Dinâmica - O Centro Espírita

Objetivo: Descobrir o tema da aula " O Centro Espírita", através de algumas frases, que mostram a sua definição .

Participantes: Máximo 10 alunos.

Tempo Estimado: 10 min.

Material: Bilhetes com frases escritas, caixa de papelão.

Descrição: O Evangelizador deverá, previamente, escrever as frases em bilhetes e colocá-los dentro de uma caixa. Depois deverá distribuir um bilhete para cada aluno ,  explicando que neles contém  dicas sobre algo muito importante, que será o tema da aula de hoje,  e que eles deverão tentar descobrir o que é. Para iniciar, cada aluno deverá ler sua frase na frente dos outros.  Se logo no ínicio descobrir o que é, o Evangelizador deverá dizer que ainda tem dúvidas, e que os outros deverão continuar lendo suas frases.

Frases sobre o Centro Espírita :

Casa acolhedora

Escola de aperfeiçoamento moral

Hospital que atende os doentes

Posto de socorro espiritual

Núcleo de estudo do Evangelho

Oficina de trabalho edificante

Templo de instrução e oração

Local de esclarecimento e consolação

Recanto de paz e fraternidade

Recinto de assistência material

Comentário: Bendita Escola de almas na Terra, o Centro Espírita agasalha os corações batidos pelos vendavais das paixões. (...)Hospital - recebe enfermos de toda procedência, sem lhe inquirir a doença nem exigir apresentação de carteira de saúde com os antecedentes da moléstia.Templo - escuta os soluços da inquietude e atende o pranto das ansiedades, nascidos nos recessos da alma. Escola - ensina as diretrizes da vida feliz, acenando com os triunfos após o curso rigoroso da auto-elevação.
(...) O Centro Espírita também é, em nome do amor, o Núcleo da assistência ativa à fome física, à nudez, à dor, multiplicando os braços de Jesus no mister abençoado do auxílio, distribuindo a bondade, santa e boa, sem preconceito nem interesse, sem desejo proselitista nem imposição adesiva.
(Sementeiras da Fraternidade, cap. 54. Djalma Montenegro de Farias. Psicografia de Divaldo Pereira Franco)

(Baseada no livro: Sementeiras da Fraternidade, cap. 54. Djalma Montenegro de Farias. Psicografia de Divaldo Pereira Franco)