Processos cármicos

Por que a criança sofre?

"Que dizer, enfim, dessas crianças que morrem em tenra idade e da vida só conheceram sofrimentos? Problemas são esses que ainda nenhuma filosofia pode resolver, anomalias que nenhuma religião pôde justificar e que seriam a negação da bondade, da justiça e da providência de Deus, se se verificasse a hipótese de ser criada a alma ao mesmo tempo que o corpo e de estar a sua sorte irrevogavelmente determinada após a permanência de alguns instantes na Terra," Allan Kardec "O Evangelho Segundo o Espiritismo" - Capítulo V, item 6.

Diante dos sofrimentos infantis, é comum que as pessoas comentem "que as crianças não deveriam sofrer," alegam que são inocentes, indefesas, etc. Ao se defrontarem, nos hospitais, com crianças enfermas, portadoras de doenças incuráveis, passando por dores e dificuldades, ou vivendo na própria família a situação de um filho enfermo, não são poucos aqueles que se revoltam contra Deus, culpando-O e tentando, de alguma maneira, entender as causas dessas provações.

Realmente, o coração se confrange frente a recém-nascidos enfermos, às vezes portadores de graves deficiências, ou de crianças com mais idade cuja vida é um verdadeiro calvário de dor.

Por outro lado, encontramos crianças que desde o berço sofrem maus-tratos dos pais ou responsáveis.

Crianças torturadas por adultos; crianças vítimas de agressões físicas e psicológicas; crianças relegadas ao abandono, obrigadas a mendigar pelo pão de cada dia; crianças levadas aos vícios por adultos pervertidos; crianças obrigadas a trabalho escravo - enfim, triste é o quadro de tais sofrimentos infantis. Para arrematar este panorama, crianças que morrem cedo e, conforme a opinião de muitos, prematuramente. Morrem como avezinhas frágeis que as misérias físicas, morais, sociais e espirituais atingem de maneira fatal.

Indagações surgem: Fatalidade? Azar?

Castigo de Deus? Injustiça e crueldade divinas? A maioria dessas perguntas segue sem resposta pela vida afora, visto que as religiões não têm como explicar, de forma profunda e lógica, o que realmente ocorre e por que ocorre. Como também os psicólogos, psiquiatras, sociólogos, etc. em que pese ao respeito que nos merecem e reconhecendo quanto têm ajudado a minorar os conflitos humanos, esbarram em pontos enigmáticos, difíceis de serem compreendidos e explicados.

Não admitindo a existência de Deus, do espírito, da reencarnação, da Lei de Causa e Efeito, do livre-arbítrio, faltam a todas essas pessoas e credos religiosos os recursos para um entendimento maior acerca do sentido da vida.

Como já foi dito, a criança é um espírito reencarnado; este conhecimento modifica toda a visão da vida terrena, aclarando as causas das lutas, dos sofrimentos, dos relacionamentos, o motivo dos desencontros entre as pessoas, as desigualdades intelectuais, morais, sociais, o porquê dos poucos instantes de felicidade que os seres humanos desfrutam, enfim, uma visão inteiramente nova acerca do mundo e do próprio Universo. Tudo isto remete a criatura a algo verdadeiramente notável e fundamental para seu crescimento, a descoberta de Deus, como Pai misericordioso, onipotente, mas, acima de tudo, a perfeita justiça e bondade.

No livro "Entre a Terra e o Céu", (Entre a Terra e o Céu,André Luiz) André Luiz apresenta o caso Júlio, que esclarece bastante quanto à questão do sofrimento e à necessidade da reencarnação.

Vejamos, em síntese, alguns pontos desse interessante relato.

Júlio era o filho caçula do ferroviário Amaro e sua esposa, Odila. Esta desencarnou, deixando-o com a filha adolescente, Evelina, e o pequeno Júlio. Ao fim de algum tempo, Amaro casa-se com Zulmira. Esta tem dificuldade de se relacionar com os filhos do primeiro casamento de Amaro, especialmente com o menino, muito ligado ao pai, que lhe dedicava muito carinho e atenção. Vendo-os juntos, a madrasta passa a ter ciúmes do enteado, imaginando que, se ele morresse, teria o marido para si, não tendo que dividi-lo com mais ninguém, já que Evelina era muito retraída e não lhe dava trabalhos.

Num passeio à praia, Zulmira descuida-se, propositadamente, do garoto, então com oito anos, e este acaba morrendo afogado. No último instante, ela se arrepende, mas já era tarde. Presa de remorsos, ela adoece, pois o marido, por sua vez, distancia-se dela, julgando-a relaxada e cruel com os filhos. Entretanto, Júlio trazia consigo a morte prematura no quadro de provações. Era um suicida reencarnado ... "

São esclarecimentos de Clarêncio, instrutor espiritual de André Luiz, na obra citada.

Júlio, espírito, é imediatamente amparado e levado para uma instituição, no plano espiritual, o "Lar da Bênção", importante colônia educativa, misto de escola de mães e domicílio de pequeninos que regressam da esfera carnal.

O menino apresentava um quadro de sofrimento e, por isso, necessitava de atendimento especial, tendo sido entregue aos cuidados de Blandina, espírito detentor de expressivos méritos, que o acolheu em seu próprio lar.

Júlio tinha poucos momentos de tranqüilidade: chorava, inquieto, sentia dores na garganta, onde se localizava uma extensa ferida. Clarêncio, visitando-o para inteirar-se de seu estado, aplica-lhe passes anestesiantes que proporcionam grande alívio ao pequeno enfermo.

Por outro lado, Odila, tomada de ciúmes da nova esposa de Amaro e julgando-a culpada pela morte do filho, passa a obsidiá-la, de forma muito intensa, o que agrava o estado físico e psíquico de Zulmira. No seu desvario, a primeira esposa do ferroviário não se dava conta de que, nesse processo de vingança contra aquela que julgava sua rival e assassina, se distanciava do filho. Após várias providências dos Benfeitores Espirituais, visando à reaproximação e envolvendo o pequeno grupo de encarnados e desencarnados ligados aos acima mencionados, Odila desperta para a realidade e modifica inteiramente o seu modo de pensar e agir, sendo então levada até o lar de Blandina, ocorrendo assim o seu reencontro com o filho querido. Embora a presença da mãe, este não apresentava melhoras significativas, não se livrara de seu sofrimento na região da glote. É esclarecido que Júlio, em anterior existência, vivida em Assunção após uma desilusão amorosa, ingeriu grande dose de corrosivo, tendo sobrevivido por alguns dias; porém, não suportando as dores que o atormentavam, embededou-se e jogou-se no rio Paraguai, terminando assim a vida física. Renascera, posteriormente, como filho daqueles aos quais estava vinculado espiritualmente, Amaro e Odila, mas, em razão dos seus graves comprometimentos, teria um período curto no plano físico, desencarnando, portanto, por afogamento no mar.

Sabemos que o suicídio acarreta dolorosas conseqüências. De volta à esfera espiritual, Júlio ressente-se ainda das feridas na garganta e no esôfago, por ter ingerido o corrosivo, lesões estas que sulcaram o seu perispírito, gerando profunda distonia vibratória. Os instrutores espirituais, diante de seu sofrimento, elucidaram que a única maneira de curá-lo seria o retorno ao plano terreno em um novo corpo. Seria novamente filho de Amaro, mas sua mãe seria Zulmira, visto estarem os três enredados e comprometidos naquela anterior existência.

Júlio retorna ao cenário terrestre. Seu novo corpo expressa as lesões resultantes do suicídio, mas é o abençoado dreno de suas energias ainda em desequilíbrio, agindo como escoadouro dos débitos do passado. A sua vida física é curta e ele desencarna em decorrência das seqüelas pretéritas. Mas, na espiritualidade, Júlio se vê finalmente livre das injunções cármicas que contraíra. A partir daí, está em condições de retomar a sua caminhada evolutiva. Novamente reencarna, no mesmo lar e com os mesmos pais anteriores, entretanto recomeça muito melhor, com novas esperanças e perspectivas de mais próxima felicidade. Os envolvidos na trama do pretérito estão agora rearmonizados.

Pode-se observar no caso Júlio dois pontos básicos: as vinculações criadas a partir dos desatinos cometidos na última encarnação desse pequeno grupo de espíritos e, também, que somente através do retorno ao plano físico conseguiriam alcançar a necessária reparação perante as leis divinas e a reconstrução das próprias vidas.

As leis de Deus são perfeitas e equânimes para todos os seres e coisas que povoam e preenchem o Universo. Os sofrimentos são inerentes ao nosso estágio evolutivo, o que vale dizer que ninguém é inocente ou isento de falhas, deficiências e culpas.

A criança sofre porque, na realidade, é um espírito multimilenar reencarnado, com nova roupagem física, mas que traz do passado a sua história pessoal, a refletir-se no hoje.

Allan Kardec ensina:

"O homem, pois, nem sempre é punido, ou punido completamente, na sua existência atual, mas não escapa nunca às conseqüências de suas faltas. ( ... ) Rendamos graças a Deus, que, em sua bondade, faculta ao homem reparar seus erros e não o condena irrevogavelmente por uma primeira falta". (ESE, cap. V, itens 6 e 8) (Allan Kardec, O Evangelho Segundo o Espiritismo)

(Mediunidade e Obsessão em crianças. Suely Caldas Schubert)