Cartão de visita

Reunião pública de 8 de Janeiro de 1960

Item n.°7 de “O Livro dos Médiuns”

 

 Em qualquer estudo da mediunidade, não podemos esquecer que o pensamento vige na base de todos os fenômenos de sintonia na esfera da alma.

 Analisando-o, palidamente, tomemos a imagem da vela acesa, apesar de imprópria para as nossas anotações.

 A vela acesa arroja de si fótons ou força luminosa.

 O cérebro exterioriza princípios inteligentes ou energia mental.

 Na primeira, temos a chama. No segundo, identificamos a ideia.

 Uma e outro possuem campos característicos de atuação, que é tanto mais vigorosa quanto mais se mostre perto do fulcro emissor.

 No fundo, os agentes a que nos referimos são neutros em si.

 Imaginemos, no entanto, o lume conduzido. Tanto pode revelar o caminho de um santuário, quanto a trilha de um pântano.

 Tanto ajuda os braços do malfeitor na execução de um crime, quanto auxilia as mãos do benfeitor no levantamento das boas obras.

 Verificamos, no símile, que a energia mental, inelutavelmente ligada à consciência que a produz, obedece à vontade.

 E, compreendendo-se no pensamento a primeira estação de abordagem magnética, em nossas relações uns com os outros, seja qual for a mediunidade de alguém, é na vida íntima que palpita a condução de todo o recurso psíquico.

 Observa, pois, os próprios impulsos.

 Desejando, sentes.

 Sentindo, pensas.

 Pensando, realizas.

 Realizando, atrais.

 Atraindo, refletes.

 E, refletindo, estendes a própria influência, acrescida dos fatores de indução do grupo com que te afinas.

 O pensamento é, portanto, nosso cartão de visita.

 Com ele, representamos ao pé dos outros, conforme nossos próprios desejos, a harmonia ou a perturbação, a saúde ou a doença, a intolerância ou o entendimento, a luz dos construtores do bem ou a sombra dos carregadores do mal.

 (Seara dos médiuns. Espírito Emmanuel. Psicografado por Chico Xavier)