Credores no lar

“Honrai vosso pai e vossa mãe…” — JESUS (Mateus, 19.19)

 

“Honrar a seu pai e sua mãe não consiste apenas em respeitá-los; é também assisti-los na necessidade; é proporcionar-lhes repouso na velhice; é cercá-los de cuidados como eles fizeram conosco na infância.” — Cap. XIV, 3

 

 No devotamento dos pais, todos os filhos são joias de luz, entretanto, para que compreendas certos antagonismos que te afligem no lar, é preciso saibas que, entre os filhos-companheiros que te apoiam a alma, surgem os filhos-credores, alcançando-te a vida, por instrutores de feição diferente.

 Subtraindo-te aos choques de caráter negativo, no reencontro, preceitua a eterna bondade da Justiça Divina que a reencarnação funcione, reconduzindo-os à tua presença, através do berço. É por isso que, a princípio, não ombreiam contigo, em casa, como de igual para igual, porquanto reaparecem humildes e pequeninos.

 Chegam frágeis e emudecidos, para que lhes ensines a palavra de apaziguamento e brandura.

 Não te rogam a liquidação de débitos, na intimidade do gabinete, e sim procuram-te o colo para nova fase de entendimento.

 Respiram-te o hálito e escoram-se em tuas mãos, instalando-se em teus passos, para a transfiguração do próprio destino.

 Embora desarmados, controlam-te os sentimentos.

 Não obstante dependerem de ti, alteram-te as decisões com simples olhar.

 De doces numes do carinho, passam, com o tempo, à condição de examinadores constantes de tua estrada.

 Governam-te impulsos, fiscalizam-te os gestos, observam-te as companhias e exigem-te as horas.

 Reaprendem na escola do mundo com o teu amparo, todavia, à medida que se desenvolvem no conhecimento superior, transformam-se em inspetores intransigentes do teu grau de instrução.

 Muitas vezes choras e sofres, tentando advinhar-lhes os pensamentos para que te percebam os testemunhos de amor.

 Calas os próprios sonhos, para que os sonhos deles se realizem.

 Apagas-te, a pouco a pouco, para que fuljam em teu lugar.

 Recebes todas as dores que te impõem à alma, com sorrisos nos lábios, conquanto te amarfanhem o coração.

 E nunca possuis o bastante para abrilhantar-lhes a existência, de vez que tudo lhes dás de ti mesmo, sem faturas de serviço e sem notas de pagamento.

 Quando te vejas, diante de filhos crescidos e lúcidos, erguidos à condição de dolorosos problemas do espírito, recorda que são eles credores do passado a te pedirem o resgate de velhas contas.

 Busca auxiliá-los e sustentá-los com abnegação e ternura, ainda que isso te custe todos os sacrifícios, porque, no justo instante em que a consciência te afirme tudo haveres efetuado para enriquecê-los de educação e trabalho, dignidade e alegria, terás conquistado em silêncio, o luminoso certificado de tua própria libertação.

(Livro da Esperança. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)