessores. (...) ( 9)

        Um dos motivos principais, portanto, para a integração do jovem na Casa Espírita é a sua preparação junto aos mais experientes para assumir paulatinamente maiores responsabilidades, ao mesmo tempo em que coopera doando sua força de trabalho, seu entusiasmo e dinamismo.

        Da integração do moço no trabalho depende a continuidade do Movimento Espírita.

 

5.2. Como e Onde Integrar o Jovem?

        Por isso mesmo, é importante ressaltar que nunca se deve preconizar a duplicidade de trabalho, enfatizando-se a recomendação de que se aproveite o setor ou o departamento competente para, por seu intermédio, entrosar o jovem nas atividades da Instituição a que pertence.

        (...) O objetivo do Espiritismo é reunir e não separar, congraçar e não dividir. Dentro dele não pode haver compartimentos estanques nem é aconselhável a multiplicação de departamentos soberanos, porque, então, estaria a união comprometida e facilitada a diversidade de órgãos que não tardariam a divergir também quanto à orientação a tomar. (1)

        O entrosamento só se realiza com a participação do jovem nos trabalhos já existentes e não com a criação de novos, por vezes inspirados em objetivos personalistas ou de grupos.

        O Centro Espírita é uma colmeia onde todos cooperam para o progresso de suas atividades, cerrando fileiras uns ao lado de outros nos atendimentos às suas múltiplas tarefas.

        Todos temos de trabalhar no sentido da união perfeita, de modo a fazer convergir o esforço de cada um para o fim por todos colimado. A liberalidade do Espiritismo permite a renovação dentro da Doutrina. Acontece que, muitas vezes, se impacienta o ânimo dos que ainda não adquiriram a paciência que o conhecimento real e profundo dos problemas espíritas assegura. Nas horas de dúvida ou nos momentos de divergência, a Doutrina pode ser invocada para o esclarecimento geral. Ninguém é realmente espírita sem conhecer e respeitar as determinações doutrinárias.

*

        A mocidade e a maturidade são forças ponderáveis e compatíveis. Os jovens entram com o entusiasmo e a energia que revitalizam as ações humanas; os mais idosos, com a experiência e a clarividência. Foram também jovens. Hoje vêem e sentem as coisas com maior objetividade, depois dos testemunhos colhidos nas lutas cansativas dos anos vividos. A conjugação dessas duas forças dá ao Espiritismo a confiança de avançar para o futuro com a certeza do triunfo, como, aliás, vem sucedendo. (...) (1)

        O jovem que freqüenta a juventude organizada pela sua Instituição nela encontra o campo ideal para o desenvolvimento do seu potencial e para a aquisição de experiências valiosas. A Juventude ou Mocidade espírita que, durante o processo de evangelização, não conseguir entrosar o jovem nos diversos trabalhos da Casa não está cumprindo uma das suas mais importantes finalidades — a de integração da Juventude na Instituição e, por meio desta, no Movimento Espírita.

        É no trabalho espírita que o jovem realizará a prática da convivência fraterna com os seus semelhantes e a da cooperação coletiva de socorro, de estudo, de trabalho, de divulgação, enfim da construção de um mundo melhor pelo esforço conjunto.

        São muitas as atividades nas quais o jovem pode colaborar na Casa Espírita. Dentre elas, podemos citar:

— leitura de páginas e/ou breves comentários a título de preparação de ambiente, quando devidamente orientado; exposição doutrinário-evangélica;

— biblioteca de empréstimo; — livraria;

— atividades administrativas;

— atividades de assistência social;

— evangelização da criança;

— organização e realização de encontros, reuniões e confraternizações; — secretaria; — informática.

        Passaremos agora a analisar mais detidamente algumas dessas atividades.

 

5.3. O Jovem e o Serviço Assistencial

        Por toda parte no Movimento Espírita vêem-se apregoadas as visitas a hospitais, leprosários, penitenciárias, lares coletivos de crianças e idosos, assim como distribuição de brinquedos, gêneros alimentícios, sopa, agasalhos aos mais variados tipos de necessitados.

        Entretanto, somos forçados a reconhecer que esse afã de socorrer os pobres e os doentes da matéria não se restringe aos nossos núcleos. Todas as organizações religiosas e todos os gabinetes políticos sempre se interessaram, de uma maneira ou de outra, por minorar os sofrimentos das classes menos favorecidas pelas possibilidades materiais.

        Todavia, apesar de todos os esforços despendidos nesse campo, os pobres continuam pobres; os doentes, inconformados; as crianças, abandonadas e a miséria, proliferando assustadoramente.

        Tudo isso indica, claramente, a falência dos sistemas atuais de amparo social, cuja visão alcançando quase que exclusivamente os efeitos da dor, não atinge, contudo, as suas causas profundas, enraizadas no Espírito imortal.

        Com a certeza de que somente o conhecimento espírita libera o homem de todas as misérias, vamos, paralelamente à assistências material, divulgando os ensinamentos evangélico-doutrinários, despertando o necessitado para a confiança em Deus e em suas próprias potencialidades, ajudando-o a caminhar com os próprios pés pela senda do progresso.

        Não se pode desconhecer ou desconsiderar a importância dos Serviços Assistenciais na Casa Espírita, principalmente quando se compreende o assistido no seu aspecto integral — espírito e matéria.

        Dessa forma, dentre as múltiplas atividades que podem ser desenvolvidas pela Juventude Espírita, destacam-se, pelo interesse sempre crescente que têm despertado, as que se relacionam com o Serviço de Assistência Social, em cujas atividades os moços encontrarão a alegria do labor; do aprendizado prático; do serviço ao próximo; da realização pessoal, atividades essas que o Currículo para as Escolas de Evangelização Espírita Infanto-Juvenil aponta como práticas educativas.

5.4. O Jovem e a Evangelização da Criança

        A cooperação da juventude no trabalho da evangelização da criança é necessária. Ela deve continuar lado a lado com a maturidade, nessa obra de recuperação humana, que se vem fazendo no Espiritismo cristão. Trata-se de assunto da mais grave importância, porque, necessitando a mocidade, ainda, de mais profunda compreensão dos deveres evangélicos, encontra nos colaboradores mais velhos a experiência dos anos vividos, não apenas pelo exercício da palavra, mas, sobretudo, pela exemplificação cotidiana. Aceitar a colaboração da juventude e estimulá-la constitui, a nosso ver, providência feliz, tanto mais quanto, empenhada nesse mister, ela irá também aprimorando a sua educação evangélica. Nem se compreenderiam, no âmbito espírita, separações no trabalho comum. (...) (1)

        Em função disso, o Movimento Espírita, há tempos, vem preocupando-se com a divulgação da importância do trabalho de pessoas mais amadurecidas junto aos jovens, destacando que o exercício da função de evangelizador da infância está condicionado apenas a limite mínimo 17 anos, (levando-se em conta a maturidade), e não a máximo de idade, isto porque o adolescente, apesar de poder transmitir bem os ensinos evangélico-doutrinários, em sua maioria, necessita amadurecimento e experiência para poder auxiliar na formação emocional das crianças. Principalmente nesse aspecto precisa do apoio e da assistência dos mais amadurecidos que, quanto à idade, estão limitados apenas pelas forças, estado de saúde, disposição de ânimo.

        O trabalho conjunto, pela cooperação mútua, sempre proporciona melhores resultados para todos.

 

5.5. O Jovem e a Tribuna Espírita

        Uma das atividades que agrada a muitos jovens e na qual eles podem produzir bastante é a tribuna espírita da Instituição a que pertencem. Destacamos essa última expressão porque reconhecemos ser aí que o jovem deve iniciar suas atividades de expositor da Doutrina, amparado pelo ambiente espiritual de encarnados e desencarnados que compõem a direção da Casa e a cavaleiro, portanto, de muitos equívocos e da falta de uma avaliação honesta e franca de seu desempenho.

        À medida, porém, do seu desenvolvimento nessa área e do seu amadurecimento intelecto-moral e de conhecimentos espíritas, naturalmente e sem forçar oportunidades, seu campo de ação pode-se ampliar, se essa for a sua maior tarefa no Movimento Espírita, e outras instituições poderão solicitá-lo para o trabalho de divulgação pela palavra.

        Há de se convir que nem todos têm tendência ou aptidão para a tribuna. Pessoas existem que escrevem muito bem e não falam em público; outras que falam, mas que não conseguem passar para o papel, de forma razoável, o seu pensamento. Aliás, essa diversidade de aptidões e de habilidades torna mais rico campo de trabalho e oferece oportunidades a maior número de jovens. Ninguém se sinta, pois, frustrado por não ter condições de exercer a oratória com desembaraço e proveito. Desenvolver-se-á em outro tipo de atividade tão produtiva quanto a tribuna.

        Se for, todavia, a tribuna o seu campo de ação, precisa levar em consideração alguns aspectos de fundamental importância. Dentre eles destacamos os de que o jovem mais precisa:

— fazer cursos especializados de comunicação;

— ter em mente, acima de tudo, servir à Doutrina;

— não ter pressa, aguardar com calma o reconhecimento de seu mérito;

— não escolher auditórios, servir onde for chamado.

        Além disso, utilizando a tribuna, o moço deve atentar cuidadosamente para a questão do assunto, de modo que ele seja sempre de importância para a moralização dos ouvintes.

        As exposições espíritas, em geral, não se destinam às preleções de longo alcance científico e filosófico, tampouco às polêmicas sobre assuntos não imediatamente importantes para a reforma íntima dos que ouvem e falam. Essas situações só se tornam admissíveis quando a assistência se reúne com o fim específico de estudar e comentar tais aspectos.

        Lembraremos aqui os papéis fundamentais da exposição espírita: esclarecer e consolar; e será sempre com base nessas duas finalidades que o jovem escolherá o seu assunto, de maneira que o material oferecido aos ouvintes sirva, o mais breve possível, para a aplicação na vida prática, levando-os à reformulação de conceitos e à conseqüente mudança de comportamentos.

        Mas convém salientar que a divulgação doutrinária não está a cargo apenas dos expositores. Sendo a exposição espírita – metodizada e organizada em horários e escalas de assuntos e explicadores – uma valiosa ocasião para atingir a coletividade, não só o expositor espírita propriamente dito pode efetuar o trabalho de divulgação doutrinária: qualquer adepto do Espiritismo pode fazê-lo em qualquer ocasião, desde que se prepare para tal. Ao emitir uma opinião ponderada, ao abster-se da maledicência, ao fazer um comentário otimista, ao exprimir respeito pelas criaturas, ao tratar de assuntos relevantes, qualquer espírita estará divulgando o Espiritismo, pois ele recomenda a boa utilização da fala, entre outros procedimentos, para garantia de nossa segurança e daqueles que nos rodeiam.

        Agindo como espíritas, como cristãos, como filhos da luz divulgaremos, muito mais do que pelas palavras, a verdade profunda desta doutrina consoladora que veio, conforme a promessa, esclarecer o que ficou encoberto, relembrar o que foi esquecido e ficar eternamente conosco.

 

5.6. Confraternizações de Juventudes ou Mocidades Espíritas

        Atividade consagrada no Movimento Espírita Brasileiro, as Confraternizações se realizam de sul a norte, de leste a oeste de nosso País, numa demonstração irrefutável de sua própria operosidade e valor.

        O objetivo, como está a indicar o próprio nome, é confraternizar.

        A forma de as preparar e conduzir varia de Estado para Estado, de acordo com a estrutura organizacional federativa de cada um, mas sem se afastar dos objetivos e da filosofia que as caracteriza invariavelmente quando inspirados nos ideais verda- deiramente espíritas.

        As confraternizações de Juventude de âmbito estadual devem constituir um evento que conste no plano anual de trabalho da Federativa, na época de sua realização. Não é uma atividade à parte, planejada e realizada isoladamente dos demais eventos programados pelo órgão de Unificação do Estado no transcurso de uma gestão administrativa. Representa, antes, uma parte importante do Planejamento global da entidade federativa, cuja diretoria colaborará efetivamente com o seu Departamento de Infância e Juventude, DIJ, para que o trabalho atinja os objetivos previstos, assumindo com seu Departamento especializado e com o Movimento Espírita estadual a execução da tarefa, com os seus riscos e dificuldades, bem como colhendo os louros de seus êxitos.

        Será um acontecimento que somará esforços em favor da divulgação da Doutrina Espírita e da prática da Fraternidade.

        Múltiplos são os aspectos a serem observados no planejamento e na execução desse trabalho:

  •  a sua periodicidade (anual, a cada dois anos...)
  •  a escolha do temário que será a base de estudo durante o período de reuniões;
  •  a seleção dos expositores;
  •  o planejamento das dinâmicas de grupo;
  •  os critérios para a participação dos jovens;
  •  a conduta a ser observada durante os trabalhos;
  •  a organização de infra-estrutura;
  •  a dinâmica do funcionamento de setores;
  •  o local;
  •  a data;
  •  a duração do evento;
  •  as prévias;
  •  o credenciamento conveniente dos participantes;
  •  o ambiente espiritual.

        Eis alguns aspectos, aqui colocados apenas como lembretes, que exigem a maior atenção dos companheiros incumbidos dessa tarefa.

        Dois pontos fundamentais que são comuns a todas as Confraternizações, onde quer que elas se realizem, devem ser, entretanto, evidenciados: fidelidade aos princípios doutrinários da Codificação e respeito ao aspecto confraternativo, quando todo o participante procura ser o irmão do seu companheiro de ideal espírita.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ANTUNES, Percival. Educação Evangélica da Criança. Reformador. 76:82-3, abril, 1958.

2. FEB. CFN. Conselho Zonal da 3ª Região. Reformador. 103:241, agosto, 1985.

3. ROCHA, Cecília. Na Preparação de um mundo novo. O que é Evangelização? Brasília, 1987. p. 50-54.

4. ______. A necessidade de ensinar a viver. O que é Evangelização? Brasília, 1987. p. 48-49.

5. ______. Objetivos. Currículo para as Escolas de Evangelização Espírita Infanto-Juvenil. Rio de Janeiro, 1982, p. 16-17.

6. PERALVA, Martins. Mocidade e Trabalho. Estudando o Evangelho. 3. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1975. p. 150-153.

7. ROCHA, Cecília. Currículo para as Escolas de Evangelização Espírita Infanto-Juvenil. 2. ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 1998.

8. SOUZA, Juvanir Borges de. Espiritismo — Doutrina de Educação. Tempo de Transição. Rio de Janeiro, FEB, 1998.

9. XAVIER, Francisco Cândido. Mocidade. Caminho, Verdade e Vida. 12. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1986. p. 317.

10. ______. Prefácio. Os Mensageiros. Pelo Espírito André Luiz. 33. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1999.

11. ______. e VIEIRA, Waldo. Na Escola da Alma. Estude e Viva. Pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz. 8. ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 1996.

(Fonte: www.dij.ceeak.ch)