O bom Samaritano

Eis que apareceu um doutor da lei, que lhe disse para o experimentar:

—  “Mestre, que hei de fazer para merecer a vida eterna?”

E Jesus lhe respondeu:

—  “O que está escrito na lei? Como tu a compreendes?”

O   doutor da lei respondeu:

— “Amarás ao Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma, de todas as tuas forças, de todo teu entendi­mento, e ao seu próximo como a ti mesmo”.

—  “Respondeste acertadamente”, disse-lhe Jesus. “Faze isso e mereceras a vida eterna”.

—  O que é a vida eterna, dona Lina? perguntamos.

—  A vida eterna é aquela que viveremos nos mundos espirituais, onde não mais passaremos pelo fenômeno da morte, como aqui na Terra. Nesses mundos a felicidade é perfeita.

Mas o doutor da lei não ficou satisfeito, e querendo desculpar-se, perguntou:

—  “E quem é o meu próximo?”

Em resposta, Jesus contou-lhe a seguinte história:

—  “Um homem viajava de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos ladrões que lhe roubaram tudo o que levava. Não contente em roubá-lo, os ladrões ainda o feriram, dei­xando-o na estrada meio morto.

Aconteceu que passou por ali um sacerdote; ouviu seus gemidos, contudo evitou-o, passando de largo.

Logo depois apareceu um levita, que o viu, mas também se arredou, deixando o pobre ferido abandonado e sangrando.

Porém um samaritano que seguia o seu caminho, chegou perto dele, e quando o viu ficou penalizado e imediatamente se pôs a cuidar dele. Tomou um pouco de azeite e de vinho e limpou-lhe as feridas, atando-as com tiras que rasgou duma peça de sua própria roupa. Em seguida, carinhosa e cuida­dosamente, colocou o desconhecido sobre o seu burrico, e levou-o a uma estalagem que havia na beira da estrada. Aco­modou-o muito bem num quarto, pagou as despesas e disse ao estalajadeiro:

—  “Trata com muita atenção deste homem, que foi feri­do por ladrões na estrada. Voltarei dentro de alguns dias e te pagarei tudo o que gastares a mais com ele”.

—  “Qual destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?”

—  “Aquele que usou de misericórdia com o tal”, res­pondeu o doutor da lei.

—  “Pois faze tu o mesmo”, ordenou-lhe Jesus.

—  Dona Lina, o que é um levita?” perguntou o João André.

— Os levitas eram os encarregados dos serviços do tem­plo, mas não eram sacerdotes.

(O Evangelho da meninada. Eliseu Rigonatti)