O programa do Senhor (A multiplicação dos pães)

        À frente da turba faminta, Jesus multiplicou os pães e os peixes,  atendendo à necessidade dos circunstantes.
        O fenômeno maravilhara.
        O povo jazia entre o êxtase e o júbilo intraduzíveis.
        Fora quinhoado por um sinal do Céu, maior que os de Moisés e Josué.
        Frêmito de admiração e assombro dominava a massa compacta.
        Relacionavam-se, ali, pessoas procedentes das regiões mais diversas.
        Além dos peregrinos, em grande número, que se adensavam habitualmente em torno do Senhor, buscando consolação e cura, mercadores da Idumeia, negociantes da Síria, soldados romanos e cameleiros do deserto ali se congregavam em multidão, na qual se destacavam as exclamações das mulheres e o choro das criancinhas.
        O povo, convenientemente sentado na relva, recebia, com interjeições gratulatórias, o saboroso pão que resultara do milagre sublime.
        Água pura em grandes bilhas era servida, após o substancioso repasto, pelas mãos robustas e felizes dos apóstolos.
        E Jesus, após renovar as promessas do Reino de Deus, de semblante melancólico e sereno contemplava os seguidores, da eminência do monte.
        Semelhava-se, realmente, a um príncipe, materializado, de súbito, na Terra, pela suavidade que lhe transparecia da fronte excelsa., tocada pelo vento que soprava, de leve...
        Expressões de júbilo eram ouvidas, aqui e ali.
        Não fornecera Ele provas de inexcedível poder? não era o maior de todos os profetas? não seria o libertador da raça escolhida?
        Recolhiam os discípulos a sobra abundante do inesperado banquete, quando Malebel, espadaúdo assessor da Justiça em Jerusalém, acercou-se do Mestre e clamou para a multidão haver encontrado o restaurador de Israel. Esclareceu que conviria receber-lhe as determinações, desde aquela hora inesquecível, e os ouvintes reergueram-se, à pressa, engrossando fileiras, ao redor do Messias Nazareno.
        Jesus, em silêncio, esperou que alguém lhe endereçasse a palavra e, efetivamente, Malebel não se fez rogado.
        — Senhor — indagou, exultante —, és, em verdade, o arauto do novo Reino?
        — Sim — respondeu o Cristo, sem titubear.
        — Em que alicerces será estabelecida a nova ordem? — prosseguiu o oficial do Sinédrio, dilatando o diálogo.
        — Em obrigações de trabalho para todos.
        O interlocutor esfregou o sobrecenho com a mão direita, evidentemente inquieto, e continuou:
        — Instituir-se-á, porém, uma organização hierárquica?
        — Como não? — acentuou o Mestre, sorrindo.
        — Qual a função dos melhores?
        — Melhorar os piores.
        — E a ocupação dos mais inteligentes?
        — Instruir os ignorantes.
        — Senhor, e os bons? Que farão os homens bons, dentro do novo sistema?
        — Ajudarão aos maus, a fim de que estes se façam igualmente bons.
        — E o encargo dos ricos?
        — Amparar os mais pobres para que também se enriqueçam de recursos e conhecimentos.
        — Mestre — tornou Malebel, desapontado —, quem ditará semelhantes normas?
        — O amor pelo sacrifício, que florescerá em obras de paz no caminho de todos.
        — E quem fiscalizará o funcionamento do novo regime?
        — A compreensão da responsabilidade em cada um de nós.
        — Senhor, como tudo isto é estranho! — considerou o noviço, alarmado — desejarás dizer que o Reino diferente prescindirá de palácios, exércitos, prisões, impostos e castigos?
        — Sim — aclarou Jesus, abertamente —, dispensará tudo isso e reclamará o espírito de renúncia, de serviço, de humildade, de paciência, de fraternidade, de sinceridade e, sobretudo, do amor de que somos credores, uns para com os outros, e a nossa vitória permanecerá muito mais na ação incessante do bem com o desprendimento da posse, na esfera de cada um, que nos próprios fundamentos da Justiça, até agora conhecidos no mundo.
        Nesse instante, justamente quando os doentes e os aleijados, os pobres e os aflitos desciam da colina tomados de intenso júbilo, Malebel, o destacado funcionário de Jerusalém, exibindo terrível máscara de sarcasmo na fisionomia dantes respeitosa, voltou as costas ao Senhor, e, acompanhado por algumas centenas de pessoas bem situadas na vida, deu-se pressa em retirar-se, proferindo frases de insulto e zombaria...
        O milagre dos pães fora rapidamente esquecido, dando a entender que a memória funciona dificilmente nos estômagos cheios, e, se Jesus não quis perder o contato com a multidão, naquela hora célebre, foi obrigado a descer também.
(Pontos e contos. Irmão X.  Psicografado por Chico Xavier)

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode