Os irmãos Miguel e João

         Miguel e João são irmãos gêmeos. Embora sejam muito parecidos fisicamente - só seus pais conseguem diferenciar um do outro - eles costumam ter atitudes muito diferentes no dia-a-dia.

         Miguel está sempre reclamando e é mal-humorado, enquanto João está sempre sorrindo, de bem com a vida. No último Natal, cada um dos meninos ganhou uma linda bicicleta. Miguel, porém, reclamou da cor do presente.

         João adora estudar e sempre tira boas notas, e Miguel não gosta de estudar, está sempre reclamando das provas e dos professores. Enquanto João tem muitos amigos, Miguel muitas vezes se sente solitário, sem ter com quem brincar. João sempre chama o irmão para participar das brincadeiras, mas, muitas vezes, Miguel acaba brigando com as outras crianças, estragando a brincadeira.

         Os dois irmãos costumam agir de maneira diferente também frente aos problemas. Miguel reclama de qualquer coisa, acha tudo difícil, e tem dificuldade em compreender as provas que a vida lhe apresenta. João não tem o hábito de reclamar e sempre procura se esforçar para encarar os problemas como oportunidades de aprender coisas novas.

         Outro dia, os dois irmãos compraram um jogo para brincar no computador e o jogo não funcionou. Miguel ficou furioso, reclamou por vários dias. João ficou chateado, mas logo ligou para o vendedor e pediu que ele providenciasse a troca do jogo com defeito.

         João gosta muito de seus pais e de seu irmão. Ele aproveita o tempo com os pais para contar as novidades da escola e jogar bola com o pai. Miguel tem vergonha de seus pais, em especial de sua mãe, que costuma alertar o filho acerca de suas atitudes erradas, na tentativa de que ele entenda melhor a Lei de Causa e Efeito e compreenda que reclamar de nada adianta.

         Muitos se perguntam por que os irmãos, apesar de gêmeos, são tão diferentes. A Doutrina Espírita esclarece que cada um deles é um Espírito único, em evolução. Ambos foram criados por Deus e possuem a mesma finalidade - a perfeição. Todos os Espíritos criados por Deus, que é justo e sábio, irão alcançar a perfeição, em mais ou menos tempo, conforme os esforços que empreguem.

         Provavelmente, os dois irmãos reencarnaram na mesma família para se ajudarem, aprendendo com os erros e acertos um do outro. A caminhada rumo à perfeição é individual e vai depender do bom uso que cada um fizer do seu livre-arbítrio, escolhendo a resignação, a caridade, a paciência, o perdão e o amor.

         Miguel, porém, ainda não compreendeu que a reencarnação é uma preciosa oportunidade de aprendizado e superação das dificuldades, enquanto João já aprendeu a aproveitar as situações que a vida lhe apresenta para escolher o bom caminho, espalhando otimismo, alegria e esperança.

         A evolução é o caminho que todos trilhamos. As escolhas diárias dos pensamentos, palavras e ações que realizamos é que determinam a velocidade desta caminhada. A Doutrina Espírita serve como luz, a iluminar a estrada, ajudando a escolher com base na lei de amor ensinada e exemplificada por Jesus.

(Claudia Schmidt)