No futuro

“E não mais ensinará cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: — Conhece o Senhor! porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior.” — PAULO (Hebreus, 8.11)

 

 Quando o homem gravar na própria alma os parágrafos luminosos da Divina Lei, o companheiro não repreenderá o companheiro, o irmão não denunciará outro irmão.

 O cárcere cerrará suas portas, os tribunais quedarão em silêncio.

 Canhões serão convertidos em arados, homens de armas volverão à sementeira do solo.

 O ódio será expulso do mundo, as baionetas repousarão.

 As máquinas não vomitarão chamas para o incêndio e para a morte, mas cuidarão pacificamente do progresso planetário.

 A justiça será ultrapassada pelo amor.

 Os filhos da fé não somente serão justos, mas bons, profundamente bons.

 

 A prece constituir-se-á de alegria e louvor e as casas de oração estarão consagradas ao trabalho sublime da fraternidade suprema.

 A pregação da Lei viverá nos atos e pensamentos de todos, porque o Cordeiro de Deus terá transformado o coração de cada homem em tabernáculo de luz eterna, em que o seu Reino Divino resplandecerá para sempre.

 (Pão nosso. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)