Cânticos de Louvor

Quando a vida começava no mundo, os pássaros sofriam bastante.

            Pousavam nas árvores e sabiam voar, mas como haviam de criar os filhotinhos? Isso era muito difícil.

            Obrigados a deixar os ovos no chão, viam-se, quase sempre, perseguidos e humilhados.

            A chuva resfriava-os e os grandes animais, pisando neles, quebravam-nos sem compaixão.

            E as cobras? Essas rastejavam no solo, procurando-os para devorá-Los, na presença dos próprios pais, aterrados e trêmulos.

            Conta-se que, por isso , as aves se reuniram e rogaram ao Pai Celestial lhes desse o socorro necessário.

            Deus ouviu-as e enviou-lhes um anjo que passou a orientá-las na construção do ninho.

            Os pássaros não dispunham de mãos; entretanto, o mensageiro inspirou-os a usar os biquinhos e, mostrando-lhes os braços amigos das árvores, ensinou-os a transportar peque ninas migalhas da floresta, ajudando-os a tecer os ninhos no alto.

            Os filhotinhos começaram a nascer sem aborrecimentos, e, quando as tempestades apareceram, houve segurança geral.

            Reconhecendo que o Pai Celeste havia respondido às suas orações, as aves combinaram entre si cantar todos os dias, em louvor do Santo Nome de Deus.

            Por essa razão, há passarinhos que se fazem ouvir pela manhã, outros durante o dia e outros, ainda, no transcurso da noite.

            Quando encontrarmos uma ave cantando, lembremo-nos, pois, de que do seu coraçãozinho, coberto de penas, está saindo o eterno agradecimento que Deus está ouvindo nos céus.

 

(Pai nosso. Espírito Meimei. Psicografado por Chico Xavier)