Moleza

 O trabalho é lei da vida

No lar, na terra, no mar…

Tudo nos pede ao caminho

Trabalhar e trabalhar.

 

 Somos nós um grupo imenso

Que Jesus guarda e comanda.

Na estatística das horas

Tudo move, tudo anda.

 

 Entre nós, porém, existe

Uma difícil doença;

Essa moléstia é a moleza

Que nasce da indiferença.

 

 Muito difícil tratá-la,

Porquanto surge na estrada,

Quando menos a esperamos.

Ei-la que nos paralisa

Nos impulsos em que estamos.

 

 Moleza não quer serviço,

Moleza não quer estudo,

Moleza não quer lição;

Moleza não quer amor,

Moleza não quer exame,

Moleza não quer apoio,

Moleza não deseja obrigação.

 

 Moleza não quer vizinho,

Moleza não quer asseio,

Moleza não quer espinho,

Moleza não quer saber,

Moleza não quer pedras no caminho.

 

 Moleza não quer amparo,

Moleza quer pensar somente em si;

Moleza não quer aborrecimento,

Moleza não quer mudança,

Moleza não quer qualquer esperança.

Moleza não quer renovar,

Moleza só estima a si própria.

Moleza não quer cooperação,

Moleza não quer tomar tempo,

Moleza não quer ajudar a ninguém.

 

 Peçamos nós ao Senhor

Que nos evite cair

Nessa doença que prejudica.

Ergamos a nossa voz

Fortalecidos na fé,

Porque em todo nível

Moleza que em nós se encosta,

Dá-nos sempre a resposta:

— Não faço, não é possível.

 (Revelação. Espírito Jair presente. Psicografado por Chico Xavier)