Luz no lar

 Se a tempestade nos devasta as plantações, não nos esqueçamos do Espaço Divino do Lar, onde o canteiro de nossa boa vontade, na vinha do Senhor, deve e pode florir para a frutificação, a benefício de todos.

 Organizemos o nosso agrupamento doméstico do Evangelho.

 O lar é o coração do organismo social.

 Em casa, começa nossa missão no mundo.

 Entre as paredes do templo familiar, preparamo-nos para a vida com todos.

 Seremos, lá fora, no grande campo da experiência pública, o prosseguimento daquilo que já somos na intimidade de nós mesmos.

 Fujamos à frustração espiritual e busquemos no relicário doméstico o sublime cultivo dos nossos ideais com Jesus.

 O Evangelho foi iniciado na Manjedoura e demorou-se na casa humilde e operosa de Nazaré, antes de espraiar-se pelo mundo.

 Não há serviço da fé viva, sem aquiescência e concurso do coração.

 Se possível, continuemos trabalhando sob a tormenta, removendo os espinheiros da discórdia ou transformando as pedras do mal em flores de compreensão, suportando, com heroísmo, o clima do sacrifício, mas, se a ventania nos compele a pausas de repouso, não admitamos o bolor do desânimo nos serviços iniciados.

 Sustentemos em casa a chama de nossa esperança, estudando a Revelação Divina, praticando a fraternidade e crescendo em amor e sabedoria, porque, segundo a promessa do Evangelho Redentor, “onde estiverem dois ou três corações reunidos em Seu Nome”,  aí estará Jesus, amparando-nos para a ascensão à Luz Celestial, hoje, amanhã e sempre.

 (Luz no lar. Scheilla. Psicografado por Chico Xavier)