No mundo íntimo

Em todos os problemas que se reportam à construção e à produção, nos círculos da natureza exterior, surpreendemos recursos drásticos na base das equações necessárias.

É o atrito, na direção do progresso, esmerilando, moldando, corrigindo, aperfeiçoando...

O solo, na plantação, tolera o corte do arado a lanhar-lhe o corpo submisso.

O fruto amadurecido recebe a pancada do segador, no dia da ceifa, de modo a transformar-se em pão que sustente a mesa.

Antes que o asfalto complemente a segurança da estrada, é preciso que a terra suporte os ataques da picareta.

Para que a pedra venha do serro bruto ao trabalho do homem, quase sempre, sofre a ação do explosivo controlado.

O minério, a fim de elevar-se ao nível da indústria, encontra o forno de alta tensão.

O mármore, candidato à obra-prima, submete-se à pressão do cinzel.

A planta para derramar a seiva nutriente ou curativa, sujeita-se aos golpes do incisor.

Na cirurgia o órgão doente, para reabilitar-se, experimenta os lances do bisturi.

Instrumentos os mais diversos auxiliam o homem a expurgar, edificar, brunir, renovar.

Entretanto, nos grandes conflitos do sentimento, diante das tempestades morais e das provas constrangedoras que atormentam a alma e convulsionam a vida, o remédio indispensável será sempre a constância da paciência gerando a força da paciência.

(Ideal Espírita. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)