Marcelinho, o Astronauta

            Marcelo é um garoto de seis anos. É uma graça de garoto. Está todo feliz por começar a frequentar a escola. Seu Guilherme foi quem fez a sua matrícula. Hum... que alegria! O menino sempre quis entrar para a escola. Sabem por que? Porque o seu maior sonho é ser astronauta! Ah... que maravilha pegar um foguete e ZZUUUUMMMMMM!!!...partir e viajar pelo céu. Vestir aquela roupa enorme, com uma nave espacial. Mas contaram para Marcelo que um astronauta precisava estudar muito, por isso toda a sua alegria por entrar para a escola.

            O tempo passava, passava, e nada de mandarem o menino para uma escola de astronauta!

            - Calma meu filhinho, você precisa crescer primeiro. Todos os astronautas são grandes!

            Como Marcelinho viu que muito tempo teria que passar, resolveu construir sua própria lua e seu próprio foguete. Oh! que boa idéia, aquele carrinho velho bem poderia ser a nave espacial! Arranjou rápido uns óculos sem lentes, que não serviam mais.... pronto! Bateu palmas de contente. Agora só faltava arranjar uma lua, igualzinha à de verdade. Pegou um montão de papel branco, amassou, pegou mais uma folha, e fez a bola ir ficando grande, grande. Subiu o degrau mais alto da escada. Colocou-a no ar para ficar bem linda! Mas...que é isso? Foi rolando, rolando...

        - Minha lua! Minha lua!

           Mas ela se foi pela calçada...

        - Mãe, mãezinha, minha lua! por que ela fugiu?

        E quase chorando, contou a estória de seu sonho para a Mamãe.

        - Por que, mamãe, ela não ficou parada no ar como a do céu?

        - Ora, querido, porque quem fez a outra lua é quem pode fazer todas as coisas! Foi quem fez o mar, o céu, as estrelas, as flores e os passarinhos.

        - Deus?

        - Sim, querido Deus.

        - Minha professora, na escolinha, já me falou mesmo que Deus fez todas as coisas...

        - Pois, é, e as coisas que Ele fez são tão maravilhosas que ninguém até hoje conseguiu, e nunca conseguirá imitar.   

(Autor desconhecido)