Estendamos o bem

“Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem.” — PAULO (Romanos, 12.21)

 

 Repara que, em plena casa da Natureza, todos os elementos, em face do mal, oferecem o melhor que possuem para o reajustamento da harmonia e para a vitória do bem.

 Quando o temporal parece haver destruído toda a paisagem, congregam-se as forças divinas da vida para a obra do refazimento.

 O Sol envia luz sobre o lamaçal, curando as chagas do chão.

 O vento acaricia o arvoredo e enxuga-lhe os ramos.

 O cântico das aves substitui a voz do trovão.

 A planície recebe a enxurrada, sem revoltar-se, e converte-a em adubo precioso.

 O ar que suporta o peso das nuvens e o choque da faísca destruidora, torna à leveza e à suavidade.

 A árvore de frondes quebradas ou feridas regenera-se, em silêncio, a fim de produzir novas flores e novos frutos.

 A terra, nossa mãe comum, sofre a chuva de granizos e o banho de lodo, periodicamente mas nem por isso deixa de engrandecer o bem cada vez mais.

 Por que conservaremos, por nossa vez, o fel e o azedume do mal, na intimidade do coração? Aprendamos a receber a visita da adversidade, educando-lhe as energias para proveito da vida.

 A ignorância é apenas uma grande noite que cederá lugar ao sol da sabedoria.

 Usa o tesouro de teu amor, em todas as direções, e estendamos o bem por toda parte.

 A fonte, quando tocada de lama, jamais se dá por vencida. Acolhe os detritos no próprio seio e, continuando a fluir, transforma-os em bênçãos, no curso de suas águas que prosseguem correndo, com brandura e humildade, para benefício de todos.

(Fonte viva .Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)