Na escola da alma*

Levantam-se educandários em toda a Terra.

Estabelecimentos para a instrução primária, universidades para o ensino superior.

Ao lado, porém, das instituições que visam à especialização profissional e científica, na atualidade, encontramos no templo espírita a escola da alma, ensinando a viver.

Semelhante trabalho de burilamento do espírito, porém não é novo.

Lucas, o evangelista, conta-nos que Jesus (1), num sábado em Nazaré, participou de uma assembléia de fiéis, junto da qual leu uma página de Isaias, com vistas à edificação dos ouvintes, provocando, aliás, acirrada discussão.

Mencionamos o fato para salientar os hábitos de estudo nas coletividades de então, porquanto, para citar o Cristo, à feição de mestre, basta recordar-lhe a palavra constantemente endereçada ao povo, tanto nas praças quanto nos recintos familiares, qual aconteceu na casa de Betânia. (2)

No dia de Pentecostes (3), mensageiros sublimes prevaleceram-se das faculdades medianímicas dos continuadores diretos de Jesus e falaram, em línguas diversas, instruindo a multidão sobre assuntos de espiritualidade superior.

Sabemos que um Espírito amigo se aproximou de Felipe (4) e solicitou-lhe a gentileza de encontrara caminho um alto funcionário etíope, a fim de ler em comunhão com ele certas passagens das Escrituras.

As cartas de Paulo aos cristãos de várias comunidades eram lidas (5) e trocadas para as elucidações devidas, nos centros de cultura evangélica dos tempos apostólicos.

Justo assim, que as instituições espíritas, revivendo agora o cristianismo puro, sustentem estudos sistemáticos, destinados a clarear o pensamento religioso e traçar diretrizes à vida espiritual.

Atentos à sugestão confortadora de amigos, organizamos o presente volume (6), que consubstancia, de modo leve e ligeiro, os resultados de quarenta reuniões públicas de Doutrina Espírita, nas quais examinamos, livremente, nós, os servidores desencarnados, os ensinamentos de Allan Kardec (7), juntamente de nossos companheiros encarnados. (8)

Certo, cada capítulo deixa o assunto em aberto para o exame de outros comentaristas que desejem partilhar conosco a felicidade do estudo, através do livro, de vez que, na própria palavra do apóstolo Pedro (9), verificamos que nenhum conceito da escritura é de interpretação particular.

Em apresentando, pois este livro aos companheiros do mundo, recorremos à palavra do Cristo, quando nos exorta: “conhecereis a verdade e a verdade vos fará livres”. (10)

Efetivamente, não alcançaremos a libertação verdadeira sem abolir o cativeiro da ignorância no reino do espírito. E forçoso será observar que o conhecimento é um tipo de aquisição que exige de nós caridade para conosco, porque se é possível sanar as deficiências do corpo pelas doações da beneficência, como sejam o alimento ao faminto e o remédio ao doente, a luz do espírito não se transmite nem por imposição, nem por osmose.Quem aspira entesourar os valores da própria emancipação intima à frente do Universo e da Vida, deve e precisa estudar.

 

Uberaba, 11 de fevereiro de 1965.

 

(1) Lucas, 4:16-30.

(2) Lucas, 18:38-42

(3) Atos, 2:1-4

(4) Atos, 8:26-31

(5) Colossenses, 4:16

(6) Os médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira psicografaram em reuniões públicas, as mensagens de Emmanuel e André Luiz, respectivamente, constantes deste livro, situando-se em cada capítulo, de início, a palavra de Emmanuel e em seguida a de André Luiz.

(7) As letras “E” e “L” designam, respectivamente, “O Evangelho segundo o Espiritismo” e” O Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec, seguindo-lhes os números dos itens e questões estudadas em cada reunião.

(8) A contribuição das pessoas presentes em cada reunião constituiu-se de comentários, proposições, diálogos e debates que estão indicados com a legenda “temas estudados” no frontispício de cada capítulo.

(9) II Pedro, 1:20.

(10) João, 8:32

 

(Estude e viva. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)