Amor e renúncia

        O manto da noite caía de leve sobre a paisagem de Cafarnaum   e Jesus, depois de uma das grandes assembleias populares do lago,   se recolhia à casa de Pedro em companhia do apóstolo. Com a sua palavra divina havia tecido luminosos comentários em torno dos mandamentos de Moisés; Simão, no entanto, ia pensativo como se guardasse uma dúvida no coração.
        Inquirido com bondade pelo Mestre, o apóstolo esclareceu:
        — Senhor, em face dos vossos ensinamentos, como deveremos interpretar a vossa primeira manifestação, transformando a água em vinho, nas bodas de Caná?  Não se tratava de uma festa mundana? O vinho não iria cooperar para o desenvolvimento da embriaguez e da gula?
        Jesus compreendeu o alcance da interpelação e sorriu.
        — Simão, — disse ele, — conheces a alegria de servir a um amigo?
        Pedro não respondeu, pelo que o Mestre continuou:
        — As bodas de Caná foram um símbolo da nossa união na Terra. O vinho, ali, foi bem o da alegria com que desejo selar a existência do Reino de Deus nos corações. Estou com os meus amigos e amo-os a todos. Os afetos dalma, Simão, são laços misteriosos que nos conduzem a Deus.  Saibamos santificar a nossa afeição, proporcionando aos nossos amigos o máximo da alegria; seja o nosso coração uma sala iluminada onde eles se sintam tranquilos e ditosos. Tenhamos sempre júbilos novos que os reconfortem, nunca contaminemos a fonte de sua simpatia com a sombra dos pesares! As mais belas horas da vida são as que empregamos em amá-los, enriquecendo-lhes as satisfações íntimas.
        Contudo, Simão Pedro, manifestando a estranheza que aquelas advertências lhe causavam, interpelou ainda o Mestre, com certa timidez:
        — E como deveremos proceder quando os amigos não nos entendam, ou quando nos retribuam com ingratidão?
        Jesus pôs nele o olhar lúcido e respondeu:
        — Pedro, o amor verdadeiro e sincero nunca espera recompensas. A renúncia é o seu ponto de apoio, como o ato de dar é a essência de sua vida. A capacidade de sentir grandes afeições já é em si mesma um tesouro.  A compreensão de um amigo deve ser para nós a maior recompensa. Todavia, quando a luz do entendimento tarde no espírito daqueles a quem amamos, devemos lembrar-nos de que temos a sagrada compreensão de Deus, que nos conhece os propósitos mais puros.         Ainda que todos os nossos amigos do mundo se convertessem, um dia, em nossos adversários, ou mesmo em nossos algozes, jamais nos poderiam privar da alegria infinita de lhes haver dado alguma coisa!...
        E com o olhar agora absorto na paisagem crepuscular, onde vibravam sutis harmonias, Jesus ponderou, profeticamente:         — O vinho de Caná poderá transformar-se, um dia, no vinagre da amargura;  contudo, sentirei, mesmo assim, júbilo em sorvê-lo, por minha dedicação aos que vim buscar para o amor do Todo-Poderoso.
        Simão Pedro, ante a argumentação consoladora e amiga do Mestre, dissipou as suas derradeiras dúvidas, enquanto a noite se apoderava do ambiente, ocultando o conjunto das coisas no seu leque imenso de sombras.
(Boa Nova. Amor e renúncia.  Espírito Humberto de Campos. Psicografado por Chico Xavier)

Passatempo Espírita © 2013 - 2022. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode