Dinâmica - Parábola do Fariseu e do Publicano

Objetivo: Fixar o conhecimento sobre o tema da aula "Parábola do Fariseu e do Publicano "(Lucas 18:9-14). 

Participantes: 4 grupos com 3 participantes (Máximo 12 alunos).

Tempo Estimado: 15 min.

Material: Placas feitas com papel, com as Letras A, B e C, lousa e giz.  

Descrição: Separar a turma em grupos de 3 participantes. A cada rodada será feita uma pergunta com 3 possíveis opções de resposta para cada grupo. O grupo deverá discutir entre si e levantar uma das placas com a letra correspondente à opção que eles consideram correta. E o Evangelizador deverá marcar a resposta na lousa.
Após todos responderem as perguntas, será feita a correção e o Evangelizador deverá falar um pouco sobre o assunto, focando principalmente nos erros cometidos pelos alunos.


1. Quem eram os fariseus?

a) Eram judeus intérpretes da lei, ricos e hipócritas,

que se passavam por santas criaturas.

b) Eram os secretários do rei.

c) Eram estrangeiros.

 

2. Quem eram os publicanos?

a) Eram os sacerdotes do templo.

b) Eram pessoas pobres e ignorantes do povo judeu.

c) Eram cobradores de impostos do império romano.

 

3. Na parábola, qual das orações é agradável a Deus?

a) A oração do Fariseu.

b) A oração do Publicano.

c) Nenhuma delas, pois os dois eram pecadores. 

 

4. Por que o fariseu se comportou daquele modo?

a)  Porque era orgulhoso e hipócrita.

b)  Porque tinha desejo sincero de agradar a  Deus.

c) Porque não sabia a verdade. 

 

5. Qual atitude mostra que o fariseu era orgulhoso?

a) Dizer uma lista de coisas que fazia,

considerando-se superior aos outros.

b) Falar palavras difíceis na oração.

c) Fazer gestos de adoração a Deus.

 

6. Durante a oração, como publicano se comportou?

a) Disse mentiras.

b) Foi sincero e humilde.     

c) Agiu com orgulho.  

 

7. Por que o publicano agiu daquela forma?

a) Tinha medo de Deus.

b)  Queria conquistar os favores de Deus.

c) Tinha convicção dos seus pecados e pedia ajuda.

 

8.  Como devemos orar a Deus?

a) Com vontade, fé e humildade.

b) Exigir de Deus que nos conceda benefícios.

c) Dizer palavras belas, mas sem sentimentos nobres.

 

9. É preciso fazer gestos para orar?

a) Sim, é necessário ajoelhar-se.

b) Não, pois Deus ouve os nossos pensamentos.

b) Sim, é preciso unir as mãos.

 

10. Qual é o maior obstáculo ao nosso aperfeiçoamento?

a) O orgulho.

b) A inveja.

c) A maledicência.

 

11.Por que nem todos que dizem :Senhor! Senhor! entrará no reino dos céus?

a) Porque não seguiu os rituais do templo.

b) Porque não ofereceu sacrifícios a Deus .

c) Porque não fez a vontade de Deus.

 

12. Como podemos reconhecer um verdadeiro cristão?

a) Pelas suas palavras.

b) Pelas suas obras.

c) Pela sua aparência.

 

CHAVE DE CORREÇÃO PARA O EVANGELIZADOR:
1-a; 2-c; 3-b; 4-a; 5-a; 6-b; 7-c; 8-a; 9-b; 10-a; 11-c; 12-b.

 

Comentário: Os escribas e fariseus não eram criminosos, nem inimigos da Humanidade.  Cumpriam deveres públicos e privados.  Respeitavam as leis estabelecidas.  Reverenciavam a Revelação Divina.  Atendiam aos preceitos da fé.  Jejuavam.  Pagavam impostos.  Não exploravam o povo.  Naturalmente, em casa, deviam ser excelentes mordomos do conforto familiar.  Entretanto, para o Emissário Celeste a justiça deles deixava a desejar.  Adoravam o Eterno Pai, mas não vacilavam em humilhar o irmão infeliz. Repetiam fórmulas verbais no culto à prece, todavia, não oravam expondo o coração.  Eram corretos na posição exterior, contudo, não sabiam descer do pedestal de orgulho falso em que se erigiam, para ajudar o próximo e desculpá-lo até o próprio sacrifício.  Raciocinavam perfeitamente no quadro de seus interesses pessoais, todavia, eram incapazes de sentir a verdadeira fraternidade, suscetível de conduzir os vizinhos ao regaço do Supremo Senhor.  Eis por que Jesus traça aos aprendizes novo padrão de vida. (Vinha de luz. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)

(Baseada na Bíblia :Lucas 18:9-14)