Assunto de tentação

Deseja você saber,
Meu caro Joaquim Frazão,
De que maneira vencer
A força da tentação.

Quero crer que você pensa
Que a morte, em si, nos ajeita
Para viver entre os anjos
Em paz na vida perfeita.

No entanto, não é assim...
A pessoa unicamente
Prossegue desencarnada
Em dimensão diferente.

Aí começa o conflito
Em que ainda me concentro:
Por fora, é muita mudança
E nós, os mesmos por dentro.

Nesses instantes, a sós,
Contamos, na revisão,
O tempo que se perdeu
Nos dias de provação...

Quanta vitória às avessas
Entre sonhos em falência!
Quantos erros praticados
Por falta de paciência!...

Triunfo em nós e por nós
Exige, em linhas gerais,
A decisão de servir
Aguentando sempre mais.

A tentação me parece
Gênio mau em nosso peito,
Quer vantagem sem trabalho,
Quer desejo satisfeito.

Reclama prêmios em tudo,
Tem ânsias de dominar,
Quando está junto dos outros
Quer o primeiro lugar.

Não consegue perceber
Se fere ou se grita em vão,
Em lucro, posse ou poder
Quer a parte do leão.

Em razão disso, meu caro,
Na tentação, não a tente;
Muito mais vale humilhar-se
Que agir desastradamente.

Se alguém lhe agita a cabeça
Mesmo estando quase louco,
Use calma e tolerância,
Silencie mais um pouco.

Se a questão é sentimento,
Fique firme no dever,
Domínio próprio é lição
Que nos compete aprender.

Injúrias, lutas, pedradas,
Dor que pareça sem fim?
Se você busca vencer,
Trabalhe e aguente, Joaquim.
(Baú de casos. Cornélio Pires. Psicografado por Chico Xavier)

Passatempo Espírita © 2013 - 2021. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode