Entre dois mundos

         Alan e Carlos chegaram ao Grupo Espírita quando a música que antecede a evangelização estava começando. Os dois ouviram atentamente, pois embora não soubessem a letra das músicas, sabiam que era um importante momento de harmonização espiritual. Alan ficou triste ao observar que algumas crianças não cantavam e até atrapalhavam outros colegas que queriam cantar com empurrões e provocações.
         Os dois logo perceberam que não estavam sozinhos: havia outras crianças desencarnadas que também tinham vindo aprender nas aulas de evangelização espírita. Algumas crianças estavam acompanhadas de suas mães, pois pretendiam reencarnar na mesma família.
         Quando as crianças se dirigiram para a sala de aula, eles acompanharam um dos grupos, acomodando-se em um canto da sala. Outros desencarnados foram com eles também assistir a aula. Ao iniciar a aula, uma das evangelizadoras fez uma prece, mas nem todas as crianças prestaram atenção. Alguns dos desencarnados, porém, puderam perceber a energia positiva que envolveu o ambiente a partir daquela prece sincera.
         - Ah! Se os encarnados soubessem o poder que tem uma prece! – pensou alto Carlos.
         Ele também explicou que as evangelizadoras adoram a tarefa que realizam. Elas sabem que tem a oportunidade de ajudar, mas que também aprendem muito acerca da Doutrina Espírita e dos ensinamentos de Jesus. Por isso elas preparam a aula com muito amor e costumam ter o auxílio dos amigos espirituais encarregados da tarefa de evangelização naquele Centro Espírita.
         Naquele dia, o tema da aula era Anjo guardião, também chamado de Espírito protetor. Ele é o Espírito que nos acompanha e protege, desde antes do nascimento, e nos intui a seguir sempre o caminho do bem.
         As crianças compreenderam que é possível pedir o auxílio desse amigo espiritual através de uma prece e que ele também representa a bondade de Deus para com seus filhos, pois ele nunca nos abandona.
         Dessa forma, durante a aula, Alan entendeu melhor a tarefa que Carlos teria durante a sua próxima encarnação, pois Alan iria reencarnar em breve e Carlos seria seu Espírito protetor, pois ele já era um Espírito mais evoluído, que aceitou a tarefa de acompanhar Alan. Eles já eram amigos, e sabiam que reencarnar é uma oportunidade preciosa de evoluir e aprender.
         Carlos observou que nem todas as crianças aproveitaram a aula, pois três delas conversaram muito e brincaram nos momentos em que as evangelizadoras ensinavam. Ele pensou que, talvez, aquelas crianças ainda não soubessem que fazemos escolhas sobre como aproveitar o tempo, todos os dias, todos os momentos. Carlos ficou triste ao constatar que aquelas crianças, pelas suas atitudes, estavam se ligando mentalmente a desencarnados que são nossos irmãos, mas estão muito infelizes, pois ainda não tem Jesus no coração e não querem que outras crianças saibam mais sobre o Mestre Jesus e seus ensinamentos. Com essas sintonias espirituais, essas crianças estavam fazendo escolhas de maneira errada, pois não estavam aproveitando a oportunidade de aprender lições que, com certeza, fariam diferença nos momentos de dificuldade que todas as pessoas passam enquanto encarnadas.
         Mas os amigos Alan e Carlos, as outras crianças desencarnadas e suas mães que estavam na sala de aula prestaram muita atenção durante toda a aula, assim como a maioria das crianças encarnadas que fizeram perguntas e aproveitaram o momento para aprender.
         Ao final da aula os desencarnados agradeceram a Deus a oportunidade de aprender que tiveram e pediram por aquelas três crianças, para que o Espírito protetor delas pudesse intuí-las a prestar mais atenção nas aulas, a fim de que não tenham que aprender mais tarde, pela dor, as lições que não aproveitaram para aprender através do amor das evangelizadoras, nas aulas de evangelização.

(Claudia Schmidt. Fonte: Grupo Espírita Seara do Mestre)