Agradecer para servir

  Agradece, alma querida e boa,

  Ao Doador das Luzes e dos Bens

  Os dotes naturais que te amparam a vida

  E as concessões que tens.

 

  Observa a palavra

  Em que a força do verbo se te fez,

  Quando existe no mundo tanta gente

  Em penosa mudez.


  Contempla as próprias mãos que podem trabalhar

  Em toda atividade nobre e amiga,

  Quando se enxerga, em toda parte,

  Tanta mão que mendiga.


  Reflete nos teus olhos,

  Dos quais a luz é a doce companheira,

  Quando tantos irmãos vemos na Terra

  Suportando a cegueira.


  Toca o cérebro claro

  Em que o discernimento se te apura

  E lembra a multidão dos companheiros

  Nos desvãos da loucura.

 

  Certamente, alma boa,

  Deus, o Dispensador dos Recursos Supremos,

  Não tem culpa do pranto que há na estrada

  Que nós mesmos fazemos.

 

  Saibamos, entretanto, agradecer

  Os tesouros e dons de que nos faz dispor,

  A fim de que saibamos levantar

  A grandeza da Vida e a redenção do Amor.

 

(Chico Xavier pede licença.  Espírito Maria Dolores. Psicografado por Chico Xavier / J. Herculano Pires)