Os pais

— Dize-me, bela Angelina,

Com teus dotes naturais:

Como interpretas teus pais,

Minha galante menina?

 

 — Meus pais, amiga querida,

São estrelas de amor,

Que Jesus, Nosso Senhor,

Me concedeu para a vida.

 

 Amigos, como ninguém,

Conduzem-me ao bom caminho

E ensinam-me, com carinho,

O amor, a verdade e o bem.

 

 No lar, que é o meu doce abrigo,

São meus ternos protetores;

Bondosos, encantadores,

Nunca se cansam comigo.

 

 Meus pais, em verdade, são

Meus anjos bons contra o mal!…

Mas… que dizes, afinal,

De minha definição?

 

 — Disseste bem, Angelina,

Nossos pais e companheiros

São sublimes mensageiros

Da Providência Divina.

(Jardim da Infância. João de Deus. Psicografado por Chico Xavier)