Dever e liberdade

  A disciplina é alicerce da vida.

  A ordem é fundamento da Lei.

  Quanto maior o primitivismo dos seres enfaixados no berço da evolução, com mais força registramos semelhante princípio.

  O minério, da gleba a que se acolhe, é transportado sem qualquer resistência para atender às lides do progresso.

  O verme arrasta-se no solo, cadaverizando-se nele de modo a fecundá-lo para que a semente germine.

  A árvore sofre o insulto da tempestade, produzindo sem exigência, em favor dos outros, os frutos que não consome.

  A ovelha cede a lã que lhe é própria ao reconforto alheio, tremendo ante o assalto do frio.

  Os elementos mais simples obedecem e auxiliam sem reclamar e todos eles, colados ainda à Terra, para ela se voltam, humildes e submissos, representando crisálidas de consciência em sua expressão fetal, no colo da Natureza.

  Todavia, o dever é diferente no homem, cuja cabeça se ergue dominadora na direção do Infinito. De braços livres, não obstante chumbado à senda que perlustra, pode sentir e raciocinar, mentalizar e escolher, calcular e decidir.

  E porque o Supremo Senhor não gerou os filhos de Sua Sabedoria e de Seu Amor para escravos de Sua Casa, concede-lhes a razão, com que se lhes agiganta o livre-arbítrio na formação do próprio merecimento.

  É por isso que, quanto mais elevado o degrau da criatura, mais ampla se lhe torna a responsabilidade na plantação e na defesa do Bem.

  Estejamos alertas no mundo de nós mesmos, procurando aprender e servir, nas bases do amor puro e da humildade, de vez que todos nós, à luz do discernimento, dispomos de liberdade para cumprir as obrigações que nos cabem perante a Lei, plasmando o direito ao Céu, a começar de nós, ou para cultivar a rebeldia sistemática, pela qual arrasamos os talentos divinos, gerando em nossas almas os agentes do desequilíbrio que equivale na vida ao martírio infernal.

(Jóia. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier )