A sua natureza de ser

    Um homem, ao se aproximar do rio Ganges, notou um ancião que tomava banho em suas águas e realizava suas orações.
    O ancião interrompeu o que estava fazendo ao perceber um escorpião que vinha em sua direção trazido pela correnteza do rio.
    O animal, apesar de seus esforços, estava se afogando.
    O ancião rapidamente se aproximou do escorpião e o pegou em suas mãos, retirando-o das águas.
    Imediatamente após ter sido pego, o escorpião picou a mão do ancião, que o deixou cair nas águas do rio.
    Novamente, o ancião retirou-o das águas e novamente o escorpião o picou, caindo no rio.
    Pela terceira vez, o ancião pegou o escorpião das águas do rio e pela terceira vez o escorpião o picou, caindo no rio.
    Quando ia pegar o escorpião pela quarta vez, o homem que a tudo assistira, já irritado com o ancião, interrompeu-o dizendo:
    - Ó ancião, por que você continua a retirar da água esse escorpião que sempre em agradecimento lhe dá uma ferroada?
    - Meu jovem, respondeu o ancião, se esse escorpião não abdica de sua natureza de ser escorpião, mesmo colocando em risco sua própria vida, por que eu deveria abdicar da minha natureza de ser amor?

(Autor desconhecido)

Passatempo Espírita © 2013 - 2021. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode