Círculos intercessórios

“Ajudando-nos também vós com orações por nós, para que pela mercê, que por muitas pessoas nos foi feita, por muitas também sejam dadas graças a nosso respeito.” — PAULO (2 Coríntios, 1.11)

 

 O mal empreende o ataque, o bem organiza a defesa.  O primeiro, movimenta a agressão, estabelece o terror, espalha ruínas.  O segundo mobiliza o direito, cria energias novas, eleva sentimentos e consciências.

 Os povos pacíficos da atualidade encontram problemas de solução imediata, cuja equação requer ânimo sadio.  Como interpretar o assédio da força?  Como receber as novas modalidades de tirania?

 O ataque do mal vem à sombra da noite, o golpe traiçoeiro não espera declarações diplomáticas, nem a invasão generalizada obedece a protocolos políticos.

 Muitas nações mantiveram-se à margem dos grandes conflitos, guardando a neutralidade e as tradições do direito internacional.

 Nem por isso, todavia, tornaram-se respeitadas.

 A onda de barbarismo envolve países, coletividades, continentes.

 É necessário que o bem organize a defesa.

 Muita gente pergunta: — Combater por quê? Estamos com Jesus que ensinou o bem e a paz. Entretanto, é indispensável não esquecer que existem padrões de pacifismo e padrões de passividade.

 O Mestre é o Príncipe da Paz. Contudo, é imprescindível raciocinar quanto ao que seria o cristianismo se Jesus houvesse entrado em acordo com os fariseus do templo…

 A batalha do Calvário iniciou o movimento de defesa do Evangelho.  Continuaram, então, as batalhas cristãs, desde os circos romanos até aos campos sangrentos da atualidade.

 Eis que o Brasil, generoso e pacífico, foi convocado às lutas da defesa.  

 Nesta hora grave, recordemos a exortação confiante de Paulo: — “Fundemos círculos intercessórios para a cooperação ativa junto às vanguardas vigilantes.”

 Organizemos ligas de orações nos templos, nas instituições e nos lares, comparecendo, espiritualmente no esforço defensivo, auxiliando também nós, no valoroso combate do bem.

Mensagem psicografada na época da II Grande Guerra. —  Nota da Editora .

(Alma e Luz. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)