Cilícios

Antigamente, quem pretendia alcançar o Céu, através do caminho religioso, usava cilícios inquietantes com que castigava a carne dolorida.

 Hoje, porém, compreendemos que a matéria, embora viva com os milhões de corpúsculos que a constituem, é recurso passivo ante a vibração espiritual.

 Entendemos que a consciência vive ante o corpo na posição do maquinista perante a locomotiva.

A harmonia ou o desequilíbrio representam resultados da direção.

Não vale, pois, oprimir o sangue sem disciplinar o coração.

 Na atualidade, possuímos cilícios valiosos que efetivamente cooperam em nossa redenção.

 O silêncio amigo diante da calúnia impensada.

 A renunciação a certos favores materiais, a benefício do companheiro que caminha conosco.

 O sacrifício mudo pela afeição que se transviou no roteiro terrestre.

 A doação dos recursos que nos façam falta, no amparo ao próximo.

 A resistência às tentações de nossa própria natureza inferior.

 O esquecimento de vantagens cabíveis à nossa situação, para que nossos companheiros se rejubilem com o êxito, antes de nós.

 A gentileza sem reclamação.

 A caridade sem pagamento.

 A noite de vigília à cabeceira dos agonizantes.

 O auxílio pessoal aos mais infelizes.

 O sorriso amigo diante da suspeita sem razão de ser.

 Semelhantes medidas são sempre elementos espirituais do mais alto valor ao nosso progresso.

 O Senhor não nos induziu a atormentar o corpo, a fim de alcançarmos as Divinas Portas. Aconselhou simplesmente a coragem de negarmos a nós mesmos, no combate ao nosso “eu” egoístico e absorvente, a fim de que tomemos a cruz dos nossos deveres de cada dia, seguindo-lhe os passos.

 Certamente, se quisermos sustentar nos próprios ombros o madeiro de nossas obrigações, atingiremos com o Mestre a alvorada da redenção sublime para sempre.

 (Cartas do coração. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)