Dinâmica - Parábola do filho pródigo

Objetivo:  Compreender o significado simbólico dos personagens e dos elementos descritos na parábola do filho pródigo (Lucas 15:10-31).
Participantes: Máximo 18 alunos.
Tempo Estimado: 25min.
Material: história ilustrada (imprimir em papel canson A4), frases explicativas (imprimir em papel A4), cola bastão, tesoura, fita crepe.
Descrição: O Evangelizador deverá, previamente, recortar as frases explicativas. Na sala de aula, deverá colar na parede a capa do livro "Parábola do Filho Pródigo" e distribuir para cada um dos alunos, um papel com uma parte da história ilustrada ou a frase explicativa.  Os alunos que receberam a folha com a parte da história, deverão, um de cada vez (na sequência numérica), ler o texto diante da turma e colar o papel na parede (ao lado da capa do livro) para encontrar o colega que está com a frase explicativa (obs.: Quem estiver com a explicação levantará a sua mão para indicar que está com ela). Então o colega deverá ler a explicação diante da turma e colar a frase na lacuna da primeira página. Depois, na sequência, os demais alunos deverão fazer o mesmo procedimento, colando na parede os papéis com as partes da história e explicações, um ao lado do outro.
Obs.: Se a quantidade de alunos for igual ou menor que 9, o Evangelizador poderá colar na parede todas as partes da história ilustrada (uma ao lado da outra). Então, após fazer a leitura de cada trecho, deverá pedir para o aluno que estiver com a explicação, levantar a sua mão, para colar a frase na lacuna correspondente.

História (Parábola do filho pródigo) e explicações:
1. Havia um pai de família, que tinha dois filhos: um pródigo e o outro egoísta.
Na parábola, os filhos representam a humanidade.
2. O filho mais novo pediu a sua herança para o seu pai.
O pai de família simboliza Deus.
3. Então o pai dividiu a herança e o filho pródigo recebeu a sua parte.
Nós recebemos os bens materiais, como empréstimo Divino, para serem usados para o bem.
4. Logo em seguida, este filho partiu para uma terra distante.
No entanto, depois disso, muitos se afastam do Pai Celestial.
5. Chegando lá, ele gastou toda a sua fortuna, vivendo uma vida desregrada.
Muitos entregam a sua alma a todo tipo de vício.
6. Um tempo depois, começou a passar fome e precisou comer a vagem dos porcos.
Mais tarde, sofrem as consequências dos seus atos.
7. Diante disso, resolveu retornar para casa do seu pai.
Posteriormente, arrependem-se dos erros cometidos e aproximam-se novamente de Deus.
8. Então o pai manda matar um bezerro para comemorar o seu retorno.
O céu se alegra quando um pecador se arrepende.*
9. Porém, o filho mais velho encolerizou-se e não quis participar da festa.
No entanto, existem aqueles que persistem no erro e se revoltam contra Deus, atrasando a sua evolução.
Obs.(*): Lucas 15:7
No final, leia toda a história e depois leia todas as explicações, conforme a sequência numérica.

Comentário: Em resumo: esta simples alegoria, capaz de ser compreendida por uma criança, demonstra o amparo e a proteção que Deus sempre reserva a todos os seus filhos. Nenhum deles é abandonado pelo Pai Celestial, tenha os pecados que tiver, pratique as faltas que praticar, porque se é verdade que o filho chega a perder a condição de filho, o Pai nunca perde a condição de Pai para com todos, porque todos somos criaturas suas. Estejam eles onde estiverem, quer no Mundo, quer no Espaço; quer neste planeta, quer em país longínquo, ou seja noutro planeta, com um corpo de carne ou com um corpo espiritual, o Pai a nenhum despreza, a nenhum abandona, porque nos criou para gozarmos da sua Luz, da sua Glória, do seu Amor! ( Parábolas e Ensinos de Jesus. Parábola do Filho Pródigo. Cairbar Schutel)

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode