Carta aos Espíritas

Se foste chamado à luz

Da grande revelação,

Lembra, amigo, que a doutrina

É o pensamento cristão.

Fenômenos, teorias,

Ciências daquilo ou disto,

Já eram velhos no mundo,

Bem antes de Jesus Cristo.

"Nada novo sob o sol"

Dizia já Salomão.

Toda a grande novidade

Inda é a nossa imperfeição.

Capacita-te, portanto,

Que a tua necessidade

É a de aplicar o Evangelho,

Por tua felicidade.

Não há espíritos-guias,

Nem mensageiros do Além

Que façam mais que Jesus

Na santa lição do Bem.

Se já escutaste no mundo

A doce voz do Espaços,

Corrige o teu coração,

Regulariza os teus passos.

O Além não se comunica

Tão só para o teu agrado,

Mas a fim de que realizes

O ensino do Mestre Amado.

Não peças muito aos teus guias

Completa orientação,

Por serem desencarnados,

Não vivem na perfeição.

O esforço próprio é uma lei

Das mais nobres que há na vida;

A morte não representa

Liberdade redimida.

Restringe as tuas perguntas

No instante de tuas preces.

Não sabes o que desejas

Mas Deus sabe o que mereces.

Cumpre sempre os teus deveres.

Trabalho e realização

São das preces mais sublimes

De tua religião.

Para as horas de amargura,

Para as dúvidas da sorte,

O Evangelho é a luz da vida

Que esclarece além da morte.

No desempenho sagrado

De tua excelsa missão,

Não te afastes da tarefa

De paz e de redenção.

Não te percas no caminho.

És bem o trabalhador

De quem Jesus vive à espera

Dos testemunhos de amor.

(Cartas do Evangelho. Espírito Casimiro Cunha. Psicografado por Chico Xavier).