Dinâmica - A incredulidade

Objetivo: Mostrar alguns malefícios  promovidos pela descrença e incentivos para manter a fé.

 Participantes:  Máximo 10 alunos.

Tempo Estimado: 20 min.

Material: Poesias escritas em papel A4.

Descrição: O Evangelizador deverá pedir para os alunos formarem duplas. Cada dupla receberá uma poesia com as estrofes fora de ordem, para tentar reescrevê-las na posição correta. As duplas que conseguirem realizar a tarefa serão as vencedoras. No entanto, o Evangelizador poderá corrigir as poesias daqueles que não tiveram êxito. E no final as duplas deverão ler a sua poesia diante da turma.

1. Vem na descrença do ateu:

    Atitude triste e cega

   O pai que a vida lhe deu.

   Parece um filho que nega,

   (Autor: Espírito Múcio Teixeira)

 

2. Que luta, pergunta e sente.

    De quem se afirma descrente

   Sempre bate um coração,

   Por baixo do orgulho vão

   (Autor: Espírito Deraldo Neville)

 

3. Em meio de gente amiga,

    Há muita crença, irmãos meus,

    Se sente dor-de-barriga.

    Que só acredita em Deus.

   (Autor: Espírito Cornélio Pires)

 

4. Não te permitas cair,

    Se a luta não for intensa.

    Em pessimismo e descrença.

    Ninguém sabe se tem fé,

    (Autor: Espírito Pedro Silva)

 

 5. Nem pares de trabalhar.

    Se te propões a vencer,

    Não te permitas descrer,

    Construir e realizar,

   (Autor: Espírito Boris Freire)

 

Ordem correta:

1. Atitude triste e cega

   Vem na descrença do ateu:

   Parece um filho que nega

  O pai que a vida lhe deu.

  (Autor: Espírito Múcio Teixeira)

 

2. Por baixo do orgulho vão

    De quem se afirma descrente

    Sempre bate um coração

    Que luta, pergunta e sente.

    (Autor: Espírito Deraldo Neville)

 

3. Há muita crença, irmãos meus,

    Em meio de gente amiga,

    Que só acredita em Deus

    Se sente dor-de-barriga.

    (Autor: Espírito Cornélio Pires)

 

4. Não te permitas cair

   Em pessimismo e descrença.

   Ninguém sabe se tem fé

   Se a luta não for intensa.

   (Autor: Espírito Pedro Silva)

 

5. Se te propões a vencer,

   Construir e realizar,

   Não te permitas descrer,

   Nem pares de trabalhar.

   (Autor: Espírito Boris Freire)

Comentário: Enquanto te esforças para viver no bem, outros procuram desanimar-te…   Afirmam que a fé é uma utopia e que Deus não existe.   Escarnecem das orientações espirituais que os Benfeitores da Vida Maior endereçam aos homens na Terra.   Criticam o teu idealismo e sorriem de tua boa vontade. (...) Certamente não puderam suportar o peso das lutas e tombaram, alvejados pelas tentações. (...) Abençoa os companheiros que se permitiram desencantar da fé, porque todos eles, embora não demonstrem, estarão sofrendo muito e, no íntimo, desejariam ser o que sempre foram. (Palavras da coragem. Companheiros de luta.  Irmão José. Psicografia de Carlos A. Baccelli )

(Poesias retiradas dos livros:1, 2 e 3. Sorrir e pensar. Estudos da fé. Psicografado por Chico Xavier / 4. Sementes de luz. Rimas do bem.  Carlos A. Baccelli e Chico Xavier /  5. Chão de flores. Rimas da esperança. Psicografado por Chico Xavier )

(Baseada em autor desconhecido)