Piedade e oração

[“…e cada um de vós exercite com seu irmão obras de misericórdia e piedade.” — Zacarias 7.9]

 

 Usa a lente milagrosa da piedade e a vida que te rodeia assumirá característicos e aspectos diferentes.

 Repara com isenção de ânimo quem atravessa conosco a mesma senda e teremos, quase sempre, a necessidade do amor em todos os lugares onde experimentávamos a lâmina da crítica.

 Ali, observarás o amigo que se enriqueceu de ouro amoedado, empobrecendo-se de alegria.

 Além, contemplarás o irmão que adquiriu autoridade, comprando extremas desilusões para si próprio.

 Acolá, notarás a presença de alguém que se exorna com títulos veneráveis na convenção humana, suportando no peito um coração desesperado.

 Esse julga-se poderoso, e amanhã restituirá o corpo às cinzas…

 Aquele supõe-se herói, ignorando que a enfermidade lhe rói o pedestal.

 Aquele outro presume-se na posse da mocidade e do prazer, mal sabendo que a morte o espera amanhã.

 Aqui, tateamos vestes douradas, acobertando dolorosas feridas…

 Adiante, surpreendemos sorrisos encantadores ocultando lágrimas angustiosas…

 Piedade para os outros! Piedade para nós mesmos!

 Somos todos tutelados do Cristo em aflitivas tarefas de reajuste.

 A miséria é simples ignorância.

 Cada qual de nós pisa o seu degrau de necessidade, inquietude, incerteza e inibição.

 Mas, se cultivamos a prece da boa vontade, uns para com os outros, o caminho se fará menos árido, porque, levantando pensamentos e ideais, cérebro e coração, palavras e braços no serviço da compreensão fraterna e do auxílio mútuo, pela piedade bem sentida e bem vivida, construiremos seguro atalho no imensurável espinheiro de nossas dores para o acesso definitivo à Felicidade Imortal.

 ( Refúgio. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)