O farmacêutico ateu

        Conta um articulista que um farmacêutico se dizia ateu e vangloriava-se de seu ateísmo. Deus, com certeza, deveria ser uma quimera, uma dessas fantasias para enganar a pessoas incautas e menos letradas.  Talvez alguns mais desesperados que necessitassem de consolo e esperança.

        Um dia, no quase crepúsculo, uma garotinha adentrou sua farmácia. Era loira, de tranças e trazia um semblante preocupado. Estendeu uma receita médica e pediu que a preparasse.   O farmacêutico, embora ateu, era homem sensível e emocionou-se ao verificar o sofrimento daquela pequena, que, enquanto ele se dispunha a preparar a fórmula, assim se expressava:  Prepare logo, moço, o médico disse que minha mãe precisa com urgência dessa medicação.  Com habilidade, pois era muito bom em seu ofício, o farmacêutico preparou a fórmula, recebeu o pagamento e entregou o embrulho para a menina, que saiu apressada, quase a correr.   Retornou o profissional para as suas prateleiras e preparou-se para recolocar nos seus lugares os vidros dos quais retirara os ingredientes para aviar a receita.   É quando se dá conta, estarrecido, que cometera um terrível engano. Em vez de usar uma certa substância medicamentosa, usara a dosagem de um violento veneno, capaz de causar a morte a qualquer pessoa.   As pernas bambearam. O coração bateu descompassado. Foi até a rua e olhou. Nem sinal da pequena. Onde procurá-la? O que fazer?

        De repente, como se fosse tomado de uma força misteriosa, o farmacêutico se indaga:  

        - E se Deus existir...?   Coloca a mão na fronte e roga:

         - Deus, se existes, me perdoa. Faze com que aconteça alguma coisa, qualquer coisa para que ninguém beba daquela droga que preparei. Salva-me, Deus, de cometer um assassinato involuntário.  Ainda se encontrava em oração, quando alguém aciona a campainha do balcão. Pálido, preocupado, ele vai atender.   Era a menina das tranças douradas, com os olhos cheios de lágrimas e uns cacos de vidro na mão.

        - Moço, pode preparar de novo, por favor? Tropecei, cai e derrubei o vidro. Perdi todo o remédio. Pode fazer de novo, pode?  O farmacêutico se reanima. Prepara novamente a fórmula, com todo cuidado e a entrega, dizendo que não custa nada. Ainda formula votos de saúde para a mãe da garota. 

        Desse dia em diante, o farmacêutico reformulou suas idéias. Decidiu ler e estudar a respeito do que dizia não crer e brincava.   Porque embora a sua descrença, Deus que é Pai de todos, atendeu a sua oração e lhe estendeu a Sua misericórdia.   No desdobramento de nossas experiências acabamos todos reconhecendo a presença divina. É algo muito forte em nós.   Mesmo entre pessoas consideradas de má vida, e criminosos, encontraremos vigente o conceito. "A crença em Deus nos dá segurança, com a certeza de que não estamos entregues à própria sorte. 

        É muito bom conceber que, desde sempre, antes mesmo que o conhecêssemos, Deus já cuidava de nós.

(Autor desconhecido)