O tesouro do Cristo

        Conta-se que muito tempo atrás Paulo de Tarso e seu amigo Barnabé estavam viajando a serviço da divulgação da doutrina cristã.
        Levavam a palavra do Mestre, pregando o seu Evangelho para povos incultos e rudes, mas necessitados de Deus. Viajavam com muita simplicidade, geralmente a pé, levando o mínimo indispensável para sua sobrevivência.
        Certa vez, estavam passando por regiões desertas, cheias de precipícios e de florestas infestadas de bandidos. Seu destino era a cidade de Antioquia da Pisídia, que ainda estava longe. Pela primeira vez, foram obrigados a dormir ao relento, no seio da natureza.
        Venceram precipícios, atravessaram um rio caudaloso e, do outro lado, encontraram uma caverna nas rochas, onde se acomodaram para descansar o corpo exausto e dolorido.
        Quase não tinham o que comer, mas estavam animados, vencendo obstáculos com otimismo e coragem.
        A solidão lhes sugeria belos pensamentos.
        Ao cair da tarde e após uma refeição frugal, passaram a comentar animadamente sobre as excelências do Evangelho, exaltando a grandeza da missão de Jesus Cristo.
        – Se os homens soubessem... – dizia Barnabé, fazendo comparações.
        – Todos se reuniriam em torno do Senhor e descansariam – rematava Paulo cheio de convicção.
        – Ele é o príncipe que reinará sobre todos.
        – Ninguém trouxe a este mundo riqueza maior.
        – Ah! – comentava Barnabé. – O tesouro de que foi mensageiro engrandecerá a Terra para sempre.
        E, assim, continuaram conversando, quando singular movimento lhes despertou a atenção. Dois homens armados precipitaram-se sobre ambos, à fraca luz de uma tocha acessa com resinas.
        – A bolsa! – gritou um dos malfeitores.
        Barnabé empalideceu ligeiramente, mas Paulo estava sereno e impassível.
        – Entreguem o que têm ou morrem! – exclamou o outro bandido, alçando o punhal.
        Olhando fixamente o companheiro, Paulo ordenou:
        – Dá-lhes o dinheiro que resta. Deus suprirá nossas necessidades de outro modo.
        Barnabé esvaziou a bolsa que trazia entre as dobras da túnica, enquanto os malfeitores recolhiam, ávidos, a pequena quantia.
        Reparando nos pergaminhos do Evangelho que os missionários consultavam à luz da tocha improvisada, um dos ladrões interrogou desconfiado e irônico:
        – Que documentos são esses? Falavam de um príncipe opulento... Ouvimos referências a um tesouro... Que significa isso?
        Com admirável presença de espírito, Paulo explicou:
        – Sim, de fato, estes pergaminhos são o roteiro do imenso tesouro que nos trouxe o Cristo Jesus, que há de reinar sobre os príncipes da Terra.
        Um dos bandidos, grandemente interessado, examinou o rolo de anotações do Evangelho.
        – Quem encontrar esse tesouro – prosseguia Paulo, resoluto – nunca mais sentirá necessidades.
        Os ladrões guardaram o Evangelho cuidadosamente e, apagando a tocha bruxuleante, desapareceram na escuridão da noite.
        Quando se viram a sós, Barnabé não conseguiu dissimular o assombro:
        – E agora? – perguntou com voz trêmula.
        – A missão continua bem – disse Paulo, cheio de ânimo. – Não contávamos com a excelente oportunidade de transmitir a Boa-Nova aos ladrões.
        Admirando-se de tamanha serenidade, Barnabé considerou, um tanto preocupado:
        – Mas levaram-nos, além das moedas, os derradeiros pães de cevada, bem como as capas com que nos agasalhávamos...
        – Haverá sempre alguma fruta na estrada – esclarecia Paulo, decidido – e quanto às coberturas, não tenhamos maior cuidado, pois não nos faltarão as folhas das árvores.
        – Mas, como recomeçar nossa tarefa, se não temos sequer as anotações do Evangelho?
        Paulo, todavia, desabotoando a túnica, retirou alguma coisa que guardava junto ao coração.
         – Enganas-te, Barnabé. – disse com sorriso otimista. – Tenho aqui o Evangelho que ganhei de meu mestre Gamaliel e que guardei sempre comigo com muito carinho.
        O missionário apertou nas mãos o tesouro do Cristo e o júbilo voltou a iluminar-lhe o coração. Aqueles homens valorosos poderiam dispensar todo o conforto do mundo, mas a palavra de Jesus não poderia faltar.
(Tia Célia. Adaptação da obra “Paulo e Estêvão”, de Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier. Fonte: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita)

Voltar

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode