Dinâmica - Salvar-se para ser útil

Objetivo: Compreender o significado da frase: " Fora da caridade não há salvação", mostrando que mesmo que salvasse as profissões que são consideradas de fundamental importância para a nossa sobrevivência numa ilha deserta, se não tivessem caridade, não haveria salvação para elas.
Participantes:  Máximo 8 alunos.
Tempo Estimado: 35 min.
Material: lousa e giz (ou cartolina e canetinha), texto com a história e perguntas.
Descrição: O Evangelizador deverá escrever ,de forma desorganizada, as seguintes profissões na lousa: Cozinheira, Bióloga, Médico,  Agricultor, Bombeiro, Pedreiro, Professor de filosofia e educação moral e cívica, Costureira, Ator, Comerciante, Cabeleireira, Modelo, Jogador de futebol, Pintor, Cantor, Poeta. As oito primeiras profissões são essenciais para a nossa sobrevivência na ilha deserta, e as demais não são tão necessárias. Logo em seguida, deverá contar a seguinte história: "Havia 16 profissões viajando num barco, porém durante uma tempestade o barco começou a afundar e só havia um bote que poderia salvar 8 profissões. As profissões que foram salvas encontraram uma ilha deserta com muitas plantas e animais, mas para manter a sua sobrevivência precisaram ajudar umas as outras com atividades úteis, através da prática da caridade. Quais profissões são consideradas de fundamental importância para a sobrevivência e continuidade da vida naquela ilha deserta?" Neste momento, o Evangelizador deverá sortear 8 alunos e pedir para que cada um deles escolha uma profissão (que está na lousa) que considera importante salvar para manter a sobrevivência naquela ilha deserta, analisando a utilidade da profissão escolhida.  
Obs.: O Evangelizador deverá explicar para os alunos que esta é uma história fictícia, portanto, as profissões não são pessoas reais, ninguém morre nesta história. Além disso, todas as profissões são úteis, porém existem aquelas que são consideradas de fundamental importância para manter a sobrevivência numa ilha deserta.

Sugestão de Resposta:
Cozinheira: para preparar a comida e alimentar a todos.
Bióloga: para saber quais plantas  são comestíveis  e quais animais são perigosos.
Médico: para saber quais plantas são medicinais  para medicar alguém que tenha ficado doente.
Agricultor: para preparar a terra, plantar as sementes e depois colher os frutos para ter alimento suficiente para todos.
Bombeiro: para acender uma fogueira, filtrar a água, construir um abrigo provisório para se proteger dos animais, pois  conhece técnicas primitivas  de sobrevivência na floresta.
Pedreiro: para contruir abrigos permanentes com estruturas firmes.
Professor de filosofia e educação moral e cívica: para contar histórias, que ensinam a ter educação moral para conviver com os outros em harmonia e não se desesperar diante das dificuldades.
Costureira: para confeccionar cobertor e roupas para se proteger do frio.

No final, o Evangelizador deverá fazer as seguintes perguntas para todos: E se nenhuma destas profissões escolhidas quisessem praticar a caridade e usar os seus talentos para ajudar as outras? Será que sobreviveriam sozinhas? Será que se salvariam ? (Aguarde as respostas) Se alguém responder que sim, que o bombeiro se salvaria, pois conhece as técnicas de sobrevivência na floresta, explique que nem esta profissão poderia ser salva, pois se ficasse doente, não teria um médico para lhe tratar...Portanto, mesmo que o bote salve estas 8 profissões, se não tivessem caridade, o egoísmo destruiria a todas que estiverem  na ilha. E se as outras profissões, que não foram escolhidas, tivessem caridade, será que sobreviveriam na ilha se fossem salvas? (Aguarde as respostas) Se alguém responder que não, pois elas não possuem as aptidões necessárias para manter a sobrevivência na ilha, explique que está enganado, porque todas as profissões são úteis e se tivessem caridade, poderiam ajudar umas as outras e desenvolver outros talentos  (por exemplo:a mediunidade de cura).

Comentário final: Paulo de Tarso disse: " Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada." (1 Coríntios 13:1,2) Chico Xavier disse: "Creio que tanto na palavra do apóstolo Paulo, quanto na expressão de Allan Kardec,  o aforismo “Fora da caridade não há salvação” ficará mais claramente colocado, em linguagem de todos os tempos, nos termos: “Fora do amor não há salvação”.  Nosso caro Emmanuel muitas vezes nos diz que esse conceito de “salvação”, na sentença mencionada, vale por “reparação”, “restauração”, “refazimento”... A propósito, habituamo-nos a dizer, com referência a um navio que superou diversos riscos: “O barco foi salvo...” Ou de homem que se livrou de um incêndio: “O companheiro foi salvo do fogo...”    Salvos para quê? Logicamente, para continuarem trabalhando ou sendo úteis.   Nessa interpretação justa e salutar, reconhecemos que fora da prática do amor uns pelos outros não seremos salvos das complicações e problemas criados por nós mesmos, a fim de prosseguir-mos em paz, servindo-nos reciprocamente na construção da felicidade que almejamos. "(O Evangelho de Chico Xavier. Item 23. Carlos A. Baccelli)
(Baseada na dinâmica " Construção de uma cidade" da apostila Despert RH : www.despertrh.com.br)

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode