Benção no lar

 Mãezinha querida! Quisera hoje escrever-te as palavras mais lindas, dizer que o teu carinho é uma estrela a guiar-me, que a tua presença é a de um anjo iluminando-me as horas…

 Quisera falar-te com a luz do Céu transformada em melodia, enaltecendo-te a bondade, ou fazer um colar com os sorrisos de todas as crianças com que te enfeitasse o coração…

 Revejo-te, porém, a imagem serena e doce na tela da memória e longe e saber glorificar-te só me resta o impulso de agradecer.

 De que modo exaltar-te, se é a tua abnegação que me exalta? Que poderia a gota d’água cantar em louvor da fonte que a embala e de cuja ternura ela própria desliza?

 Se te posso algo oferecer, trago-te a singela mensagem de meu reconhecimento com a esperança de ser melhor.

 Não te ignoro os sacrifícios que buscas esconder na imensidão de teu afeto, nem as lágrimas por minha causa que não deixas cair, a fim de que eu não saiba das inquietações que te dou.

 Perdoa-me e espera, anjo querido, porque as tuas sementes de ternura e dedicação estão vivas em minhalma.

 Reconheço os espinheiros e as dificuldades da incompreensão que sufocam temporariamente as plantações de paz e amor que me deste.

 Sei quantas vezes te esqueci, enquanto me colocavas diante de Deus, em tuas preces de aflição, e sei das outras tantas em que te feri, enquanto me afagavas…

 Acolhe-me, porém, querida mãezinha, a promessa de entendimento e renovação…

 Recebe-me o pranto jubiloso de gratidão pela felicidade de possuir comigo o tesouro das alegrias em que me envolves…

 E se te posso pedir mais ainda, abraça-me de novo, deixa que te sinta o coração no meu coração, reaquece minhalma a fim de que eu siga adiante, ao encontro das experiências que me aguardam no mundo, e repete outra vez as palavras inesquecíveis da infância com que sempre me abençoaste, para que Deus me abençoe.

(Os dois maiores amores. Espírito Meimei. Psicografado por Chico Xavier)