Justiça e misericórdia

 Muitas vezes exclamas: — Justiça! Justiça!

 E afirmas-te demasiadamente sofredor, perseguido pelas sombras ou desamparado pela Bênção do Céu!

 Lembra-te, porém, de que a corrigenda não exclui a presença do pesar e enquanto a provação trabalha em nossas almas, trazemos conosco os remanescentes da culpa.

 Antes do apelo à justiça roga clemência e piedade, de vez que pelo socorro do temporário esquecimento na vida física — brando anestésico de que se utiliza a Compaixão do Senhor para extirpar-nos do espírito as raízes do mal — por muito tempo ignoramos toda a extensão de nossos débitos.
 

 Nos dias de aflição e cinza, não te recolhas à blasfêmia e nem peças por maiores manifestações da Justiça, em teu campo de ação, porque a Justiça mais ampla poderia agravar-te as dores, mas sim roga o acréscimo da Divina Misericórdia, em teu benefício, a fim de que disponhas de ombros fortes para que não venhas a lançar longe de ti os favores da própria cruz.

(Assim  vencerás. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier )