Dinâmica - Práticas do Centro Espírita

Objetivo: Saber quais são as práticas que podem ser inseridas dentro do Centro Espírita e compreender o motivo pelo qual algumas não são recomendadas.  
Participantes: Máximo 21 alunos.
Tempo Estimado: 1hora.
Material: cartolina azul, tesoura, caixa de papelão, 21 palavras escritas em bilhetes, texto 1 e 2 - Definições das práticas (imprimir em duas folhas de papel sulfite A4), cola bastão, canetinha preta.
Descrição: O Evangelizador deverá escrever em 21 bilhetes as seguintes palavras: Palestras públicas, Reuniões de estudo, Evangelização infantojuvenil,  Atendimento fraterno, Assistência material ,  Atendimento de passe e água fluidificada, Atendimento médico espiritual, Educação mediúnica, Reunião de desobsessão,  Reunião de diretoria, Apometria, Reiki, Constelação familiar, Terapia bioconsciencial, Cristaloterapia, Rituais espiritualistas,  Jogos de búzios ou Tarô,  Numerologia, Cromoterapia, Cursos pagos, Bazar (obs.: as 10 primeiras palavras representam práticas da Doutrina Espírita e as 11 últimas palavras representam   práticas espiritualistas). Depois deverá misturá-los e colocá-los dentro de uma pequena caixa. Logo em seguida, recorte a cartolina em duas partes iguais  (tamanho: 33cmX48cm) e coloque os seguintes títulos na parte superior de cada uma: "Práticas da Doutrina Espírita" e "Práticas espiritualistas". Imprima os dois textos "Definições das Práticas" (obs.: as práticas devem estar misturadas e em ordem alfabética) e coloque-os na parede  da sala de aula, juntamente com as duas cartolinas, uma ao lado da outra. O aluno deverá pegar um bilhete dentro da caixa, ler a definição  e dizer se aquela prática é espírita ou não. Se a prática for espírita, deverá colar o bilhete na cartolina que possui o título " Práticas da Doutrina Espírita". Se a prática for espiritualista, deverá colar o bilhete na cartolina que possui o título "Práticas espiritualistas" e explicar o motivo pelo qual aquela prática não é considerada espírita, ou seja, não é recomendada pelos Espíritos Superiores. Após cada explicação dada pelos alunos, o Evangelizador deverá corrigi-los (se necessário) e complementar o estudo, lendo as explicações retiradas das obras espíritas.

TEXTO 1 - DEFINIÇÕES DAS PRÁTICAS:
APOMETRIA: é uma prática que promove o desdobramento espiritual do paciente, através de comandos dados por "pulsos magnéticos" (estalos de dedos), para receber tratamento médico espiritual, e, se necessário, obter o afastamento do espírito obsessor, através da expulsão dele pela força.  
ATENDIMENTO FRATERNO: Consiste em receber fraternalmente e orientar com base na Doutrina Espírita  todos aqueles que  buscam ajuda ou orientação no Centro Espírita.
ATENDIMENTO MÉDICO ESPIRITUAL: É uma sessão de tratamento espiritual,  onde o médium de cura realiza cirurgias espirituais no períspirito ou o médium receitista receita medicamentos homeopáticos para aqueles que estão doentes.
ASSISTÊNCIA MATERIAL: Consiste em fornecer para pessoas carentes o recurso material necessário para o seu bem-estar, como por exemplo: alimentos,  roupas, mantas, etc..
ATENDIMENTO DE PASSE E ÁGUA FLUIDIFICADA: consiste em receber os bons fluidos dos passistas e beber a água fluidificada pelos Bons Espíritos, para o equilíbrio do corpo e da mente.
BAZAR: é um comércio de roupas ou livros usados dentro do Centro Espírita, que possui a finalidade de arrecadar dinheiro para comprar e distribuir alimentos para pessoas carentes.
CONSTELAÇÃO FAMILIAR: é  uma prática considerada terapêutica que busca resolver conflitos familiares que atravessam gerações. Durante a sessão são recriadas cenas que envolvam os sentimentos e sensações que o constelado sente sobre sua família.
CRISTALOTERAPIA: é uma prática que utiliza cristais ou pedras preciosas em determinadas partes do corpo para ativação de energia e reequilíbrio dos  chakras,  auxiliando na cura de doenças.
CROMOTERAPIA:  é um tipo de tratamento que utiliza ondas emitidas pelas cores como o amarelo, vermelho, azul, verde ou laranja, atuando em células do corpo, para melhorar o equilíbrio entre o corpo e a mente.  
CURSOS PAGOS:  são cursos de capacitação para Evangelizadores ou palestrantes espíritas, que os espíritas pagam uma certa quantia para fazer a inscrição.  
EDUCAÇÃO MEDIÚNICA: é  uma reunião em que os médiuns estudam bastante sobre  a mediunidade para que saibam utilizá-la de forma correta, antes de colocá-la em prática e não sejam facilmente enganados por espíritos pseudo-sábios.

TEXTO 2 - DEFINIÇÕES DAS PRÁTICAS:
EVANGELIZAÇÃO INFANTOJUVENIL: são reuniões destinadas para crianças e adolescentes, que ensinam sobre a Doutrina Espírita e a Bíblia, mostrando as diretrizes para uma vida feliz.
JOGOS DE BÚZIOS OU TARÔ: é uma ferramenta utilizada para tentar prever o futuro de alguém ou esclarecê-lo sobre o momento difícil que está passando na sua vida atual.
NUMEROLOGIA:  é um estudo  (relacionado aos signos) que analisa a influência dos números sobre o caráter e o destino das pessoas, com o objetivo de auxiliar o indivíduo a se conhecer melhor.  
REIKI: consiste na imposição de mãos sobre os chakras ou mesmo do toque sobre pontos específicos do corpo, do topo da cabeça até os pés do paciente, seguindo um protocolo padronizado, para transferência de energia vital.  
REUNIÕES DE ESTUDO: são reuniões que fazem um Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita, utilizando um livro principal e obras complementares.
REUNIÃO DE DESOBSESSÃO: consiste em esclarecer o Espírito obsessor,  e  fazê-lo desistir do propósito de perturbar o doente, para que ele fique livre.
RITUAIS ESPIRITUALISTAS: são práticas ritualísticas que fazem uso de sal grosso, folhas de arruda, incenso,  explosão  de pólvora, velas , banho de ervas ou rosas brancas com a finalidade de expulsar os espíritos obsessores ou curar alguma doença.  
TERAPIA BIOCONSCIENCIAL: é uma sessão de terapia paga,  onde o terapeuta, que possui a faculdade de clarividência sonambúlica,  visualiza os locais onde ocorre o bloqueio energético dos chakras no paciente e faz o desbloqueio, tocando em alguns pontos do seu corpo físico e doando energia, através da imposição das mãos.
PALESTRAS PÚBLICAS:  são reuniões que ensinam sobre diversos temas relacionados com a Doutrina Espírita e a Bíblia, associando Kardec aos ensinos de Jesus, para o aprimoramento moral do indivíduo.
REUNIÃO DE DIRETORIA: consiste em reunir diretores e dirigentes do Centro Espírita para resolver questões administrativas.

PRÁTICAS ESPIRITUALISTAS NÃO RECOMENDADAS -  EXPLICAÇÕES:
APOMETRIA:  não é uma prática recomendada pelos Espíritos Superiores, pois não é necessário e nem indicado promover o desdobramento do indivíduo (desprender a alma do corpo físico),  para obter tratamento médico espiritual. Segundo Allan Kardec, " Todo magnetizador pode tornar-se  médium curador, se souber fazer-se assistir por bons Espíritos. (...) Como a todos é dado apelar aos bons Espíritos, orar e querer o bem, muitas vezes basta impor as mãos sobre uma dor para acalmá-la; é o que pode fazer qualquer indivíduo, se ele estiver dotado de fé, fervor, vontade e confiança em Deus." (Revista Espírita.  Setembro de 1865. Da mediunidade curadora. Allan Kardec)
Bem sabemos, hoje, pelos informes da Doutrina Espírita, dos riscos que corre o Espírito desatento e desprevenido, em tais desdobramentos (Diálogo com as sombras. Cap. 38. Hermínio C. Miranda). Segundo os Espíritos Superiores,  aqueles que se sintonizarem com as faixas inferiores, "esses vão, enquanto dormem, ou a mundos inferiores à Terra, onde os chamam velhas afeições, ou em busca de gozos quiçá mais baixos do que os em que aqui tanto se deleitam. Vão beber doutrinas ainda mais vis, mais ignóbeis, mais funestas do que as que professam entre vós. "(O Livro dos Espíritos .Questão 402 . Allan Kardec) Muitos ignoram como isso é autêntico, duma trágica e dolorosa autenticidade. Companheiros encarnados, até mesmo declaradamente espíritas, comparecem a esses núcleos de alucinação dos sentidos, ou aos centros de irradiação de doutrinas nefastas que tentam, aqui, entre nós, implantar, como “reformulações”, “modernizações” e “atualizações” da Doutrina Espírita, ou  fundam movimentos paralelos, tão logo  lhes seja possível apossarem-se de organizações terrenas que lhes forneçam a base de que necessitam para os seus propósitos. É lá, nessas regiões tenebrosas, que se praticam as mais lamentáveis formas de lavagem cerebral e hipnose. (Diálogo com as sombras. Cap. 38. Hermínio C. Miranda)  De acordo com o Espírito André Luiz, "Raros Espíritos encarnados conseguem absoluto domínio de si próprios, em romagens de serviço edificante fora do carro de matéria densa. Habituados à orientação pelo corpo físico, ante qualquer surpresa menos agradável, na esfera de fenômenos inabituais, procuram instintivamente o retorno ao vaso carnal, à maneira do molusco que se refugia na própria concha, diante de qualquer impressão em desacordo com os seus movimentos rotineiros." (Nos domínios da mediunidade. Cap. 11. Espírito André Luiz.  Psicografado por Chico Xavier)
 Além disso, não é recomendável expulsar o obsessor pela força. Segundo, Hermínio C. Miranda, " (...) o obsessor não deve ser arrancado à força ou expulso. Ele precisa ser convencido a abandonar seus propósitos e levado ao arrependimento. Isto se faz buscando com ele um entendimento, um diálogo, pelo qual procuremos educá-lo moralmente, mas sem a arrogância do mestre petulante, e sim com o coração aberto do companheiro que procura compreender as suas razões, o núcleo de sua problemática, o porquê da sua revolta, do seu ódio. Por mais violento e agressivo que seja, é invariavelmente um Espírito que sofre, ainda que não o reconheça. A argumentação que utilizarmos tem que ser convincente. " (Diálogo com as sombras. Cap. 10. Hermínio C. Miranda). Aliás,  o obsidiado (o doente) também precisa fazer esforços para se corrigir e melhorar, pois foram as suas más tendências que atraíram  o Espírito obsessor para perto de si.

BAZAR: não é uma prática recomendada pelos Espíritos Superiores e nem por Jesus. Não deve existir comércio dentro do Centro Espírita. Jesus expulsou os vendilhões do templo (Mateus 21:12,13) para ensinar que ninguém deve transformar a casa de oração num ponto comercial. Entretanto, se a contribuição dos sócios não for suficiente, os espíritas podem fazer a arrecadação de dinheiro através de eventos sociais beneficentes, fora do Centro Espírita. Com relação a este assunto, o Espírito André Luiz fez a seguinte recomendação: "Nas reuniões doutrinárias, jamais angariar donativos por meio de coletas, peditórios ou vendas de tômbolas, à vista dos inconvenientes que apresentam, de vez que tais expedientes podem ser tomados à conta de pagamento por benefícios." ( Conduta Espírita. Cap. 11. Espírito André Luiz. Psicografado por Waldo Vieira )

CONSTELAÇÃO FAMILIAR: as terapias usadas por psicólogos não devem ser implementadas dentro do Centro Espírita. Aliás, o atendimento fraterno não deve ser confundido com uma sessão de terapia psicológica. Segundo Divaldo Franco, "O tempo de duração de cada atendimento (fraterno) poderá situar-se entre 15 a 20 minutos. (...)  Sua proposta, (...) é ouvir e orientar, à luz do Espiritismo, procurando sempre envolver o atendido no compromisso de assumir o que for necessário, o que for bom e justo fazer a benefício de seu despertamento espiritual. Havendo traumas profundos a remover, necessidades de atendimento nas áreas médica e psicológica, o atendido poderá ser conscientizado quanto à necessidade de buscá-los, fora do Centro Espírita, com profissionais especializados." (Atendimento Fraterno. Cap. 11.  Divaldo P. Franco. Projeto Manoel Philomeno de Miranda)

CRISTALOTERAPIA: não é uma prática recomendada pelos Espíritos Superiores, e não existe comprovação científica da sua eficácia, portanto não deve ser implementada no Centro Espírita. Segundo Allan Kardec, " um objeto magnetizado, pois, como se sabe, têm o poder de provocar o sonambulismo ou certos fenômenos nervosos sobre a economia orgânica. Mas, então, a virtude de tal objeto reside unicamente no fluido de que se acha momentaneamente impregnado e que assim se transmite, por via indireta, e não na forma, na cor, nem, principalmente, nos sinais de que possa estar sobrecarregado." (Revista Espírita. Os talismãs. Setembro de 1858. Allan Kardec) Além disso, Allan Kardec explica que, " Nenhum objeto, medalha ou  talismã  tem a propriedade de atrair ou repelir os Espíritos; a matéria não tem nenhuma ação sobre eles. Um bom Espírito nunca aconselha semelhantes absurdos. A virtude dos talismãs nunca existiu a não ser na imaginação das pessoas crédulas.  (O Céu e o inferno. Cap. 10. Item 10. Allan Kardec) Desnecessário dizer que ele também se aplica a outros meios empregados supersticiosamente, como preservativos de doenças e acidentes." (Revista Espírita. Os talismãs. Setembro de 1858. Allan Kardec)

CROMOTERAPIA: Não é uma prática recomendada pelos Espíritos Superiores, portanto não deve ser implementada no Centro Espírita. Com relação a este tipo de terapia, Divaldo Franco faz o seguinte esclarecimento: " Deveremos diminuir muito a nossa preocupação com a cura de corpos. (...) O Espiritismo veio para que a transformação de dentro para fora modifique a estrutura da nossa realidade pessoal. A cromoterapia tem os seus efeitos óbvios; é uma doutrina oriental muito antiga, principalmente na área de meditação, mas nós trazermos todo esse contributo valioso, para transformarmos a casa espírita em clínica de terapias alternativas é um grande risco, porque estaremos apenas cuidando do efeito sem remover as causas que são de natureza moral. " (Entrevistas e lições. Divaldo Franco)

CURSOS PAGOS: Toda atividade doutrinária desenvolvida pelo Centro Espírita deve ser gratuita.(Orientação ao Centro Espírita. Texto aprovado pelo Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira em sua reunião de novembro de 2006. FEB)    Jesus recomendou: "Curem os enfermos, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça; deem também de graça."  (Mateus 10:8)  Segundo o Espírito Emmanuel, "A Doutrina Espírita, revivendo o Cristianismo puro, é a religião da assistência gratuita. No entanto, se nós, os espíritas encarnados e desencarnados, fugirmos de agir, viver e aprender à custa do esforço próprio, incentivando tarefeiros pagos e cooperações financiadas, cairemos, sem perceber, nas sombras do profissionalismo religioso." (Livro da Esperança. Espiritismo e nós. Espírito Emmanuel.  Psicografado por Chico Xavier)

JOGOS DE BÚZIOS OU TARÔ: a prática da adivinhação, através da cartomancia ou de outros elementos, não é recomendada pelos Espíritos Superiores. Segundo Allan Kardec, "Os Espíritos sérios se recusam a ocupar-se de coisas fúteis; os frívolos e zombeteiros tratam de tudo, respondem a tudo, predizem tudo o que se quer, sem se importarem com a verdade, e encontram maligno prazer em mistificar as pessoas demasiado crédulas.  (O que é o Espiritismo. Cap. 2. Item 51. Allan Kardec) Aquele que supõe nele achar meio fácil de saber tudo, de tudo descobrir, labora em grande erro.  Os Espíritos não estão encarregados de trazer-nos a ciência já feita; seria, realmente, muito cômodo se nos bastasse pedir para sermos logo servidos, ficando assim dispensados do trabalho de estudar. (...) Tampouco os Espíritos são leitores da  buena-dicha, e aquele que se vangloria de obter deles certos segredos, prepara para si estranhas decepções da parte dos Espíritos galhofeiros; em uma palavra, o Espiritismo é uma ciência de observação, e não uma arte de adivinhar e especular. " (O que é o Espiritismo. Cap. 1. Allan Kardec) De acordo com o Espírito Emmanuel, " A cartomancia pode enquadrar-se nos fenômenos psíquicos, mas não no Espiritismo evangélico, onde o cristão deve cultivar os valores do seu mundo íntimo pela fé viva e pelo amor no coração, buscando servir a Jesus no santuário de sua alma, não tendo outra vontade que não aquela de se elevar ao seu amor pelo trabalho e iluminação de si mesmo, sem qualquer preocupação pelos acontecimentos nocivos que se foram, ou pelos fatos que hão de vir, na sugestão nem sempre sincera dos que devassam o mundo oculto." (O Consolador. Questão 145. Espírito Emmanuel.  Psicografado por Chico Xavier)

NUMEROLOGIA: segundo Allan Kardec, "Em todos os tempos, os Espíritos Superiores condenaram o emprego de  signos e de formas cabalísticas, e todo Espírito que lhes atribui uma virtude qualquer ou que pretende dar talismãs que denotam magia, por aí revela a própria inferioridade, quer quando age de boa-fé e por ignorância, levado por antigos preconceitos terrenos, de que ainda se acha imbuído, quer quando conscientemente se diverte com a credulidade, como Espírito zombeteiro. Os sinais cabalísticos, quando não são mera fantasia, são símbolos que lembram crenças supersticiosas na virtude de certas coisas, como os números, os planetas e sua correspondência com os metais, crenças nascidas no tempo da ignorância e que repousam sobre erros manifestos, aos quais a Ciência fez justiça, mostrando o que há sobre os pretensos sete planetas, os sete metais, etc. A forma mística e ininteligível de tais emblemas tem o objetivo de impô-los ao vulgo, sempre inclinado a considerar maravilhoso aquilo que não compreende. Quem quer que tenha estudado a natureza dos Espíritos, não poderá racionalmente admitir sobre eles a influência de formas convencionais, nem de substâncias misturadas em certas proporções. Seria renovar as práticas do caldeirão das feiticeiras, dos gatos pretos, das galinhas pretas e de outras secretas maquinações.  " (Revista Espírita. Setembro de 1858. Os talismãs. Allan Kardec)

 REIKI: não é uma prática recomendada pelos Espíritos Superiores, pois não é preciso tocar ou impor as mãos sobre vários pontos do corpo para transmitir a energia. Segundo Herculano Pires, " Os passes padronizados e classificados derivam de teorias e práticas mesméricas, magnéticas e hipnóticas de um passado já há muito superado. Os Espíritos realmente elevados não aprovam nem ensinam essas coisas, mas a prece e a imposição das mãos. " (Obsessão, Passe e Doutrinação. J. Herculano Pires). De acordo com Divaldo Franco, "Desde que se trata de permuta de energias, deve-se mesmo, por medida de cautela e de zelo ao próprio bom nome, e ao do Espiritismo, evitar tudo aquilo que possa comprometer, como toques físicos, abraços, etc." (Diretrizes de segurança. Item 75. Divaldo Franco/ Raul Teixeira) Allan Kardec explica que, " A cura se opera mediante a substituição de uma molécula  malsã  por uma molécula sã. "(A Gênese. Cap. 14. Item 31. Allan Kardec) Na Revista Espírita, Allan  Kardec  relata um caso de uma cura difícil feita apenas com a simples imposição das mãos sobre a cabeça do doente, da seguinte forma: "Conhecemos em Paris uma pessoa há oito meses atingida de exostoses na anca e no joelho, que lhe causam grandes sofrimentos e a prendem ao leito. Um de seus jovens amigos, dotado dessa preciosa faculdade, lhe deu cuidados pela simples  imposição   das   mãos , durante alguns minutos, sobre a cabeça, e pela prece, que o doente acompanhava com fervor edificante." (Revista Espírita. Abril de 1865. Poder curativo do magnetismo espiritual. Allan Kardec)


RITUAIS ESPIRITUALISTAS: de acordo com Herculano Pires, "Não se pode curar obsessões com sal grosso, folhas de arruda, incenso ou  explosão  de pólvora, nem com medalhas, crucifixos ou  água benta. A obsessão é um processo inteligente desencadeado por espíritos – o que vale dizer por inteligências extrafísicas que não são atingidas por essas coisas. Pois eles vivem no plano espiritual, não no material e conhecem o problema da comunicação mediúnica e do envolvimento fluídico. Só podemos afastar uma entidade obsessiva pela persuasão e a prece, procurando esclarecê-la ao invés de dar-lhe ordens que só que fazem irritá-la." (O Centro Espírita. Cap. 9. J. Herculano Pires) Aliás, para realizar a cura de doenças, os Espíritos Superiores ensinam apenas a simples imposição de mãos usada e ensinada por Jesus.  Allan Kardec explica que as pessoas não diplomadas podem tratar   "os doentes pelo magnetismo; pela  água magnetizada, que não é senão uma dissolução do fluido magnético; pela imposição das mãos, que é uma magnetização instantânea e poderosa; pela prece, que é uma magnetização mental". (Revista Espírita. Julho de 1867. A lei e os médiuns curadores. Allan Kardec) Segundo Herculano Pires, "Todas as formas rituais do passado mágico e religioso não passam de adendos pretensiosos dos homens à técnica natural e simples do Evangelho. " (Ciência espírita e suas implicações terapêuticas. Cap. 8. J. Herculano Pires)

TERAPIA BIOCONSCIENCIAL: A prática do sonambulismo pago, fazendo uso do magnetismo através da imposição das mãos, aliada a terapia psicológica, não é recomendada pelos Espíritos Superiores. Infelizmente,  existem indivíduos interesseiros, que aceitam sugestões de espíritos pseudo-sábios e inventam novas práticas terapêuticas, que  prejudicam o Espiritismo. Allan Kardec explica que, " O sonâmbulo age sob a influência do seu próprio Espírito; é sua alma que, nos momentos de emancipação, vê, ouve e percebe, fora dos limites dos sentidos. (...) O médium, ao contrário, é instrumento de uma inteligência estranha; é passivo e o que diz não vem de si.  (...) Um de nossos amigos tinha como sonâmbulo um rapaz de 14 a 15 anos, de inteligência muito vulgar e instrução extremamente escassa. Entretanto, no estado de sonambulismo, deu provas de lucidez extraordinária e de grande perspicácia. Excelia, sobretudo, no tratamento das enfermidades e operou grande número de curas consideradas impossíveis." (O Livro dos médiuns. Cap. 14. Item 172. Allan Kardec)
Entretanto, aqueles que possuem a faculdade de clarividência sonambúlica não devem utilizá-la como uma terapia psicológica, e muito menos, prometer curar certas doenças e cobrar pelo serviço, pois é uma faculdade dada por Deus (Vide: O Livro dos Espíritos.  Questão 438. Allan Kardec). De acordo com Allan Kardec, " o médium tem uma ação mais poderosa sobre certos indivíduos do que sobre outros, e não cura todas as doenças . (Revista Espírita. Abril de 1865. Poder curativo do magnetismo espiritual. Allan Kardec). A experiência prova que, na acepção restrita  da palavra, entre os melhor dotados não há médiuns curadores universais. Este terá restituído a saúde a um doente e nada fará sobre outro." (Revista Espírita. Setembro de 1865. Da mediunidade curadora. Allan Kardec)  Infelizmente,  existem espíritos pseudo-sábios que enganam os médiuns gananciosos e lhes sugerem práticas ridículas. Segundo Allan Kardec, "Esses falsos sábios falam de tudo, armam sistemas, criam utopias ou ditam as coisas mais excêntricas e sentem-se felizes quando encontram intérpretes complacentes e crédulos que aceitam as suas elucubrações de olhos fechados.  (...) Alguns organizam ou fazem organizar reuniões onde se ocupam de preferência daquilo que precisamente o Espiritismo desaconselha. Alguns adicionam, como complemento, e por vezes com objetivo de lucro, a  cartomancia , a quiromancia, a borra de café, o sonambulismo pago, etc...(...) Tentareis trazer toda essa gente a ideias mais sãs? Seria trabalho perdido, e compreende-se por quê: A razão e o lado sério da doutrina não lhes interessa; é o que mais os aflige. " (Revista Espírita. Junho de 1863. Falsos irmãos e amigos ineptos. Allan Kardec) Na Revista Espírita de Março de 1868, Allan Kardec explica ainda que as causas das doenças podem ser dois tipos:  "alteração das moléculas orgânicas" ou "a presença de um mau fluido", portanto não é devido a bloqueio de energia, conforme alega esta nova terapia.  De acordo com Herculano Pires, "É tipicamente mágica a atitude do médium  que pretende, com sua ginástica, limpar a aura de uma pessoa ou limpar uma casa. As tentativas de cura através desses bailados mediúnicos revela confiança mágica do médium no rito que pratica. Por isso Jesus ensinou simplesmente a imposição das mãos acompanhada da oração silenciosa. (...) A religião racional, e portanto consciente,baseia-se na fé esclarecida pela razão, que não comporta de maneira alguma essas e outras práticas formais e carregadas de misticismo igrejeiro.  (...)O serviço espírita é de abnegação, é o pagamento que médiuns e médicos fazem a Deus, por meio do sofrimento humano por eles aliviado, do muito que diariamente recebem do amparo divino. Os que não compreendem isso, deixando-se levar pela ganância, acabam fatalmente subjugados pelos Espíritos inferiores. "(Obsessão, Passe e Doutrinação. Cap. 2. J. Herculano Pires).


Comentário final: Muitos, companheiros, sob a alegação de que todas as religiões são boas e respeitáveis, julgam que as tarefas espíritas nada perdem por aceitar a enxertia de práticas estranhas à simplicidade que lhes vige na base, lisonjeando indebitamente situações e personalidades humanas, supostas capazes de beneficiar as construções doutrinárias do Espiritismo.  No entanto, examinemos, sem parcialidade, a expressão contraditória de semelhante atitude, analisando-a, na lógica da vida. (...)Indiscriminadamente, os produtos expostos num mercado são úteis. Mas sob a desculpa do acatamento que se deve a todos, não nos cabe comer de tudo, sem a mínima noção de higiene e sem qualquer consideração para com a própria saúde. (...)Reflitamos nisso e compreenderemos que assegurar a simplicidade dos princípios espíritas, nas casas doutrinárias, para que as suas atividades atinjam a meta da libertação espiritual da Humanidade não é fanatismo e nem rigorismo de espécie alguma, porquanto, agir de outro modo seria o mesmo que devolver um mapa luminoso ao labirinto das sombras, após séculos de esforço e sacrifício para obtê-lo, como se também, a pretexto de fraternidade, fôssemos obrigados a desertar do lar para residir nas penitenciárias; a deixar o caminho certo para seguir pelo cipoal; a largar o prato saudável para ingerir a refeição deteriorada e desprezar a água potável por líquidos de salubridade suspeita.  Em Doutrina Espírita, pois, seja compreensível afirmar que é certo respeitar tudo e beneficiar sem complicar a cada um de nossos irmãos, onde quer que se encontrem, mas não podemos aceitar tudo e nem abraçar tudo, a fim de podermos estar certos. (Opinião Espírita. Práticas estranhas. Espírito André Luiz. Psicografado por Waldo Vieira)

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode