O grave equívoco do orgulho

        Raul era oftalmologista. Seus anos de clínica e cirurgia lhe haviam granjeado fama e dinheiro. Embora os aplausos do mundo, os trabalhos premiados, era um coração bondoso.
Jamais perguntava ao paciente se dispunha ou não de recursos amoedados para pagá-lo. Simplesmente o atendia.
        Estudioso e pesquisador, os anos lhe permitiram aprimorar a técnica cirúrgica e, com alegria, via-se a devolver a vista a cegos.
        Seu mundo era a ciência, a família, e seus inumeráveis enfermos.
        Uma de suas filhas se casou e se tornou mãe de uma linda menina. Os seus olhos eram formosíssimos e Raul se apaixonou pela neta. Sempre que possível, a tomava nos braços, saíam a passeio.
        A menina, por sua vez, adorava o avô.
        Certo dia, a garota adoeceu gravemente. A enfermidade lhe afetou os olhos. Raul não comia, nem dormia. Ficava ao lado da doentinha, enquanto devorava os livros, buscando uma forma de devolver a luz para os olhos que eram sua própria vida.
        Sua habilidade conseguiu fazer com que ela voltasse a enxergar com um dos olhos. Mas o outro deslocou-se de sua órbita e ficou irremediavelmente perdido.
        Raul pareceu enlouquecer.
        Logo ele, que devolvera a vista a tantos, se via impotente ante a tragédia da neta.
        Para que lhe servia a ciência? – Perguntava-se. Para nada.
        Acabrunhado, principiou por negar a se alimentar. Alguns dias ainda se serviu de água. Depois, passou a recusá-la também.
        Murmurava entre dentes: Já não sirvo para nada. E quando não se serve para nada, é melhor deixar o lugar para outro.
Morreu de fome. Orgulho e rebeldia o perderam. Uma vida tão cheia de bênçãos jogada fora.
        O orgulho o cegou. Ao se ver impotente para resolver o problema da neta, seu desespero chegou a um grau superlativo.
Impossibilitado de servir a quem tanto amava, preferiu morrer. Não pôde suportar a ideia de sua pequenez, de seu poder limitado.
*   *   *
        O fato bem pode nos servir de alerta. Quantos nos cremos o suprassumo da sabedoria e não nos damos conta que, mesmo que abracemos a ciência toda da Terra, muito limitado ainda será nosso saber.
        Porque ante tantos mundos, tanta luz e grandeza do Universo, podemos simplesmente nos considerar alunos da grande universidade do infinito.
        O verdadeiro sábio é o que reconhece as suas conquistas, mas aquilata, igualmente, o quanto ainda lhe é desconhecido.         Por isso se empenha a cada dia a galgar mais um degrau no conhecimento.
        Para o homem, tem sido algoz terrível o orgulho. Quantas mentes avantajadas, personalidades ilustres têm se perdido pelo orgulho.
        Orgulho que faz com que a criatura se creia infalível, insuperável. E, contudo, somente Deus, o Pai, é infalível, onipotente, por ser a perfeição absoluta.
*   *   *
        Todos os grandes heróis do pensamento, os mártires da fé e os santos da renúncia para alcançarem o êxito dos objetivos a que ligaram a existência, se firmaram na humildade, por saberem do pouco valor que representavam ante as grandes diretrizes da vida.
(Redação do Momento Espírita, com base no cap. Orgulho também é um erro , do livro Reencarnação e vida,   de Amália Domingo Soler, ed. Ide e no verbete   Humildade, do livro Repositório de sabedoria, v. 1, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. LEAL. Em 16.5.2014.)

Passatempo Espírita © 2013 - 2021. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode