Trocando de Roupinha

        Julieta era uma menina muito curiosa. Vivia perguntando à mamãe sobre tudo.

        - Mamãe, por que uns nascem ricos e outros pobres? Por que alguns são doentinhos e outros não?

        - Vem comigo, Julieta – e levou a filha para perto do guarda-roupas.

        - O que isso tem haver com as perguntas que eu fiz para a senhora?

        - Vou lhe mostrar - disse Dona Edinalva, abrindo o armário.

        E apontando para as roupas de Julieta que estavam dependuradas, começou a explicar:

        - Se eu disser, filhinha, que vamos passear e o dia estiver muito frio, mas muito frio mesmo, o que você vai vestir?

        - Eu visto alguma roupa bem quentinha

        Dona Edinalva pegou então uma blusinha bem fresquinha de Julieta.

        - Essa roupa aqui serve?

        - Não, mamãe. Tem que ser roupa de frio...

        Dona Edinalva pegou uma blusa de lã bem quentinha.

        - Essa serve?

        - Ah, sim! Essa serve se o tempo estiver bem frio.

        Dona Edinalva pegou um vestido de festa de Julieta e perguntou:

        - E essa, serve para nadar?

        - Não, mamãe! Essa não!

        Dona Edinalva pegou a roupa de banho de Julieta.

        - E essa?

        - Ah, sim! Essa serve para nadar...

        Ainda com a roupa de banho na mão, ela perguntou:

        - E se formos a um aniversário à noite, de uma de suas amiguinhas, essa roupa serve?

        - Não, mamãe! Tem que ser essa... – disse Julieta pegando o vestidinho de festa que a mamãe tinha colocado no armário.

        - Muito bem, filha! – disse a mamãe.

        - Mas o que isso tem haver com as perguntas, mamãe?

        - Ora minha filha, veja seu corpinho ali no espelho. Seus cabelinhos, seus olhinhos, seus bracinhos... Tudo isso é uma roupinha do espírito, sabia?

        - Roupinha?

        - Sim. Lembra lá nas aulinhas de Evangelização? Você aprendeu que nós somos todos espíritos e que o espírito nunca morre, não é?

        - Pois é. E o corpo é a roupa que o espírito precisa vestir para encarnar. E cada corpinho é uma roupinha especial para as necessidades de cada pessoa. Do mesmo modo que você pode trocar a roupinha conforme o tempo e conforme a necessidade, o espírito troca de corpinho conforme precisa. Por isso é que tem tantas diferenças entre as pessoas: é por causa da necessidade de cada um.

        - Mas mãe, algumas pessoas têm o corpinho doente. Isso é castigo de Deus, então?

        - Não filhinha! É apenas o corpinho necessário ao aprendizado do espírito nesta encarnação. Com a reencarnação, o espírito troca de corpo, assim como você troca de roupa. Só porque ele tem o corpinho doente nesta vida, não quer dizer que vai ficar assim para sempre. Quando for necessário, ele trocará de corpinho!

        - Nossa!

        - E tem mais, filha. Essa roupinha, que é o corpo físico, é uma roupinha emprestada por Deus. Então, temos que cuidar muito bem dele. O que você acha quando alguém te pede emprestada alguma coisa e te devolve ela toda quebrada?

        - Eu fico triste, mãe. Fica parecendo que a pessoa que pediu emprestado nem ligou! Não tem responsabilidade.

        - Pois é! Por isso, temos que devolver o corpinho para Deus no melhor estado possível, não é?

        - Então mamãe, um dia, eu também vou trocar de corpinho?

        - Todos nós, querida. Todos nós aqui no plano físico, nascemos, vivemos, envelhecemos, desencarnamos, vamos para o plano espiritual e depois nascemos novamente em outro corpinho. É a reencarnação! 

 

(Fonte: http://peloscaminhosdaevangelizacao.blogspot.com.br/2012_04_01_archive.html)