O Cristo em casa

  Se desejas extinguir

  A sombra que aflige e atrasa,

  Não olvides acender

  A luz do Evangelho em casa.

 

 Quanto possível, nas horas

  De doce união no lar,

  Estende a Lição Divina

  Ao grupo familiar.

 

   Na chama viva da prece,

  O culto nobre inicia,

  Rogando discernimento

  A Eterna Sabedoria.

 

   Logo após, lê, meditando

  O Texto Renovador

  Da Boa Nova sublime,

  Que é fonte de todo o amor.

 

   Verás a tranquilidade,

  Vestida em suave brilho,

  Irradiando esperança

  Em todo o teu domicílio.

 

   Ante a palavra do Mestre,

  Generosa, clara e boa,

  A experiência na Terra

  É luta que aperfeiçoa.

 

   Mentiras da vaidade,

  Velhos crimes da avidez,

  Calúnia e maledicência

  Desaparecem de vez…

 

   Serpentes envenenadas

  Do orgulho torvo e escarninho,

  Sob o clarão da verdade,

  Esquecem-nos o caminho.

 

   Dificuldades e provas,

  Na dor amargosa e lenta,

  São recursos salvadores

  Com que o Céu nos apascenta.

 

   E o trabalho por mais rude,

  No campo de ,cada dia,

  É dádiva edificante

  Do bem que nos alivia.

 

   É que, na Bênção do Cristo,

  Clareia-se-nos a estrada

  E a nossa vida ressurge,

  Luminosa e transformada.

 

   Conduze, pois, tua casa

  À inspiração de Jesus.

  O Evangelho em tua mesa

  É pão da Divina Luz.

(Luz no lar. Casimiro Cunha. Psicografado por Chico Xavier)