Mediunidade - compromisso com o bem

         Mateus adorava o primo mais velho, Antony. Mas, às vezes, achava ele um pouco esquisito, como agora, quando observa Antony falando sozinho.
         Dessa vez, Mateus não se conteve:
         - Tava falando sozinho, cara?
         - Não – respondeu calmamente o primo – estava falando com uma amiga, Clara.
         Mateus fez cara de quem não acreditou, pois não enxergava ninguém. Antony percebeu a descrença e explicou:
         - É que ela já desencarnou. O corpo físico dela morreu, mas o Espírito continua vivo.
         - E por que você vê ela e eu não? – Mateus continuava com dúvidas.
         - É que eu sou médium vidente. Médium continuou o primo, é quem se comunica com Espíritos desencarnados, ou seja, pessoas que já morreram.
         Antony percebeu o interesse de Mateus e continuou:
         - Quem enxerga os Espíritos é chamado de vidente. Mas há outros tipos de médium como aqueles que fazem curas, que apenas ouve a voz dos Espíritos, mas não enxerga, e também aqueles que psicografam mensagens, ou seja, escrevem aquilo que os Espíritos ditam. Você já ouviu falar de Chico Xavier?
         - Uma vez vi uma reportagem sobre ele na TV.
         - Chico Xavier, além de ser uma pessoa que fez o bem durante toda sua vida, foi um grande médium. Psicografou mais de 400 livros e centenas de mensagens.
         - Mensagens? Mensagens de quem? Mateus realmente se interessou sobre o assunto.
         - Mensagens de Espíritos, como Clara, que já desencarnaram. Muitos mandam notícias aos parentes e amigos, comprovando que a vida continua depois da morte do corpo físico.
         - É como quando fazemos a “brincadeira do copo”, e falamos com Espíritos, não é?
         - Isso não é uma brincadeira, é algo muito perigoso. Você sabia que assim chamam Espíritos desocupados, brincalhões e ignorantes, que podem se ligar aos participantes dessa tal “brincadeira” para intuir no caminho do mal, da preguiça, das brigas, das drogas... Ninguém devia brincar de falar com os Espíritos.
         Mateus estava prestando muita atenção:
         - Entendi – disse Mateus. Ser médium é ser alguém especial, escolhido por Deus.
         Antony sorriu e disse que desde que ele era bem pequeno via Espíritos. No começo tinha medo, mas depois foi entendendo o que estava acontecendo. Disse também que um médium não é alguém especial, mas sim uma pessoa que, antes de nascer, assumiu o compromisso de usar a mediunidade para ajudar os outros.
         Mateus achou legal ter um primo médium, mas e ele, porque não era médium também?
         - Nem todo mundo vê, fala ou ouve os Espíritos, porque nem todos têm esse compromisso. Mas pode-se dizer que todas as pessoas são médiuns, porque todos têm a oportunidade de perceber as intuições para o caminho no bem enviadas do seu anjo da guarda, seu Espírito protetor. A oração nos prepara para perceber esses conselhos tão importantes em nossa vida.
         Assim, nessa conversa, Mateus aprendeu muito sobre mediunidade. Antony prometeu emprestar ao primo um livro que conta sobre a vida de Chico Xavier para que ele entendesse que se comunicar com os Espíritos é algo sério, que exige responsabilidade, mas que também é uma das manifestações da bondade de Deus, pois permite que saibamos mais sobre os desencarnados e o Mundo Espiritual.

(Claudia Schmidt)