O intruso

         Alberto era uma criança muito feliz. Tinha apenas quatro anos e sentia-se o centro do Universo. Rodeado pelo amor de quantos conviviam com ele, bastava que manifestasse um desejo e logo os pais se apressavam em satisfazê-lo.

         O quarto de Alberto, decorado especialmente para ele, era cheio de brinquedos.

         Certo dia a mamãe informou, com lindo e doce sorriso:

         — Alberto, você vai ganhar um irmãozinho!

         O menino sentiu que o mundo desabava sobre sua cabecinha. Não sabia bem o que era isso, mas percebeu que sua vida ia ser invadida por um estranho. Ouvindo a mãe referir-se ao intruso com amor, dentro dele acendeu-se uma luz de alerta que parecia dizer:

         — PERIGO! PERIGO! PERIGO!...

         Com o passar dos dias, suas suspeitas se confirmaram. Um dia a mamãe convidou:

         — Vamos sair e comprar roupinhas para o bebê?

         E lá foram eles percorrer as lojas e escolher roupinhas e presentes para o intruso.

         E dali por diante era sempre assim:

         — Temos que comprar móveis para o quarto do bebê!

         — O bebê vai precisar de uma banheira!

         — Que tal comprar ursinhos de pelúcia para enfeitar o quarto do bebê?

         Que tal comprar isso, que tal comprar aquilo... Era sempre assim.

         E não parou por aí. Um dia a mamãe chamou Alberto e perguntou com delicadeza:

         — Filhinho, quer trocar de quarto?

         — Por quê?

         — Porque eu e seu pai achamos que será melhor montar o quarto do bebê ali.

         — Por quê?

         — Você ficará com um quarto maior e mais bonito. Você se incomoda?

         Alberto não se incomodou e mudou de quarto. Mas só por fora. Por dentro, a cada dia gostava menos desse “irmãozinho” que nem chegara e já fazia tanta confusão em sua vida.

         A barriga da mamãe começou a aumentar, e ela falava com carinho:

         — Veja, Alberto, o nenê está se mexendo. Coloque a mão na minha barriga e sinta.

         — Não. Não quero.

         — Então venha almoçar, meu filho.

         — Não.

         — Por que não quer comer?

         — Porque não gosto dessa comida.

         E Alberto, num repente, empurrou o prato que caiu ao chão em mil pedaços, espalhando comida para todo lado.

         Ele mostrava-se irritado, nervoso, e a mãe perguntou:

         — Por que fez isso? De uns tempos para cá, você está ficando insuportável, meu filho. Está manhoso e chorão, coisa que nunca foi. Se continuar assim, vai levar umas boas palmadas no bumbum.

         Alguns meses depois, a mãe foi para a maternidade, e Alberto ficou a sentir-se sozinho e abandonado, em casa. Na verdade, ficou com a vovó, enquanto o pai acompanhava a mamãe até o hospital.

         Quando sua mãe voltou, trazia um embrulho nos braços. Alberto, saudoso, correu para abraçá-la, gritando de alegria:

         — Mamãe! Senti muito a sua falta! Que bom que você voltou!

         Em vez de abraçá-lo com carinho, ela disse:

         — Cuidado, meu filho! Não faça barulho. Vai acordar o bebê. Veja, Alberto, é seu irmãozinho! Não é lindo?

         O garoto contemplou o pequeno rosto vermelho que saía do meio das roupas e deu sua opinião:

         — Não. Ele é feio. Muito feio.

         Se Alberto achava que antes o bebê ocupava muito o tempo e as atenções da mãe, agora então nem se fala! Ele desejava ficar junto da mãe, mas o colo dela estava sempre ocupado. Lidava o dia inteiro com o bebê. Dava de mamar, trocava as fraldas, dava banho, fazia dormir.

         Nem durante a noite “aquela coisinha” dava sossego. Ninguém mais dormia naquela casa. O intruso chorava o tempo todo.

         E as visitas? Gente que nunca tinha aparecido na sua casa, agora vinha visitar e trazer presentes. Sabem para quem? Para o bebê, é claro!

         Cada vez mais Alberto sentia-se infeliz e descontente. E cheio de raiva, também.

         Enquanto a mãe conversava com as amigas, ele aproximava-se do bebê fingindo abraçá-lo. Apertava suas bochechas. No fundo, gostaria mesmo é de machucar aquele intruso.

         — Veja como ele gosta do irmãozinho! Não sai de cima dele! — dizia a mãe, convicta.

         — Alberto está com ciúmes porque perdeu o colo!

         O menino olhou para a mulher que tinha dito aquelas palavras, fez uma careta e saiu da sala, emburrado.

         Ele não sabia o que fazer. A cada dia o “inimigo” ganhava mais espaço e ele era deixado de lado.

         A mamãe, percebendo o que estava acontecendo com Alberto, tomou-o no colo com muito carinho e disse:

         — Meu filho, nós o amamos muito. Não é porque ganhamos um outro bebê que deixamos de amar você. Os pais amam os filhos da mesma maneira e com o mesmo amor. Deus, que é Pai de todas as criaturas, nos deu a vida e nos colocou em famílias para que pudéssemos viver juntos nos ajudando mutuamente e aprendendo uns com os outros. Seu irmãozinho é um espírito que o Papai do Céu mandou para que nós cuidássemos dele, protegendo-o e educando-o de forma a se conduzir bem na vida. Entendeu? Você não precisa ficar com ciúmes dele. O que acontece é que, no momento, ele precisa mais de mim. Como você, quando era bebê!

         Alberto ficou mais tranqüilo depois dessa conversa e, com o passar do tempo, foi prestando mais atenção no bebê, até que, um dia, ele sorriu! Aquela coisinha feia e desengonçada, abriu um lindo sorriso.

         Foi tão inesperado que deixou Alberto surpreso e encantado.

         — Mamãe! Veja, ele sorriu para mim. O bebê é meu amigo!

         — Viu? Ele gosta de você, meu filho. O primeiro sorriso dele foi para você!

         A partir desse dia, Alberto passou a ver o irmão com outros olhos. Já não o achava tão feio. Até que era engraçadinho!

         A mãe agora tinha mais tempo para Alberto e, sempre que necessário, pedia sua ajuda para cuidar do bebê, enquanto fazia os serviços domésticos.

         Sentindo-se mais seguro e feliz, Alberto esperava ansiosamente que o irmãozinho crescesse para poderem brincar juntos.

         Afinal, o bebê não era mais um intruso. Era seu amigo!
(Célia Xavier Camargo - Fonte: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita)

Passatempo Espírita © 2013 - 2021. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode