Com Jesus e com Kardec

O espírita antigamente,

Nas visões em que me interno,

Fosse na rua ou no lar

Era muito mais fraterno.

Os templos eram humildes

Construções de alvenaria.

Sob a luz da mesma fé,

Tudo vibrava harmonia.

Cultivava-se o respeito

Pela Codificação.

Hoje dizem que Kardec

Necessita revisão.

Nos artigos dos jornais,

Sempre se tinha o que ler.

Agora é o ataque mútuo,

Provocando-se a valer...

Até mesmo para o passe

Inventaram novas formas.

Dizem que a Doutrina é livre

E vão prescrevendo as normas...

Aos caminhos de quem serve,

Chega a crítica mais cedo

E, por isso, de ser médium

Muita gente anda com medo.

Eu sei que lendo os meus versos

Ainda alguém vai falar:

– “Foi algum obsessor

Que tomou o seu lugar...”

De fato, os tempos são outros.

O progresso é natural.

Mas não percamos de vista

A pureza original.

Recordando, meus amigos,

O que houve ao Cristianismo,

Procuremos trabalhar

Deixando tanto modismo.

Aqui pára e vou cantando

Na estrada que me conduz:

Sou um “espírita de ontem”,

Com Kardec e com Jesus.

(Confia e Serve. Espírito Eurícledes Formiga . Psicografado por Chico Xavier e Carlos Bacceli)