Dar de si mesmo

          Laurinha, embora contasse apenas oito anos de idade, tinha um coração generoso e muito desejoso de ajudar as outras pessoas.
          Certo dia, na aula de Evangelização Infantil que frequentava, ouvira a professora, explicando a mensagem de Jesus, falar da importância de se fazer caridade, e Laurinha pôs-se a pensar no que ela, ainda tão pequena, poderia fazer de bom para alguém.
          Pensou... pensou... e resolveu:
          — Já sei! Vou dar dinheiro a algum necessitado.
          Satisfeita com sua decisão, procurou entre as coisas de sua mãe e achou uma linda moeda.
          Vendo Laurinha com dinheiro na mão e encaminhando-se para a porta da rua, a mãe quis saber aonde ela ia. Contente por estar tentando fazer uma boa ação, a menina respondeu:
          – Vou dar este dinheiro a um mendigo!
          A mãezinha, contudo, considerou:
          – Minha filha, esta moeda é minha e você não pode dá-la a ninguém porque não lhe pertence!
          Sem graça, a garota devolveu a moeda à mãe e foi para a sala, pensando...
          – Bem, se não posso dar dinheiro, o que poderei dar?
          Meditando, olhou distraída para a estante de livros e uma ideia surgiu:
          – Já sei! A professora sempre diz que o livro é um tesouro e que traz muitos benefícios para quem o lê.
          Eufórica por ter decidido, apanhou na estante um livro que lhe pareceu interessante, e já ia saindo da sala quando o pai, que lia o jornal acomodado na poltrona preferida, a interrogou:
          – O que você vai fazer com esse livro, minha filha?
          Laurinha estufou o peito e informou:
          – Vou dá-lo a alguém!
          Com serenidade, o pai tomou o livro da filha, afirmando:
          – Este livro não é seu, Laurinha. É meu, e você não pode dá-lo para ninguém.
          Tremendamente desapontada, Laurinha resolveu dar uma volta, Estava triste, suas tentativas para fazer a caridade não tinham tido bom êxito e, caminhando pela rua, continha as lágrimas que teimavam em cair.
          – Não é justo! – resmungava.– Quero fazer o bem e meus pais não deixam!
          Nisso, ela viu uma colega da escola sentada num banco da pracinha. A menina parecia tão triste e desanimada que Laurinha esqueceu o problema que tanto a afligia.
          Aproximando-se, perguntou gentil:
          – O que você tem, Raquel?
          A outra, levantando a cabeça e vendo Laurinha a seu lado, desabafou:
          – Estou chateada, Laurinha, porque minhas notas estão péssimas. Não consigo aprender a fazer contas de dividir, não sei tabuadas e tenho ido muito mal nas provas de matemática. Desse jeito, vou acabar perdendo o ano. Já não bastam as dificuldades que temos em casa, agora meus pais vão ficar preocupados comigo também.
          Laurinha respirou, aliviada:
          – Ah! Bom, se for por isso, não precisa ficar triste. Quanto aos outros problemas, não sei. Mas, em relação à matemática, felizmente, não tenho dificuldades e posso ajudá-la. Vamos até a sua casa e tentarei ensinar a você o que sei.
          Mais animada, Raquel conduziu Laurinha até a sua casa, situada num bairro distante e pobre. Ficaram a tarde toda estudando.
          Quando terminaram, satisfeita, Raquel não sabia como agradecer à amiga.
          – Laurinha, eu aprendi direitinho o que você ensinou. Não imagina como foi bom tê-la encontrado naquela hora e o bem que você me fez hoje. Confesso que não tinha grande simpatia por você. Achava-a orgulhosa, metida, e vejo que não é nada disso. É muito legal e uma grande amiga. Valeu.
          Sentindo grande sensação de bem-estar, Laurinha compreendeu a alegria de fazer o bem. Quando menos esperava, sem dar nada material, percebia que realmente tinha ajudado alguém.
          Despediram-se, prometendo-se mutuamente continuarem a estudar juntas.
          Retornando para casa, Laurinha contou à mãe o que fizera, comentando:
          – A casa de Raquel é muito pobre, mamãe; acho que estão necessitando de ajuda. Gostaria de poder fazer alguma coisa por ela. Posso dar-lhe algumas roupas que não me servem mais? – perguntou, algo temerosa, lembrando-se das “broncas” que levara algumas horas antes.
          A senhora abraçou a filha, satisfeita:
          – Estou muito orgulhosa de você, Laurinha. Agiu verdadeiramente como cristã, ensinando o que sabia. Quanto às roupas, são “suas” e poderá fazer com elas o que achar melhor.
          Laurinha arregalou os olhos, sorrindo feliz e, afinal, compreendendo o sentido da caridade.
          – É verdade, mamãe. São minhas! Amanhã mesmo levarei para Raquel. E também alguns sapatos, um par de tênis e uns livros de histórias que já li.

(Célia Xavier Camargo - Fonte: O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita)