Com um beijo

“E logo que chegou, aproximou-se Dele e disse-lhe: — Rabi, Rabi. E beijou-O”. — (Marcos, 14:45)

 

 Ninguém pode turvar a fonte doce da afetividade em que todas as criaturas se dessedentam sobre o mundo.

 A amizade é a sombra amiga da árvore do amor fraterno.  Ao bálsamo de sua suavidade, o tormento das paixões atenua os rigores ásperos.  É pela realidade do amor que todas as forças celestes trabalham.

 Com isso, reconhecemos as manifestações de fraternidade como revelações dos traços sublimes da criatura.

 Um homem estranho à menor expressão de afeto é um ser profundamente desventurado.  Mas, aprendiz algum deve olvidar quanta vigilância é indispensável nesse capítulo.

 Jesus, nas horas derradeiras, deixa uma lição aos discípulos do futuro.

 Não são os inimigos declarados de Sua Missão Divina que vêm buscá-Lo em Gethsemani. É um companheiro amado.  Não é chamado à angústia da traição com violência. Sente-se envolvido na grande amargura por um beijo.  O Senhor conhecia a realidade amarga. Conhecera previamente a defecção de Judas: “É assim que me entregas”? — falou ao discípulo. O companheiro frágil perturba-se e treme.

 E a lição ficou gravada no Evangelho, em silêncio, atravessando os séculos.

É interessante que não se veja um sacerdote do templo, adversário franco de Cristo, afrontando-lhe o olhar sereno ao lado das oliveiras contemplativas.

 É um amigo que lhe traz o veneno amargo.

 Não devemos comentar o quadro, em vista de que, quase todos nós, temos sido frágeis, mais que Judas, mas não podemos esquecer que o Mestre foi traído com um beijo.

(Alma e Luz. Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)