Dinâmica - Páscoa, Crucificação e Ressurreição

Objetivo: Relembrar através da poesia e trechos bíblicos a trajetória do Cristo, um pouco antes do seu supremo sacrifício até o fim, ou seja, o período em que comemorou a ceia pascal (a sua Doutrina) com os seus discípulos, depois lavou os pés deles em demonstração de humildade, orou e dialogou com Deus, foi preso, aceitou a crucificação, e ressuscitou no terceiro dia, trazendo o ensinamento de que o Espírito é imortal.  
Participantes: Indefinido.
Tempo Estimado: 25 min.
Material: 2 cartolinas, 1 poesia + 1 cópia ,  7 trechos bíblicos + 1 cópia, cola bastão, tesoura, canetinha, fita crepe.
Descrição: O Evangelizador deverá, antecipadamente, dividir a cartolina em duas colunas: na parte superior deverá escrever o título "Páscoa, Crucificação e Ressurreição"; no lado esquerdo deverá escrever (ou colar o papel impresso) a poesia, com as palavras em destaque; e no lado direito deverá apenas  escrever os números de 1 à 7,  deixando um espaço entre eles para posteriormente colar cada trecho bíblico. Depois deverá fazer o mesmo procedimento com a outra cartolina, fazendo uma cópia. Na classe, deverá colocar na parede as duas cartolinas, dividir a turma em dois grupos e distribuir para cada um deles os 7 trechos bíblicos (separados, embaralhados e sem estar numerados). Os grupos deverão ler a poesia e  colar os trechos (relacionados às frases com as palavras em destaque) na cartolina e na ordem numérica correta, ou seja, que corresponde a numeração da poesia. O grupo que colar os trechos na ordem correta e fizer em menor tempo, será o vencedor. Depois, os integrantes dos grupos (de preferência aqueles que perderem) deverão ler os trechos bíblicos diante da turma,  e relacioná-los com a poesia.

POESIA:
Título:Minutos de Deus
1. Lembra o próprio JESUS,
Se consegues cismar, em torno disso;
Do berço em louvações
2. À última PÁSCOA em festa, brilho e luz,
A vida do Senhor
Foi um hino de júbilo e de amor
3. Em música de paz e de SERVIÇO...
Mas chegando ao Jardim das Oliveiras,
Ei-lo escutando o Pai, horas inteiras...
4. E, através do DIÁLOGO divino,
Colocado em si mesmo, solitário,
Encontra o sacrifício por destino,
5. Desde a PRISÃO injusta às pedras do Calvário...
Entretanto, depois
Da renúncia suprema,
6. Qual se guardasse em si o FEL da humana escória,
No suplício final, perante a multidão,
Fez-se o Cristo Imortal do Amor e da Vitória,
7. Na luz divina da RESSURREIÇÃO.
Autor:Espírito Maria Dolores/Chico Xavier

Obs.: Significado da palavra CISMAR: pensar; imaginar.
Significado figurado da palavra FEL: sofrimento; dor.

1. Jesus disse: "Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo". (João 6:51)
2. E, tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim.  Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós. (Lucas 22:19-20)
3. Assim, levantou-se da mesa, tirou sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura.  Depois disso, derramou a água numa bacia e começou a lavar os pés dos seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em sua cintura. (João 13:4,5)
4. Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: "Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres". (Mateus 26:39)
5. O traidor havia combinado um sinal com eles, dizendo-lhes: "Aquele a quem eu saudar com um beijo, é ele; prendam-no". Dirigindo-se imediatamente a Jesus, Judas disse: "Salve, Mestre! ", e o beijou. (...)Então os homens se aproximaram, agarraram Jesus e o prenderam. (Mateus 26:48 -50)
6. Fizeram uma coroa de espinhos e a colocaram em sua cabeça. Puseram uma vara em sua mão direita e, ajoelhando-se diante dele, zombavam: "Salve, rei dos judeus! "Cuspiram nele e, tirando-lhe a vara, batiam-lhe com ela na cabeça. (Mateus 27:29-30)
7.  "Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos no terceiro dia...(Lucas 24:46) Disse-lhe Jesus: "Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá. "(João 11:25)

Comentário: As duas espécies: pão e vinho, não são mais que alegorias, que dão idéia da letra e do espírito; assim como a carne e o sangue especificam a mesma idéia: letra e espírito. Queria Jesus mais uma vez lembrar a seus discípulos que o seu corpo — que é a sua Doutrina — não pode ser assimilada unicamente à letra, mas precisa ser estudada e compreendida em espírito e verdade; por isso o Mestre acrescentou, quando os judeus se escandalizaram por haver ele dito que seus discípulos necessitavam comer a sua carne e beber o seu sangue: “A carne para nada presta, o espírito é que vivifica; as palavras que eu vos digo são espírito e vida.” Não é, pois, com o pão, nem com a hóstia, que devemos comungar, mas, sim, com a Palavra do Cristo, com a sua Doutrina" (Parábolas e ensinos de Jesus. A ceia Pascoal. Cairbar Schutel). Jesus Cristo é o Médico das Almas e veio entre nós para uma missão muito mais relevante: a cura da alma, a cura permanente, o que se processará através da assimilação de sua Doutrina de luz e de verdade. (Os Padrões Evangélicos. A multiplicação dos pães. Paulo Alves Godoy) " (...) O Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos. ( Mateus 20:28)

(Baseada no Evangelho e o trecho da poesia foi  retirado do livro "A vida conta", ditado pelo Espírito Maria Dolores, psicografado por Chico Xavier)

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode