O Universo

        Certa noite, André e seu pai, Sr. José, saíram para passear. Fazia muito calor e eles resolveram aproveitar a noite estrelada, para conversar na praça.

        - Olhe, André, quantas estrelas podemos ver esta noite!

        - É mesmo, papai! Que lindo céu! Sabe pai, minha professora disse que existem vários planetas além da Terra.

        - É verdade, André. O Universo é muito grande, é infinito e nele existem vários planeta.

        - Todos são iguais à Terra?

        - Não, pelo que os cientistas já descobriram, eles são diferentes: alguns são maiores, outros menores, em alguns faz muito frio, em outros muito calor.

        - Olhe pai, como a Lua está bonita hoje, como brilha!

        - Olhando assim parece que ela esta perto, não é? Mas ela e todos os outros planetas, estão a milhares de quilômetros de distância da Terra. Para chegarmos lá, precisamos até de foguete.

        - Como é longe, pai!  Será que existem outras pessoas morando nesses mundos?

        - Claro que sim meu filho! Deus não criaria um Universo tão grande, repleto de planetas e estrelas, para ser habitado so por nós. Além disso, você lembra do evangelho da semana passada, onde falamos sobre os vários mundos? Os mundos Primitivos, o de Expiação e Provas ( Terra), os de Regeneração, os Felizes e os Celestes? Portanto, podemos deduzir que no Universo existem vários Espíritos, em estágio diferentes, que moram em mundos diferentes.

        - Eu queria reencarnar lá no Mundo Celeste. Já pensou que bom morar num mundo onde todos são bons, amigos, onde ninguém fica doente, ninguém é pobre? Ah! Que alegria seria!

        - Com certeza deve ser uma beleza, mas não se esqueça que lá só moram os que já aprenderam ser bons, amar e que ter o coração puro de verade. Isso demora um pouco.

        - Como posso ter o coração  puro de verdade?

        - Ajudando nossos irmãozinhos, colegas da escola, a mamãe, o papai, querendo-os bem de verdade, isto é sem bater, beliscar, esconder os brinquedos.

        - Entendi, papai!

        André abraçou seu pai e os dois ficaram assim por muito tempo, olhando par ao céu e imaginando como seria a vida nestes outros mundos; imaginando a grandeza e bondade de Deus, capaz de criar algo tão belo e tão harmonioso como o Universo.

(Livro: Brincando e Aprendendo o Espiritismo - Volume 1)