Dinâmica - Interrogatórios de Joana D'arc

Objetivo: Conhecer a interessante história de Joana D'arc e suas sábias respostas que foram dadas nos interrogatórios, feitos pelo tribunal da Inquisição.
Participantes: Máximo 20 alunos.
Tempo Estimado: 35min.
Material: 4 cartolinas coloridas (azul, amarela, verde e vermelha), perguntas e respostas (imprimir em papel canson), fita crepe.
Descrição: O Evangelizador deverá escrever,  na parte superior das quatro cartolinas, os seguintes títulos: 1°fase do interrogatório de Joana D'arc, 2°fase do interrogatório de Joana D'arc, 3°fase do interrogatório de Joana D'arc, 4°fase do interrogatório de Joana D'arc. Depois deverá imprimir e recortar as perguntas com suas respectivas respostas, verdadeiras e falsas, para serem coladas na ordem numérica com fita crepe nas cartolinas.  Cada participante deverá escolher uma pergunta e uma resposta do primeiro interrogatório (1°fase / 1°cartolina) , que considera verdadeira. Os alunos que errarem (escolherem a resposta falsa), deverão sair da brincadeira e aqueles que acertarem, passarão para o próximo interrogatório (2°fase/ 2°cartolina), e deverão escolher novamente uma pergunta e uma resposta, repetindo o procedimento anterior, para tentar passar para o próximo interrogatório. Aqueles que conseguirem chegar no último interrogatório (4°fase/ 4°cartolina) e acertarem as perguntas e respostas, serão os vencedores.
Obs.: Leia a resposta correta para aqueles que fizeram a escolha errada.
Obs.: Peça para cada aluno escolher uma pergunta e resposta, conforme a ordem dos seus nomes (Por exemplo: Se tiver uma aluna com o nome Adriana, ela começará a fazer a escolha).

1° fase do interrogatório de Joana D'arc (Questões 1 à 20):
1. Qual o seu nome, apelido e sobrenome?
— Chamavam-me Jeannette, na minha região, e Jeanne desde que entrei na França; sobre meus apelidos não sei o que senhor fala.
2. Onde a senhora nasceu?
— Na cidade de Domremy, dependência de Greux, onde está a igreja principal.
3. Qual o nome de seus pais?
— Meu pai se chama Jacques d’Arc e minha mãe Isabeau.
4. O que fazem seus pais?
- Meu pai é ferreiro, faz ferraduras para os cavalos e minha mãe é dona de casa.
Resposta correta:  Meu pai é agricultor, cultiva seus campos com meus irmãos, e minha mãe faz os deveres de uma boa mãe de família.
5. Como a senhora foi educada?
— No temor a Deus e no amor ao próximo.
6.  Qual é a sua idade?
- Dezoito anos, eu creio.
Resposta correta: Dezenove anos, eu creio.
7. O que sabe sobre sua religião?
- Não sei muita coisa, não tive ninguém para me ensinar.
Resposta correta: Minha mãe me ensinou o Pai Nosso e o Credo; foi som dela que recebi tudo o que sei sobre crença.
8.  Aprendeu algum trabalho na sua juventude?
— Sim, a bordar e a fiar o cânhamo, eu creio que não existe mulher em Rouen que borde e fie como eu.
9. Quais eram suas ocupações na casa de seus pais?
— Durante minha infância, eu cuidava das cabras e de outros animais; porém, desde a idade de 14 ou 15 anos eu não os conduzia mais ao pasto, ocupava-me nos cuidados da casa.
10.  A quem a senhora confessava seus pecados?
- Eu confessava somente para as santas.
Resposta correta: Ao meu cura ou quando ele estava ocupado, a algum padre mediante sua permissão. Durante minha estadia em Neufchâtel me confessei duas ou três vezes a religiosos pedintes.
11. Com qual idade começou a escutar vozes? (*)
— Com a idade de 13 anos escutei uma voz de Deus dizendo que me ajudaria a conduzir minha vida. Na primeira vez fui tomada de pavor.
12. Onde, quando e a que horas a senhora escutou essas vozes?
— No jardim da casa de meu pai, no verão, por volta de meio dia.
13. De que lado veio a voz?
— Do lado direito, do lado da igreja de Domremy.
14. O que a senhora achava dessa voz?
- Eu achava, no princípio, que era a voz do demônio.
Resposta correta: Achava que era uma voz digna e acreditava firmemente que ela era enviada por Deus. Após escutá-la três vezes, soube que era de um anjo. Aliás essa voz sempre me aconselhou muito bem e compreendo claramente o que ela me anunciou.
15. Quais ensinamentos ela lhe deu para a salvação de sua alma?
— Ela recomendou que eu sempre me comportasse bem e que freqüentasse a igreja.
16.  A senhora escutava essa voz freqüentemente?
— Ela me dizia, duas ou três vezes por semana, que eu precisava partir e vir até a França.
17.  Seu pai foi avisado de sua partida?
— Não, ele nada soube.
18.  O que dizia essa voz?
— Que eu libertaria a cidade de Orléans e que conduziria meu rei até Reims para que ele fosse sagrado.
19. O que disse a voz no que se refere à execução de sua missão?
— Ela disse que eu fosse a Vaucouleurs, junto a Robert de Baudricourt, capitão naquela cidade, e que ele me daria militares para me levarem até ao rei; eu respondi que era uma moça pobre que não saberia cavalgar nem conduzir uma tropa.
20. A senhora viu um anjo sobre a cabeça do rei?
— Por gentileza, passe adiante; antes de me colocar em ação, meu rei teve muitas revelações e bons sinais.

2° fase do interrogatório de Joana D'arc (Questões 21 à 35):
21. A senhora não pediu a essa voz algo para si, particularmente?
- Sim, pedi para que nunca deixasse faltar comida na minha casa.
Resposta correta: Só lhe pedi a salvação de minha alma. Ela disse que eu ficasse em Saint-Denis, na França; gostaria de ficar lá, mas, contra a minha vontade, os senhores me levaram para outro lugar. Entretanto, se eu não fosse ferida nos fossos de Paris, local para onde fui após Saint-Denis, nunca teria saído de lá. Eu fui curada em 5 dias.
22. Essa voz não varia seus conselhos?
— Nunca vi a menor contradição em suas palavras; ainda essa noite a ouvi dizendo-me que falasse destemidamente.
23. A senhora acha que essas vozes vêm de Deus?
- Não tenho certeza, mas é bem provável que sim.
Resposta correta: Sim, minha certeza disso é tão firme quanto minha fé cristã, bem como não duvido da vontade de Deus, que nos livrou das penas do inferno.
24. Na sua infância, a senhora teve a revelação, através das vozes, de que os ingleses deveriam chegar à França?
— Os ingleses já estavam na França há algum tempo quando as vozes começaram a me visitar.
25. A senhora teve, quando era pequena, a intenção de destruir os bourguignons?
- Sim, eu detestava eles.
Resposta correta: Eu desejava, ardentemente, que meu rei tivesse seu reinado.
26. Gostaria de ser homem quando teve que vir a França?
— Visto Deus me haver feito nascer mulher, eu estava feliz, pois do o que ele faz é bem feito.
27. É a voz de um anjo, de um santo, de uma santa ou de Deus sem intermediário?
- Eu não posso responder, as vozes não me permitem.
Resposta correta: Essa voz é de Sainte-Catherine e de Sainte-Marguerite. Suas cabeças estão coroadas com belas coroas muito ricas e preciosas; a esse respeito tenho a permissão de Deus para revelá-lo. Se duvidam do que estou falando, mandem saber em Poitiers onde fui interrogada.
28. Qual a primeira voz que escutou quanto tinha cerca de treze anos?
— Foi Saint-Michel que vi diante de meus olhos; ele não estava só, vinha acompanhado por anjos do céu. Só vim à França por ordem de Deus.
29. Como é o rosto de Saint-Michel?
— Não posso responder, não tenho permissão.
30. Como a senhora sabe fazer a distinção entre os pontos que pode responder e os que não pode?
— Pedi a permissão para responder sobre alguns pontos e tive o consentimento, sobre outros, não; preferia ter meu corpo esquartejado por cavalos do que ter vindo à França sem permissão de Deus.
31. Deus lhe ordenou que vestisse roupas de homem?
— Vestir roupas de homem não é nada, eu só o fiz pelo consentimento de Deus e de seus anjos e não pelo conselho de nenhum homem sobre a terra.
32. Quando viu essa voz, que veio até a senhora, havia luz?
— Sim, muita luz, em toda a parte e isso é bem natural; de resto, tudo aquilo não viria para vocês.
33. A senhora mandou buscar uma espada em Sainte-Catherine de Fierbois?
- Não, não precisei utilizá-la.
Resposta correta: Sim, enquanto estava em Tours ou em Chinon, mandei buscar a espada que estava na igreja de Sainte-Catherine de Fierbois, atrás do altar, ela foi logo encontrada toda coberta de ferrugem.
34. — Como sabia que essa espada estava lá?
— Ela estava sob a terra, num túmulo, e enferrujada; havia cinco cruzes em cima. Soube de sua existência pelas vozes....
35. O que a senhora preferia? Seu estandarte ou sua espada?
— Gostava muito mais, quarenta vezes mais do meu estandarte que da minha espada.

3° fase do interrogatório de Joana D'arc (Questões 36 à 45)
36. Por que a senhora possuía um estandarte?
— Eu o levava, eu mesma, quando atacava os inimigos para evitar de matar algum; nunca matei ninguém.
37. Que batalhão lhe deu o rei quando a colocou em ação?
— Ele me confiou entre dez e doze mil homens. Para acabar com o cerco de Orléans, comecei pela bastilha de Saint-Loup e acabei pela da ponte.
38.  A senhora tinha conhecimento de que seria ferida?
- Não, isto foi uma surpresa para mim.
Resposta correta: Sim, eu sabia, e o havia dito ao meu rei, acrescentando que, apesar disso, eu não deixaria de lutar; tudo me fora revelado pelas vozes das duas santas, as bem-aventuradas Catherine e Marguerite. Fui eu que coloquei a primeira escada para o ataque da bastilha da ponte, e quando levantava essa escada é que fui, como já expliquei, ferida no pescoço.
39. Como as santas falam?
- Falam em inglês.
Resposta correta: Falam em francês.
40. O que a senhora fez de sua mandrágora?
- Eu a utilizava em alguns doentes, atualmente está guardada no meu quarto.
Resposta correta: Não tenho e nunca tive nenhuma. Ouvi dizer que existia uma próxima à minha cidade; mas eu nunca a vi. Também ouvi dizer que era algo perigoso e trazia mau agouro; não sei para que poderia servir.
41. Sob que imagem apareceu Saint-Michel? Ele estava nu?
— Não vi coroa. Nada sei sobre suas roupas.  O senhor pensa que Deus não tem como vesti-lo?
42. Que sinais a senhora deu ao rei para provar que vinha a mando de Deus?
- Disse que havia se encontrado disfarçado na casa da duquesa de Bourgogne.
Resposta correta: Sempre disse aos senhores que a esse respeito nada saberiam através de minha boca; vão perguntar a ele.
43.  Saint-Michel possuía asas?
Sim, possui asas, conforme as pinturas da igreja.
Resposta correta: Já disse o que sei; não responderei mais nada. Vi tão bem Saint-Michel e essas santas que sei que são santos do paraíso.
44.  Dentro dos bens da graça de Deus o anjo nunca a abandonou?
— Como poderia ele ter me abandonado já que a cada dia ele me consola e me encoraja, através de Sainte-Catherine e Sainte-Marguerite.
45. Elas vêm sem que a senhora as chame?
— Vêm freqüentemente sem serem chamadas; porém, algumas vezes, quando não chegam tão rápido quanto eu gostaria, rogo a Deus para me enviá-las.

4° fase do interrogatório de Joana D'arc (Questões 46 à 50):
46. — A senhora acha que agiu bem partindo sem avisar seus pais? Sabe que devemos honrar pai e mãe?
- Sim, pois devo obedecer a Deus acima de tudo.
Resposta correta: Sempre obedeci aos dois, salvo dessa vez, porém, desde minha partida, eu lhes escrevi e eles me perdoaram.
47.  A senhora acha que Deus seja justo deixando perecer inocentes?
— Tudo o que Ele faz é bem feito.
48. A senhora beijou Sainte-Catherine e Sainte-Marguerite?
Não, isto elas não permitiram.
Resposta correta: Sim, as duas.
49. Deus odeia os ingleses?
- Sim, por isto pediu para que os expulsassem da França.
Resposta correta: Não sei do amor nem do ódio de Deus pela alma dos ingleses, mas sei que eles serão expulsos da França, salvo aqueles que morrerem em nosso solo, e que Deus enviará a vitória aos franceses.
50. Deus era a favor dos ingleses quando eles prosperavam na França?
- Não sei se Ele odiava os franceses, creio porém que se permitiu que eles fossem vencidos foi por causa de seus pecados.


(*): Esta pergunta foi elaborada por mim, não contém no livro, existe somente a resposta.
Obs.: As perguntas e respostas de cada fase do interrogatório não foram feitas exatamente, num mesmo dia; as fases não tem nenhuma relação com o dia exato do interrogatório, pois durou quatro semanas.
Chave de correção para o Evangelizador (respostas falsas): 1°fase: 4, 6, 7, 10, 13; 2°fase: 21, 23, 25, 27, 33; 3° fase: 38, 39, 40, 42, 43; 4°fase: 46, 48, 49.


Comentário: Cerca de cem acusadores participaram de seu julgamento e os interrogatórios duraram quatro semanas. Acabou condenada por duas razões: para o júri, usar roupas masculinas era inadmissível para uma mulher e, bem, as tais vozes não seriam coisa de Deus, mas sim do próprio demônio. (https://www.bbc.com/portuguese/internacional-52670840)
(Baseada no livro: A história de Joana D' arc ditada por ela mesma.  Psicografia de  Ermance Dufaux - Médium de Allan Kardec. Obs.: Todas as perguntas e respostas foram retiradas deste livro)

Passatempo Espírita © 2013 - 2021. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode